Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Ruben G. Nunes e seu admirável livro novo

Por Thiago Gonzaga


Detalhe da capa de O ponto oco, de Ruben G. Nunes, a partir de desenho do artista
plástico Marcos Guerra.


“O homem tem de se inventar todos os dias”
Jean-Paul Sartre

Carioca radicado em Natal, Ruben Guedes Nunes, Oficial da Marinha, veio residir na cidade potiguar em 1960 já como 1º Tenente, na Base Naval. E criou raízes, enveredando pela literatura, em estreia com o livro de poemas, Tempos Humanos (1971) prefaciado por Câmara Cascudo, que exalta a beleza do trabalho literário do jovem escritor.

Nos anos 70, Ruben G. Nunes, como passou a assinar-se, dá início a sua saga de ganhador de concursos literários, ao obter duas menções honrosas no Prêmio Câmara Cascudo de 1978 e Prêmio Fundação José Augusto de 1979. Ainda nessa década foi um dos premiados no concurso 5 Contistas Potiguares, promovido pela Fundação José Augusto.

Porém, é no início dos anos 80 que o escritor dá um salto significativo na sua produção literária, e entra para a história da literatura potiguar, ao escrever Gestos mecânicos, romance em que se percebe a influência de James Joyce, o célebre autor de Ulisses. Mas, entre parêntesis, é preciso enfatizar que Ruben tem sua própria marca, seu próprio estilo, inconfundível e excepcional. Com Gestos mecânicos ganha o Prêmio Elias Solto e o Prêmio Câmara Cascudo de 1981.

Outra arrebatadora obra do escritor, Dotô, casa comigo?, venceu o Prêmio Câmara Cascudo em 1982, mas só foi lançada em 2003. O texto nos dá a visão impactante do pequeno mundo de um manicômio a sugerir reflexões, contando a história de um amor fraturado. De permeio, uma narrativa de ficção cientifica.

Pós-doutor em Metafísica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, professor aposentado do Departamento de Filosofia da UFRN, Ruben G. Nunes, nos presenteia, novamente, com um romance, O ponto oco (Prêmio Câmara Cascudo de 2007).

Autor mais premiado do estado (romance, conto, poesia, crônica), além de único, até agora, agraciado quatro vezes com o maior prêmio de literatura do RN, o Câmara Cascudo, recebeu ainda varias menções honrosas, dentre elas do Concurso de Poesias Luís Carlos Guimarães.

A premiada obra O ponto oco, é uma espécie de fluxo, como se fosse um rio. O personagem que narra a história, está no bar do Lourival (um dos botecos mais antigos de Natal), e vai fazer xixi. Nesse caminho da urina, ele vai  se lembrando da vida, de perdidos, achados, tristezas, loucuras. “Tudo começa com a mijada e termina também assim” – diz o autor. E acrescenta: “É um romance em fluxo quase circular. Começa quase onde termina, termina quase onde começa. Sugere, todavia, um não-terminar, uma reticência”.

O enredo, na verdade, constitui toda essa visualização do cotidiano do personagem vídeopassando no fluxo urinário, até o final. O romance é uma mijada. Há muita sonoridade e reinvenções na construção das palavras e close de cenas. Ponto Oco é o apartamento locado por Pedro e seus amigos de fé, em Natal, para os encontros com as amantes. Segundo esse personagem, é o lugar onde se encontram todas as verdades e onde elas nada valem por si, mas somente no fluxo (in) finito de seus encontros, desencontros e de suas diferenças. No apartamento Ponto Oco, Pedro e seus amigos dizem que praticam uma boa ação matrimonial, mantendo a chama do casamento de cada um acesa pela catarse da chama da amante. Retornam ao lar purificados e renovados. “Tudo por ela (a amada), através delas (as amantes)”.

Em O ponto oco Ruben G. Nunes navega pelos rios da vida, nos levando para um oceano literário pleno de imaginações e questionamentos. Um livro para ler com calma, tempo e dedicação; ler e reler. Percebe-se ao longo da leitura a presença de um escritor consciente do seu ofício, engenhoso com o manuseio das palavras, e que atinge tanto na linguagem, quanto no conteúdo, o domínio perceptível das sensações e o apuro formal das técnicas literárias criativas.  De O ponto oco emana uma força lírica que nos alcança no mais profundo abismo do isolamento e nos arrebata para um universo ficcional belíssimo. Ficção que sacia nossa sede de algo que buscamos no nosso mais recôndito interior. Uma vez um jornalista perguntou a Clarice Lispector: “Por que você escreve?”. E ela respondeu com outra pergunta: “por que você bebe água?”.

***

Thiago Gonzaga é colunista no Letras in.verso e re.verso. Nasceu em Natal, é graduado em Letras e especialista em Literatura Potiguar pela UFRN. Autor dos livros Nei Leandro de Castro 50: anos de atividades literárias e Literatura Etc. Conversas com Manoel Onofre Jr. Dentre os vários trabalhos inéditos que possui destacam-se Novos Contistas Potiguares e Personalidades Literárias do RN. Como pesquisador da literatura do estado criou o Blog 101 livros do RN (que você precisa ler), com interesse por autores e livros locais sob diversos aspectos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas