O silêncio das estrelas

Por Tiago D. Oliveira




Fiquei me perguntando sobre o que seria o novo livro do Rodrigo Garcia Lopes, O enigma das ondas, e me deparei com um grande leque de alcances. A sensação primeira foi a de adentrar em uma biblioteca que se desenha no enquadramento de uma página, funda surpresa que convoca para um mergulho onde a poesia polariza em pontos de partida e chegada reinventando-se em toques múltiplos contemporâneos ou não – eis o lirismo de um poeta que reage ao mundo, eis um mundo como barro nas mãos sobre o papel provocando também reflexões.

Vejo seus versos como a imagem do leitor. Leio suas palavras, que são leituras mundanas. Nós, dois leitores em busca de entendimento – “uma outra imagem, móvel, vazia (apta a tomar não importa quais contornos) que nunca é mais do que o lugar de seu efeito: lá onde se entrevê a morte da linguagem”, afirmou um dia Roland Barthes – sendo a primeira margem a dada pelo texto e a segunda, construída. Estamos os dois, lado a lado, unificados pelo livro.

O enigma das ondas é o sétimo livro de poemas de Rodrigo Garcia Lopes, que vem já maturando sua obra desde os anos 80, criando uma poesia que se remonta a cada livro e assim consegue alcançar leitores e lugares dentro da literatura brasileira. Ele, que também traduziu uma boa sequência de obras de grandes nomes da literatura mundial – Rimbaud, Whitman, Apollinaire, Laura Riding, Sylvia Plath – lançou ainda livros de entrevistas, romance, letras para um álbum musical e foi editor de uma grande revista de circulação nacional que marcou uma época, a Coyote. Um pacote de experiências que só contribuiu para que a sua poesia fosse crescendo a partir do contato, das leituras e de toda experimentação possível, e assim ficou como semifinalista do Prêmio Oceanos do ano de 2021, reafirmando o caminho de O enigma das ondas.            

Em diversos momentos a voz dos poemas localiza o desconforto aflorado lento e potente – “ninguém disse que seria fácil, que seria sopa” – e uma outra voz começa a comentar os versos dentro da própria leitura – “este filme mudo chamado/ O Enigma do mundo" –, a voz da consciência do mundo, o que só cresce a cada verso lido e a sensação de desconforto aumenta, a imagem de uma saída se embaralha com as notícias de jornal, tudo reforça as lacunas abertas pela poesia – “O que ninguém tinha tentado:/ Chegar inteiro à linha de chegada” – para que a própria poesia apresente seus preenchimentos – “Amar cada segundo ávido/ Sem nenhuma dúvida” –, para que a poesia apresente a sua viável saída – “Só para dar um sentido/ à vida, este mal-entendido” – e o desconforto se dilua em outro tempo a marcar. É o que pode ser lido em “Canção de outono”.

Editado pela Iluminuras, os 91 poemas estão divididos em 4 partes. A primeira, “Língua”, apresenta ao leitor uma chance de pensar o ato de escrever, de fazer poesia, assim como outros aspectos internos do universo literário, o que destaca o tom ácido em versos metalinguísticos. Pensar a primeira parte do livro é uma prática interessante tanto para o leitor iniciante quanto para o iniciado. Lendo “Janelas para o mundo”, poema alegoria, conseguimos as imagens em potência exata:
 
O mundo passa
pela janela da palavra
para tocar a realidade
 
mas a realidade
de repente se fecha
na imagem de uma concha:
 
uma concha
é um mundo onde
coube uma palavra.
 
isto nos basta:
fechamos as palavras das janelas
e abrimos as janelas das palavras.
 
O mundo das palavras e o mundo real, o que sobra são constatações que desnorteiam pela intensidade. O que fica no fim é a viagem que o leitor faz com as palavras e consegue ser também parte das engrenagens do poeta, a leitura.

A segunda parte, “pandemonium”, o peso das questões políticas que acometem o país é sentido muito claramente, os poemas são carregados de um olhar social que corta a realidade para costurar dores atuais na folha de papel – “AFASIA FALÉSIA FALÊNCIA FALÁCIA”, o que lemos em “Odisseia paulistana”. Ou em “Delação premiada” – “Falar é poder. Mas, e calar?”. Também em “Sonhei tanto um dia ser/ um velho lobo do mar/ Mas só conseguir virar/ o velho lobo do bar”, quando percebemos o traço característico presente em todo o livro, o tom sarcástico, irônico.
 
A terceira parte, “loci”, carrega o olhar reflexivo e pesa em certa melancolia nos versos. Se distingue em formas e estilos, carrega o poeta para um lugar em que apresenta de maneira mais completa uma poesia que herda o clássico, mas que também afirma seu tempo em riquezas estéticas que embelezam o ofício de carpir a palavra.

A quarte parte, “mentis”, também é rica em maturidade poética, um conjunto de poemas que demonstram que a forma ainda é um dos aspectos que figuram como ponto de partida e chegada para o poeta. Ficam as palavras, mas do que elas, ficam seus ecos ou formas de grafias em versos que traduzem o tempo, toda e qualquer forma de gritá-lo no silêncio de uma página em branco.

Guardo dessas páginas o sentido das ondas, mas agora sem enigmas, ainda com algumas lacunas abertas, mas sem enigmas que possam impedir o desvelar de um “Lar”:
 
Além, a linha de sombras
das montanhas,
o travelling branco e sibilante
das ondas.
 
Outono
e calmaria.    
 
Sobre estas simples telhas
o silêncio das estrelas.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #499

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Electronica, de Enzo Maqueira

Os anos, de Annie Ernaux

Os nomes que fizeram o nome Saramago

Faça-se você mesmo, de Enzo Maqueira