Ilusões perdidas, de Xavier Giannoli

Por Solange Peirão



 
Quando Lucien de Rubempré, o jovem poeta provinciano e idealista, inicia seu trânsito por Paris, em busca de emprego e reconhecimento, acaba entre editores, de livreiros a jornalistas. A primeira confrontação mais direta foi com Étienne Lousteau, jovem como ele, de quem ouve a indagação: “você sabe o que é o meu trabalho?” E o romântico Lucien responde: “escrever sobre a Arte, a Beleza, o mundo…” A que o jornalista, sem rodeios, responde, na lata: “meu trabalho é enriquecer o dono do jornal!”
 
Estava dado, assim, o núcleo desse bonito filme de Xavier Giannoli que se inspira em Ilusões perdidas, uma trilogia que compõe, por sua vez, A Comédia Humana, como é conhecido o conjunto da obra de Honoré de Balzac.
 
E, em Paris, irá se cristalizar o que já se prenunciava na distante Angoulême. Aqui Lucien trabalha na gráfica do cunhado, escreve poesia e tem um affaire com Louise. Por meio dela, é introduzido no mundo da nobreza, pouco letrada e arrogante, não disponível para quem não é um dos seus pares. A saída: Paris. Lugar das novas possiblidades que a Revolução Francesa abrira, com promessas de convívio democrático entre as classes sociais que a sociedade burguesa vinha consolidando. Será?
 
Os contrastes, à chegada de Lucien, são particularmente acirrados. Vive-se, em França, a Restauração que, entre 1814 e 1830, após a queda de Napoleão Bonaparte, deu um novo fôlego à nobreza, até o evento das chamadas Revoluções Liberais conduzidas pela burguesia.
 
Em Paris, Lucien escapa da nobreza e mergulha de cabeça no universo burguês, e constata que ele passa longe de sua construção pessoal idealizada, cheia de boas intenções, de comportamentos éticos, de oportunidades conquistadas pela competência. Cheio de Beleza, enfim, como expressou na entrevista com o jovem Étienne.
 
É ali também que são desvendadas as cruezas do mundo mercantil que tudo compra, que por dinheiro publica, por dinheiro enaltece e massacra, por dinheiro produz a crítica dos contrários. A sociedade que cria círculos fechados, nichos de privilegiados onde só circulam especialistas, ou de editores incultos que publicam sem ter lido, ou de formadores de opinião mercenários.
 
Nessa leitura do diretor Xavier Giannoli houve exagero? Sim e não. Sim, se consideramos que, naquele contexto da primeira metade do XIX, a burguesia exploradora e dominante, da produção e comércio de bens ao segmento dos aparelhos culturais como a imprensa, ainda não havia atingido tantos requintes. E não, se consideramos que o diretor só usou a obra de Balzac como inspiração, para ir além, ou seja, poder pintar também o cenário com as cores da realidade sua contemporânea.
 
O fato é que o filme encanta pela qualidade dos diálogos, da ação ligeira, do movimento adornado por uma trilha sonora de primeira (seleção disponibilizada na web), e com a presença de um narrador, que nos faz pensar que talvez estivéssemos a ler Balzac. Claro que há uma coleção de atores primorosos, mas destaco aqui a participação especialíssima de Vincent Lacoste como Étienne, e o calejado Gérard Depardieu como Dauriat, o editor inculto. Há ressalvas? Sim. O roteiro ficaria melhor se cortasse as repetições que expõem os embates éticos do mundo, ontem e hoje. Resultaria, no mínimo, numa economia de uns trinta minutos, indo o filme para o tempo regulamentar de duas horas.
 
Em tempo: Lucien de Rubempré rechaça o sobrenome Chardon do pai e privilegia o da mãe, com origem na nobreza, exposta pela inclusão do “de” ao sobrenome. Honoré de Balzac, tal qual já fizera seu pai, adicionou também a preposição, quando passou a assinar suas obras com seu próprio nome, mesmo sem ter qualquer ascendência nobiliárquica. E justificou, certa vez: “a aristocracia e a autoridade de talento são mais substanciais do que a aristocracia de nomes e de poderes materiais”. Mas nem por isso escapou da tentação…
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

A arte agonizante do ensino na sala de aula digital

Boletim Letras 360º #484

O fim, de Karl Ove Knausgård (1)

O fim, de Karl Ove Knausgård (2)

As polêmicas vidas de Philip Roth