Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 9, 2021

O suicídio como imagem literária

Imagem
    Por Borja Martínez A morte de Werther. François-Charles Baude, 1911.   Na vida de John Kennedy Toole houve uma série tão longa de infortúnios que sua figura, conhecida apenas após o sucesso das aventuras desequilibradas de Ignatius J. Reilly, o gordo e flatulento medievalista saído de sua imaginação, atingiu uma dimensão literária equivalente ao de seu personagem antológico. Tudo se voltou contra ele e seu talento, até que foi persuadido de que continuar a viver não valia a pena; talvez convencido de que, como se pode ler no frontispício de seu grande romance, “quando um verdadeiro gênio aparece no mundo, ele pode ser identificado por este signo: todos os tolos conspiram contra ele”. Não é por acaso que Toole escolheu esta frase de Jonathan Swift para adornar a primeira página de seu livro: certamente compartilhava muitos dos severos juízos do autor de As viagens de Gulliver sobre a condição humana e ele próprio se sentia um gênio atormentado pela estupidez atmosfera.   Toole, 31