"Novas cartas portuguesas" 40 anos depois

As três Marias. Juntas elas revolucionaram o estatuto do texto literário e do ser-mulher.


Nos finais da década de 1960, Eugénio de Andrade publicou em edição bilingue sob o título de Cartas portuguesas, versão para Lettres Portugaises, publicado anonimamente por Claude Barbin, em 1669, e apresentado também como uma tradução, cinco cartas de amor de Mariana Alcoforado a um oficial francês. A jovem era freira e estava enclausurada no convento de Beja.

Lisboa, 1971, Maria Isabel Barreno, já autora de Os outros legítimos superiores, Maria Teresa Horta, Minha senhora de mim, e Maria Velho Costa, Maina Mendes, decidiram escrever um livro a seis mãos. Como "espelho" as autoras tomaram a tradução de Eugénio de Andrade e escrevem Novas cartas portuguesas. As assinaturas das cartas nunca foram reveladas publicamente e a figura de Mariana tinha uma longa representação simbólica para o novo livro. Mulher abandonada, submissa, tomada por um discurso de paixão avassaladora, presa numa relação de amor e devoção, tudo, será mote para que agora as três Marias dê a lume suas Novas cartas.

À época de produção do livro, essas mulheres viviam sob uma nova forma de prisão: primeiro, não só elas, todos os portugueses porque Portugal estava debaixo do regime militar de Oliveira Salazar, que mesmo morto em 1970, era o exemplo maior para o novo governo de Marcelo Caetano que estendia seu domínio para a campanha pelas colônias na África, evento que já se arrastava desde 1961. Todo esse contexto será levado em conta para a composição das três Marias. Um ano depois, o livro sai publicado pelos Estúdios Cor. A obra passara pela censura e foi recomendado que partes fosse deletada, coisa que não se cumpriu, o texto saiu na íntegra.

A edição foi recolhida e destruída pela censura tão logo foi lançada. E o Estado instaura um processo judicial para as três autoras, pelo motivo de conluio e de escrita de um livro com o nome Novas cartas portuguesas, considerado texto de conteúdo pornográfico e atentado à moral pública. 

Dado ao extenso conjunto de fatos em torno do livro, ele foi imediatamente traduzido na Europa e Estados Unidos e se tornou produto simbólico da força feminina contra as impetrações do poder merecendo manifestações e defesa pública conduzida por nomes como Simone de Bauvoir, Marguerite Duras, Doris Lessing, entre outros.

Desde 2010, quando lançou-se em Portugal pela Dom Quixote uma edição comemorativa pelos 40 anos do livro, feitos esse ano, a professora e também poeta Ana Luísa Amaral, é responsável por um projeto que agora ganha espaço na web que busca criar o que ela tem chamado de "rede transcultural e internacional em torno do livro Novas cartas portuguesas".

O Projeto "Novas cartas portuguesas 40 anos depois" tem um rede de colaboradores e pesquisadores internacionais que estão no processo de catalogação de material crítico sobre o livro. Visa sistematizar a gênese do Novas cartas com o contexto histórico, político, social e literário do Estado Novo, sua repercursão no Portugal pós-25 de abril, a sua recepção internacional no mais de duas dezenas de países onde teve tradução. Enfim, o livro vai recuperando contemporâneamente a força que merece.

Para ter acesso à ideia, basta ir por aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea