Futebol de literatura periférica*

Por Wagner Silva Gomes

Ilustração: Giovanna Jarandilha. 


 
Pasolini, escritor, poeta e cineasta italiano, escreveu em 1971 o ensaio intitulado “O futebol”. Nele o escritor analisa as diferenças entre o que ele chama de futebol de prosa (cerebral, esquemático, técnico) e futebol de poesia (imprevisível, gingado, inventivo). Ele diz que o primeiro tipo de futebol tem mais a ver com a realização europeia e o segundo com a realização latino-americana, mais especificamente a brasileira. Refiro-me a Pasolini pra trazer a minha constatação de que há um futebol de literatura periférica (esquemático e imprevisível; cerebral e gingado; técnico e inventivo) que, para além dos gêneros literários narrativo e lírico, é realizado por uma literatura em que as palavras e frases são pensadas, enchidas, energizadas, por construtos estéticos-sociais (escola de samba, dança de quadrilha, futebol, capoeira, música, principalmente o rap, a cultura hip-hop em geral etc.) realizados e exercitados fortemente pela coletividade de uma comunidade periférica. Articulo aqui o conceito de construto estético-social me remetendo de forma livre ao ensaio “Desartificação da arte e construtos estéticos sociais” (UFMG, 2012), de Rodrigo Duarte.
 
Para esse futebol, Zumbi, histórico líder do quilombo dos Palmares, é referência de resistência e consciência negra, pois os construtos estético-sociais se dão em articulação com demandas e vivências coletivas nas comunidades majoritariamente negras. O esquemático desse futebol é o envolvimento coletivo em circularidade, por isso a prática artística dessa literatura se realiza por meio do rap, do slam, do teatro, do cinema, dos livros (e outras formas de jogadas ensaiadas, construtos estético-sociais que surgem em cada contexto). Exemplos dessa literatura de futebol periférico de vários tempos são Filipe Ret (rap), César MC (slam e rap), teatro (Bando de Teatro Olodum), Cinema Também é Quilombo (festival de cinema realizado de forma virtual), Carolina Maria de Jesus (livro – tanto prosa quanto poesia). Quando esses escritores jogam em casa tratam de suas comunidades (Ret joga no Catete, Rio de Janeiro; César MC joga no Morro do Quadro, Espírito Santo; Bando de Teatro Olodum joga no Pelourinho, Bahia; Carolina Maria de Jesus joga na favela do Canindé, São Paulo). Quando não jogam em casa, a exemplo do Festival Cinema Também é Quilombo, os futebolistas da literatura periférica usam assim mesmo palavras e frases, imagens, que trazem os conteúdos das jogadas ensaiadas e dos construtos estéticos de sua comunidade para jogar em outros campos. Dessa maneira, a prosa desse futebol, de alguma forma, implicitamente ou explicitamente, está fundada na história da comunidade de onde o artista nasceu e se criou.
 
No quesito inventividade, ginga da poesia, a comunidade é que forma a realidade do sujeito poético. É uma poesia que bebe de tópicas da ancestralidade africana que são atualizadas em metáforas que envolvem vivência com construtos estético-sociais. No meu primeiro livro, por exemplo, intitulado Classe Média Baixa (2014), narro parte da história da comunidade de Mangue Seco, onde sou nascido e criado, lidando com a transformação econômica e social gerada pelos dois governos Lula (PT), destacando principalmente o ingresso em massa de jovens negros nas universidades e como está sendo realizada a passagem na ponte que liga a periferia à universidade. Quando fui dar um nome ao protagonista desse livro me veio uma frase muito forte que se colocava em minha mente como algo sussurrado por alguém que me lançava uma missão. Essa frase é “Tom Maior”, que é o nome de uma música do Martinho da Vila onde o sujeito poético observa a gestação de sua companheira e conta como irá ensinar o filho a viver na sua comunidade, como é a vida ali, dizendo que ele “Vai ter que amar a liberdade/ Só vai cantar em tom maior/ Vai ter a felicidade/ de ver um Brasil melhor”. O nome da personagem não me veio de referência de livros, me veio da música, me aparecendo como uma tópica imprevisível, coisa de poesia, de um construto poético periférico (o samba), me lembrando da vivência de ver e ouvir meu pai cantando, dele me ver e pedir para eu prestar atenção no que estava sendo dito na música, que é importante, e que aquilo ali era poesia. O Luiz Antônio Simas, historiador, compositor, babalaô, na palestra intitulada “Encontro entre Walter Benjamin e o Caboclo da Pedra Preta: o espaço escolar a contrapelo”, realizada na FGV, destaca a importância de lidar com a gramática dos tambores na educação escolar. Diz ele que determinada frase rítmica do tambor, a base rítmica do batidão do funk carioca, é o toque de Xangô, o deus da justiça para as religiões de matriz africana como a umbanda e o candomblé. Lembra-nos Simas que ao emitir aquela frase, aquele toque, se está entrando na história de Xangô, evocando o seu poder, a sua vivência. Dessa forma, quando pensei na frase “Tom Maior” para o nome da personagem de meu romance, eu recorria para além do construto estético do samba à ancestralidade da mitologia dos orixás. Para mim isso foi imprevisível, me veio como poesia, como missão, e eu sabia que aquele nome era uma peça importante no time do meu livro, como um jogador, que eu deveria colocar na circularidade do campo para assim fortalecer o esquema, e consequentemente a resistência.
 
A escola tem sido primordial para o futebol de literatura periférica. Um governo que valorize a construção de escolas, a efetivação dos professores, o aumento no número de vagas, programas contra a evasão escolar, programas para a melhoria do ensino e para o incentivo à formação dos professores faz essa literatura dar saltos nos índices de bom desempenho. O rapper Mano Brown, quando entrevista o Djonga (Spotify, 2021), cita que a sua geração de rappers, que surgiu no final dos anos 80 e início dos 90 do século 20, em sua maioria tinha estudado até a segunda ou terceira série. Essa geração em sua maioria fazia um rap mais próximo da cultura oral, com forte conteúdo crítico e vivencial, mas que se afastava dos recursos poéticos da literatura escolar. Rappers que tiveram projeção na segunda década do século 21, como Djonga, Emicida, Criolo, Rincon Sapiência, BK, Fróid, trazem conteúdos provindos de conceitos da história, da sociologia, da filosofia, da psicanálise etc., aplicados em recursos mais propriamente poéticos da literatura escolar, por terem avançado por mais anos na educação regular, terminando o ensino médio e alguns até indo além (Djonga estudou na Universidade Federal de Minas Gerais; Jhon Conceito formou-se em jornalismo; Renan Inquérito faz doutorado).
 
Um poema do final dos anos 70 que anteviu muito do que é o futebol de literatura periférica é “[esse jeito]”, do livro Régis Hotel (1978), de Régis Bonvicino, que transcrevo aqui mas atualizando alguns versos. Segue o poema e a atualização em negrito:
 
esse jeito
de meia-armador
(cerebral
distante)
(reinante)         
 
é pra disfarçar (realizar)
a vontade
de ser
 
goleador
poeta
centroavante
 
Esse poema se dá em uma prancheta concreto-marginal onde se visualiza no esquema de jogo no número de versos de cada estrofe (esquema 4/3/3) e a dinâmica de jogo na métrica de cada verso (3532 / 532 / 423), como analisado pelo crítico Wilbert Salgueiro em sua análise do poema (Rascunho, 2021). Nele se nota a influência da literatura marginal (coloquial, gingada, elíptica — notada na irregularidade métrica de fraseado que se apoia no modo cotidiano de falar — “esse jeito” “é pra”) que se firma na base visual elíptica e cerebral da poesia concreta. A elipse é o eixo que une literatura marginal e poesia concreta. Assim, no futebol de literatura periférica não há disfarce que não seja literal. Troquei a palavra “distante” por “reinante”, na primeira estrofe, pra mostrar a influência negra metafórica do rei Pelé, tomado aqui como um líder negro, como vários que vieram da África (Zacimba Gaba é um exemplo), reis e rainhas que aqui usaram de suas influências e, como o rei Pelé, conseguiram articular as jogadas de resistência em seus devidos campos. Na última estrofe troquei a palavra “disfarçar” por “realizar” porque o meia-armador, conduzindo sua liderança de líder negro também realiza a sua vontade de ser (livre, aceito, valorizado, respeitado, premiado, homenageado etc.) mesmo que não seja ele mas um igual que conclua a jogada. Da mesma maneira que no poema de Régis há nessas narrativas de futebol de prosa e de poesia da literatura periférica, em engendramento com construtos estético-sociais em seus vários ramos de arte, um narrador que conduz a influência reinante de um líder, às vezes como técnico, às vezes como meia-armador, e há um sujeito poético que recebe a bola e dá seguimento a jogada passando a bola para outros sujeitos.
 
Há nesse futebol de literatura periférica uma qualidade de ensaísta, de quem discute, de quem se vale de conceitos, de esquemas, os criticando e formando outros esquemas sintetizados em situações cotidianas, valorizando o transitório da vida em prol da permanência de um entendimento, de uma resistência, como é pensado por Theodor Adorno e como eu faço aqui. Na linguagem desse futebol, o visual é importante porque uma imagem vale mais que mil palavras, é fato, mas, mesmo a imagem é por palavras, pois parafraseando o professor Sérgio Amaral, meu professor na pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo, onde curso mestrado, uma imagem não dá conta do conteúdo de mil palavras. Por isso os livros, cds, slams, usam do visual de capa, do visual de gestos, para comunicar um pouco mais, pois assim desperta quem é mais ligado a outro construto estético-social e só a partir dele vai entender o recado cifrado de como irá realizar a condução da jogada. Em meus livros todas as capas trazem imagens fortes, e dificilmente se acha um livro de literatura periférica com a capa toda preta, ou toda vermelha, a não ser que seja conceitual, pois aí o chapado da cor fará sentido (John Conceito, por exemplo, tem um livro intitulado Depois do Nada (2016), onde a capa é toda marrom, de papelão. Pelo conteúdo eu entendo que conceitualmente faz lembrar um tijolo de casa sem reboco, como são muitas em periferias – às vezes é esse construto estético da arquitetura periférica que irá despertar mais fortemente a sensibilidade do leitor para a importância da condução da obra).
 
Por fim, cê qué ver uma coisa. Sabe aquela ponte que liga a periferia à universidade, que falei lá em cima ao tratar do meu primeiro livro, intitulado Classe Média Baixa, ela está abordada em um desenho da Marília Carreiro, poeta, escritora, líder da Editora Pedregulho. O desenho mostra o Mangue Seco, minha comunidade periférica, como um coliseu, sendo uma baixada ao nível do mar rodeada por morros (Morro do SESI e Morro do Meio, e sua própria encosta em Porto Novo; e do outro lado, separado pela baía de Vitória, há a montanha do maciço central, que carrega abaixo comunidades como Bela Vista, Morro do Quadro, Alagoano). A Marília desenhou a ponte da passagem, ponte próxima à universidade e bem longe da periferia, ligada direto à última. Trabalhando discursos sobre a imagem desse coliseu faço no livro saudações às comunidades do Alagoano e do Morro do Quadro. Desse despontou nos últimos anos o César MC, slamer e rapper que lançou o disco Dai a César o que é de César (2021). O César pode não ter lido o meu livro, mas tenho certeza que ele compartilha comigo de muitos dos mesmos construtos estético-sociais (compartilhamos, por exemplo, de vivências com o Coral Serenata, do colégio Mauro Braga, localizado em Santa Tereza, próximo ao Morro do Quadro — onde dei aula e onde ele gravou o clipe “Canção Infantil”; alunos meus daquele tempo atuaram como atores e atrizes do clipe). Assim, realizamos em nossas artes construtos estético-sociais que trabalham a condução da emancipação das periferias no mesmo cenário da baía de Vitória.
 
* Palestra na Escola EEEM Mario Gurgel
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #463

Os melhores de 2021: prosa

Os melhores de 2021

Os melhores de 2021: poesia

Destaques em projetos editoriais 2021

Cinco poemas de W. B. Yeats*