Literatura e cidade: dez livros da literatura estrangeira

Há algum tempo aventuramo-nos na ideia de organizar duas listas de leituras com obras que tragam como espaço alguma cidade das inscritas no mapa-múndi; isso nasceu desde quando editamos outra postagem sobre a relação entre literatura e viagem.

Na primeira lista, exploramos obras da literatura de língua portuguesa; agora continuamos a ousadia com a apresentação de livros de outras literaturas cujo foco é este, a relação entre literatura e cidade.

Como lembramos todas as vezes ao nosso leitor, está não é uma lista definitiva e sim um breve guia através do qual poderá encontrar portas de acesso ao universo da leitura literária; também não é nenhum um ranking; e as sinopses são, em grande parte, copiadas daquilo que apresentam as editoras.



1. Paris é uma festa, de Ernest Hemingway: esta obra revela o nascimento do escritor e sua obra. Na cidade luz, o estadunidense lê, pela primeira vez, clássicos como Liev Tosltói, Fiódor Dostoiévski e Stendhal, além de, conviver com gente como Gertrude Stein, James Joyce, Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald. Paris e toda essa verve lhe deu fôlego para acreditar na literatura como um exercício sério. A cidade de Hemingway é preenchida por uma série de afetos: da melancolia à crueldade. o livro começou a ser escrito em 1957, quanto estava em Cuba e foi concluído três anos depois; a obra não deixa de ser um encontro entre o escritor o fascínio da cidade já cantada por Charles Baudelaire. “Se você quando jovem teve a sorte de viver em Paris, então a lembrança o acompanhará pelo resto da vida, onde quer que você esteja, porque Paris é uma festa ambulante”.

2. Ensaios, de Truman Capote: o motivo de citarmos esse livro nesta lista é único, a presença do ótimo “Ouvindo as musas”. O livro reúne 42 peças escritas entre 1946, quando o autor era ainda um jovem escritor até sua morte; são perfis, crônicas, notas autobiográficas e relatos de viagem, a maioria publicados em revistas como The New Yorker e Esquire. “Ouvindo as musas” é o relato da turnê de uma companhia negra de ópera estadunidense pela ex-União Soviética. Pequenos dramas humanos se desenrolam numa sucessão de desencontros, como se fosse uma comédia cujo pano de fundo é Guerra Fria.

3. Grandes esperanças, de Charles Dickens: aqui poderíamos indicar vários títulos do escritor inglês, afinal toda sua obra pode ser lida como um vigoroso retrato sobre a sociedade inglesa do período da Revolução Industrial. Mas, ao contrário do que possa pensar o leitor mais ingênuo não há aqui nenhum resquício de encantamento ou sedução pela cidade; ao contrário, ela é sempre um covil de abandonados e gente miserável que tenta escapar da melhor maneira possível; nessa mesma linha, o leitor pode apostar em textos como Os miseráveis, de Victor Hugo, que descreve uma Paris entregue a essa mesmo condição desastrosa de um dos períodos mais negros da relação entre o poder capital sobre a gente simples; ou a Lisboa oitocentista de José Saramago em Memorial do convento.



4. Os filhos da meia-noite, de Salman Rushdie: este livro foi o que rendeu o Booker Prize ao escritor em 1981. Aí está a cidade de Bombaim como cenário para o drama vivido pelo muçulmano Salim Sinai, quem narra a história em primeira pessoa. Ele é um dos nascidos à meia-noite do dia 15 de agosto e a uma hora da madrugada de 16 de agosto de 1947, instante em que a Índia conquistava sua independência e todos os nascidos nesse intervalo desenvolveram algum tipo de poder especial; o de Sali é a telepatia, o que lhe permite reconstruir a história de sua família desde 1910 e a buscar compreender o drama de ter sido trocado na maternidade por outro recém-nascido. Ele, na verdade, deveria ter sido um hindu de família pobre.

5. Anna Kariênina, de Liev Tolstói: qualquer obra do escritor russo não usa apenas do espaço como uma categoria acessória, mas peça para a composição da própria forma narrativa. Assim, a cidade é sempre demonstrada de maneira atravessada, como um elemento revelado pela caracterização da personagem. Aqui se oferece não apenas um panorama sobre as duas capitais da Rússia, Moscou e São Petersburgo, mas os contrastes entre a cidade e a vida rural numa Rússia do século XIX. Estruturado em paralelismos, o livro se articula por meio desses contrastes e leva o leitor a vida na alta sociedade e a vida dos mujiques, do intelectual e do homem prático.  

6. Quando éramos órfãos, de Kazuo Ishiguro: a Xangai do início do século é a cidade recupera por essa obra que é considerada uma das principais do japonês. Christopher Banks, um garoto inglês, fica órfão aos nove anos; essa perda repentina leva-o de volta a Inglaterra onde se torna um detetive famoso que, vinte anos depois voltará na agora Xangai tomada pela sangrenta guerra entre China e Japão. A busca de Banks é uma vivência por uma cidade marcada pela ausência, pela orfandade, pela sombra, tudo costurado com a matéria da dura realidade encontrada por ele na cidade.

7. Caniços ao vento, de Grazia Deledda: trata-se de uma das obras mais conhecidas da segunda mulher a receber o Prêmio Nobel de Literatura. A narrativa usa o microuniverso sardo, utilizando as paisagens física e cultural como retratos de uma Itália profunda e desconhecida; tais elementos são trabalhados pela escritora para discutir questões humanas. Conta a história das irmãs Pintor, imersas na ruína que também é personificada na figura de Efix, seu leal serviçal, remanescente de um período abastança.

8. A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera: essa é talvez a obra mais conhecida do escritor, por causa, dentre outros sucessos, da adaptação para o cinema. É um romance que combina uma diversidade de temas, filosóficos, políticos, sobre as relações humanas e o amor. Praga e Zurique de 1968 – período da chamada Primavera de Praga – são o cenário e o contexto para que o narrador investigue a relação entre quatro personagens, Tereza, Tomas, Sabina e Franz.  



9. A trilogia de Nova York, de Paul Auster: o escritor estadunidense foi sempre tido como o mais nova iorquino dos romancistas dos Estados Unidos. Neste livro está reunido três histórias cujo tema principal é o mistério da identidade, do conhecimento e da arte. Em “Cidade de vidro, um escritor de romance policial é confundido com um detetive particular e passa a encarnar a sério o papel; em “Fantasmas”, um detetive contratado para vigiar um homem transforma a tarefa num caso de vida ou morte; e em “O quarto fechado”, o amigo de um escritor desaparecido é atormentado pela culpa, depois que a suposta viúva o encarrega de publicar os originais do marido. Nova York se torna, aqui, a imagem de um labirinto mental feito de pistas falsas e verdadeiras, de acasos e equívocos: é na própria cidade que Auster se apoia para retrabalhar o gênero policial.

10. O sol é para todos, de Harper Lee: este é considerado um dos livros emblemáticos da literatura estadunidense. O único da escritora, mas que foi capaz de ser um meteoro na vida dos leitores que encontram a obra pelo caminho. Entre as narrativas que dão forma ao romance, está a de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca. O livro descreve com profunda atenção realista o cenário, a cidadezinha de onde veio a escritora, Maycomb, do Estado do Alabama. Aqui, o espaço ganha forma ou representação das cidades do interior do Sul dos Estados Unidos, marcadas pela observação do tempo e da vida alheia, com pouco ou quase nenhum acontecimento de relevante. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*