Repulsa ao sexo, de Roman Polanski

Catherine Deneuve em cena de Repulsa ao sexo. Ela é uma manicura que sofre de esquizofrenia.

Thriller psicológico acompanha caminho de garota sexualmente reprimida até a loucura e esquizofrenia

"Obsessão" é a palavra que melhor define o cinema de Roman Polanski. Com uma vida marcada por tragédias, como a morte da mãe em um campo de concentração nazista, o assassinato de sua ex-esposa Sharon Tate pela gangue de Charles Manson e a acusação de pedofilia que fez com que fosse proibido de  pisar nos Estados Unidos, o diretor transformou seus personagens em usinas de excentricidades, desejos indistintos e fetiches impublicáveis.

Depois de um início de carreira promissor na Polônia, Polanski começou uma trajetória internacional com Repulsa ao sexo, rodado na Inglaterra. O resultado foi comparado a Psicose (1960), de Alfred Hitchcock, por suas investigações sobre o lado obscuro do consciente (neste caso, a esquizofrenia), por meio da figura de uma jovem mulher trancada em um apartamento. Carol (Catherine Deneuve) é uma manicure belga, tímida, retraída e sexualmente reprimida, que resiste às investidas de Colin (John Fraser). No seu horror a homens, sofre ao ouvir sua irmã Helen (Yvonne Furneaux) fazendo sexo com o namorado (Ian Hendry).

Até que o casal parte em viagem de fim de semana à Itália e a deixa sozinha no apartamento. A moça lacra o local, isola-se completamente do mundo e começa a ter alucinações para onde quer que olhe - homens passando rapidamente pelo espelho, mãos que surgem da parede para acariciá-la, brutamontes tentando estuprá-la, telefones tocando - a ponto de ela perder a noção entre realidade e pesadelo. Polanski criou, na fotografia de tons expressionistas, uma atmosfera assustadora para reforçar o terror. Deneuve, com pouco mais de 20 anos na época, interpretou tão bem o papel que demorou para perder a fama de frígida.

Poucos anos depois de Repulsa ao sexo, Polanski foi para a América, onde começou uma série de trabalhos em gêneros distintos - comédia em A dança dos vampiros (1967), terror em O bebê de Rosemary (1968), policial em Chinatown (1974) e, na França realizou O inquilino (1976), outro filme assustador também passado em um apartamento. Com o drama sobre o holocausto O pianista (2002), foi premiado com a Palma de Ouro em Cannes e com o Oscar de Melhor Direção.

* Revista Bravo!, 2007, p.87.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*