10 livros para ler a partir do dia 31 de outubro


1 – O castelo de Otranto, de Horace Walpole: simples novela datada de 1764 tem relevância aqui porque é apresentada como a que inaugurou na literatura os gêneros de terror e de sobrenatural, tendo sido basilar para escritores como Bram Stoker e Edgar Allan Poe. Seu enredo se fixa em torno de uma maldição que percorre as gerações da família do príncipe Manfredo de Otranto. O misterioso assassinato de Conrado, seu único herdeiro homem, leva Manfredo à loucura, não sem antes ir à procura dos verdadeiros culpados pela morte do filho e as bases que levaram o surgimento da maldição sobre a família.

2 – Os mistérios de Udolfo, de Ann Radcliffe: este é o quarto romance de Radcliffe, escritora que terá inspirado autores como Jane Austen. O romance se constrói em torno da personagem Emilie. Filha única, criada com todos os préstimos e mimos, ela de perde os pais – primeiro, a mãe, vítima de uma doença súbita e misteriosa, depois o pai durante uma viagem pelo sul da França e pela Itália. É nessa viagem que conhece Valancourt, um jovem com o qual tem um romance, mas logo desfeito, uma vez que, órfã, Emilie é designada à irmã mais velha Chéron que se casa com Montoni, um italiano que se revelará ao longo da trama como um grande vilão ao prender Emilie num círculo de medos e horrores no Castelo de Udolfo, sua propriedade.

Cena de O monge, recente adaptação pelo cineasta francês Dominik Moll


3 – O monge, de Matthew Gregory Lewis: apesar de pouco comentado entre os brasileiros (terá ganhado certo interesse a um público restrito pela recente adaptação conduzida por Dominik Moll e sobre a qual comentamos por aqui), este romance é um clássico da literatura gótica de matriz inglesa. Incentivado pelo romance de Ann Radcliffe, Matthew escreveu O monge, quando ainda tinha 19 anos. Quando publicado o romance, pela severa subversão ao catolicismo e a violência explícita, com uma pesada cena de incesto, causou verdadeira celeuma entre os críticos que levaram o autor ao tribunal e obrigado a reescrever o seu trabalho com várias passagens censuradas. O romance se divide em duas histórias que, à medida que vão sendo contadas, vão ganhando proximidade até sua intersecção no desfecho. Ambrosio é um monge, símbolo de virtude e moral entre os da sua ordem, até se ver envolvido com um misterioso noviço que é entregue pelo pai a fim de ser feito monge. O noviço, na verdade, uma misteriosa mulher, que levará Ambrosio a perder o limite entre a conduta e os desejos do corpo. Não satisfeito sexualmente com Matilda, a misteriosa mulher em questão, o monge usará de todos os artifícios para seduzir e saciar seu desejo sexual por Antonia. É aqui que acompanhamos a outra história que segue paralela à primeira: o amor entre Raymond e Agnes, uma jovem condenada a um convento. Insatisfeito, Raymond se infiltra na ordem e passa a viver o caso sexual com Agnes, até que ela engravida e é descoberta pela abadessa. O irmão de Agnes, revoltado, ao saber dos castigos elaborados pela abadessa a fim de coibir o pecado, elabora um plano para o seu sequestro e sua morte. É no confronto que o irmão de Agnes, descobre o assassinato de Antonia, sua amada, por Ambrosio.

4 – O corvo, de Edgar Allan Poe: poema narrativo dos mais cobiçados entre vários escritores, como Dostoiévski, Paul Valéry, Fernando Pessoa, Mallarmé e Machado de Assis – alguns desses chegaram a compor suas próprias versões – O corvo narra a visita do pássaro a um homem melancólico pela perda da esposa. A capacidade de Poe com este texto é a de engendrar um universo de horror sem necessariamente apelar para a explicitação de elementos do tipo, como é caso, por exemplo, nos três primeiros textos citados anteriormente.

Cena de Nosferatu, de F. W. Murnau. O filme toma como base o livro de Bram Stoker, embora muitas das situações e dos nomes no original foram refeitos.

5 – Drácula, de Bram Stoker: Drácula terá ficado conhecido pelo Nosferatu, filme de Friedrich W Murnau; evidente que no cinema, sua imagem foi integralmente ressignificada, mas preservou-se a atmosfera horripilante desenhada por Bram Stoker. Baseado no folclore da Transilvânia e num personagem real, o rei Vlad, o Empalador, o relato redigido pelo escritor deverá ter atormentado muitas noites de sono. O ‘efeito de realidade’ é dado pelo formato do livro todo narrado por pontos de vista diferente como se cada capítulo fosse uma espécie de diário que vai remontando a imagem de Conde Drácula.

6 – Frankenstein, de Mary Shelley: sobre a criação dessa personagem já falamos outro dia por aqui. Dr Henry Frankenstein é um obstinado cientista pela recriação de humanos. Decidido a por em prática toda sua teoria sobre o caso, constrói um corpo com várias partes diferentes de vários cadáveres. Criado pelo raio primordial a criatura monstruosa tem fortes impulsos assassinos e é quando Frankenstein vai se dá conta da natureza aterradora de seu trabalho.

7 – O caso de Charles Dexter Wart, de H P Lovecroft: é um livro que mescla sua narrativa com uma série de outros gêneros, como cartas, depoimentos, formulações teóricas a fim de sondar a loucura de Charles Dexter, internado num hospício com uma aparência mais velha que a real e uma série de sintomas que fazem do seu caso único na patologia da loucura.

8 – Contos de fantasmas, de Daniel Defoe: célebre pelo clássico Robinson Crusoé, Defoe escreveu esses contos porque tinha profundo interesse pela reencarnação. E antes de ser um livro meramente de terror, é claro, um divertimento do escritor diante de um assunto tão complexo que tem várias motivações que é a vida pós-morte.

9 – Noite na taverna, de Álvares de Azevedo: Álvares de Azevedo é o que de melhor a literatura brasileira produziu para o gênero gótico. Signo da originalidade no romantismo e discípulo de sujeitos como Lord Byron, Hoffmann e Mary Shelley, toda a produção sua vai pelo ideia da morbidez. Noite na taverna compõe-se de sete contos que tem uma ligação entre si, como a história de Johann e de outras personagens, e varia o tom entre violentação, corrupção, incesto, adultério, necrofilia, traição, antropofagia, assassinatos de várias espécies.

Muito antes Murnau filmar Nosferatu, o cineasta John S Roberttson fez uma adaptação do livro de R L Stevenson, em 1920, e obra entraria para a lista dos clássicos no gênero.

10 – O médico e o monstro, de R L Stevenson: romance da Era Vitoriana, O médico e o monstro conta, por meio de diferentes narradores, a história do médico Dr. Jekyll e sua tentativa em querer separar o que seria o lado bom e o mau da natureza. É quando desenvolve uma fórmula química no seu laboratório que consegue dar vazão às suas tendências maléficas e perversas. Conseguirá manter-se entre o seu personagem real e o que se forma a partir da fórmula, mas aos poucos, o lado negro vai-lhe tomando conta, até o seu suicídio.

Boa parte desses livros estão disponíveis em sua versão integral na internet e outros como Drácula, Frankenstein, Contos de fantasmas, Noite na taverna, O médico e o monstro estão traduzidos e publicados pela L&PM.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas