Um universo de José Saramago, paisagens

Por Pedro Fernandes


José Saramago. Foto: João Francisco Vilhena


O Departamento de Letras do Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, em parceria com o Grupo de Pesquisa Práticas Discursivas, Linguagens e Ensino (PRADILE), realizará, no período de 15 a 17 de dezembro de 2010, em Açu/RN, o I Simpósio de Letras do Vale do Açu (I SIMLEVA). Por ocasião desse evento estarei ofertando juntamente com a profa. Dra. Maria Edileuza da Costa um Grupo de trabalho. Será também nesse evento que ministrarei, pela primeira vez, um curso sobre José Saramago, sobre o qual deixo a ementa abaixo.

Intitulado de Um universo de José Saramago, paisagens, este curso deve perfazer um esboço sobre as dimensões de uma paisagem que sendo anterior ao homem-escritor é, ao mesmo tempo, também um elemento, senão o principal constituinte de si. Quando falamos em paisagem, não falamos somente da paisagem física (aquela geográfica) ou da paisagem histórico-biográfica, ou da paisagem humana (aquela que aponta no meio da História, solitária, a árvore genealógica do sujeito); falamos, evidentemente, destas, mas também da paisagem ficcional que o escritor ora vai compondo, uma vez que é, no congraçamento desta e daquelas paisagens, mas ainda sem se reduzir a elas, que se abre uma possibilidade para o entendimento do conjunto do seu universo literário. Trata-se, pois, de um minicurso que toma como escopo a obra do escritor português José Saramago e cujo objetivo é o de apontar trajetos e sentidos para um painel-paisagem do universo literário do escritor. Temas como o da crise – da referencialidade, do sujeito, dos espaços, do discurso (historiográfico, religioso, literário) –, da reescrita dos construtos discursivos-históricos-sociais, são fundamentais nesse itinerário. Espera-se colocar em evidência no público a visão de que a literatura saramaguiana põem em relevo estatutos do mundo, seja na sua perspectiva comunicativa – quando inaugura novos modos de narrar –, seja na sua perspectiva temática – reinventando temas ainda caros a humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira