“Uma nova mulher e a moral sexual”, de Alexandra Kollontai, e o desenvolvimento da produção literária de Hilda Hilst


Por Beatriz Martins

Hilda Hilst. Foto: Renata Falzoni



“Durante 40 anos, Hilda Hilst foi uma moça muito bem comportada. Ela produziu muito: mais de 28 livros de poesia, prosa, textos belíssimos de teatro que continuam inéditos. De repente, Hilda Hilst se rebelou”. Esta é a introdução da entrevista concedida a TV Cultura, quando do lançamento d’O caderno rosa de Lori Lamby. No que Hilda responde considerando-o um ato de agressão (para além de transgressão, donde há de se ver o caráter radicalizado da obra), uma necessária banana ao mercado editorial delimitado a partir dos ideais patriarcais. (Vídeo disponível aqui)

A nova mulher contemporânea emerge duma ressignificação de valores e necessidades, a qual é posta num movimento verticalizado, de cima para baixo, a todas as mulheres. Esta diferenciação passado-presente é desenhada continuamente na obra de Alexandra Kollontai, teórica feminista e marxista e, sobretudo, revolucionária. Em sua obra A nova mulher e a moral sexual, Kollontai põe em xeque o surgimento do novo tipo fundamental da mulher, que luta para se adaptar às condições de sua própria existência. Tomada esta consciência de necessidade de sobrevivência por si mesma, a nova mulher depara-se com a inutilidade do equipamento moral que lhe é inculcado desde o seio familiar – o cultivo das virtudes da pureza, da verdade, da passividade e da submissão já não encontra mais utilidade na realidade posta às mulheres.

Este fenômeno produz uma verdadeira transformação da estrutura psíquica da mulher e exige, necessariamente, a codificação de uma nova moral que atenda aos seus anseios de nova compreensão de mundo, bem como o rompimento de dogmas até então cristalizados e, muitas vezes, institucionalizados. De uma mulher “eco do homem”, passa a se conceber a “mulher-individualidade” – uma membra ativa, com personalidade, desejos e ideais próprios, que se afastam cada vez mais do Outro e encontram a si mesma. Ainda que se possa pensar numa consolidação de novas ideias, deve-se ter em mente a continuidade deste processo de transformação de valores, muitas vezes abafado pela força da tradição, a qual exerce um grande peso sobre as mulheres, tendo em vista a superestrutura onde é consolidada.

Para além destas considerações iniciais e necessárias, Kollontai vai mais além: considera que “a moral sexual contemporânea não passa de uma vã ficção”. Neste entendimento, traça os dois objetivos cotidianamente fracassados da moral sexual humana, quais sejam a consolidação de uma descendência sã e o enriquecimento da psiquê humana. Afirma, pois: “A delicada flor da moral sexual é uma felicidade adquirida à custa da escravidão da mulher à sociedade”. De tal forma o é que a crise sexual se sustenta sob a ausência do potencial de amor, tendo em vista os laços sociais esparsos e a psicologia humana tendenciosa aos sentimentos de intolerância, ódio e desigualdade – pilares do machismo e patriarcado sociais.

Nesta superação da mulher do tipo antigo, busca-se, primordialmente, a satisfação da necessidade erótica sem a priorização da preocupação ulterior, a liberdade da alma feminina e do seu futuro, sem a necessidade de se colocar aos pés de um ser interiormente alheio ao seu. Hilda Hilst insere esta mulher-fêmea contemporânea no mundo literário, dona dos seus desejos e do seu prazer, consolidando a um só tempo A Autora, A Personagem e A Leitora enquanto Novas Mulheres. Veja-se o seguinte trecho de “Do desejo”, uma série de poemas da escritora:

“[...] Porque há desejo em mim, é tudo cintilância.
Antes, o cotidiano era um pensar alturas
Buscando Aquele Outro decantado
Surdo à minha humana ladradura.
Visgo e suor, pois nunca se faziam.
Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo
Tomas-me o corpo. E que descanso me dás
Depois das lidas. Sonhei penhascos
Quando havia o jardim aqui ao lado.
Pensei subidas onde não havia rastros.
Extasiada, fodo contigo
Ao invés de ganir diante do Nada.”

Repensar a sexualidade para além da satisfação do Outro, do “ganir diante do Nada”; em verdade, passar a pensar a própria sexualidade a partir de si e da satisfação do próprio Eu, reconhecer a vivacidade e contornos do seu próprio desejo, da consolidação da mulher-individualidade e, sobretudo, da mulher-fêmea, é um dos desafios para a superação da aguda crise sexual e ressignificação da nova moral sexual para a mulher. 

Neste processo de superação e transformação de valores, invoco aqui uma frase dita por Hilda na mesma entrevista acima supracitada: “A verdadeira vontade do obsceno é a vontade de converter”, relacionando-a ao processo de transformação de uma mulher do tipo antigo para uma nova mulher do tipo fundamental que emerge na atualidade.

A relação entre desejo e cintilância, para além de bela, evidencia o autoconhecimento feminino a partir dos pilares do desejo: a beleza de querer, saber o que quer e, sobretudo, ter voz para dizer o que quer. Sem os julgamentos limitantes da moral burguesa.

Ao adentrar nesta compreensão do sexual, é necessário alertar para o fato de que, a concepção de desigualdade entre os sexos, ainda que no campo psicológico, obriga a aplicação de medidas e consequências diversas para atos idênticos, segundo o sexo que os tenha realizado. Esta dupla moral sexual relega as mulheres a uma zona de penumbra onde a sua própria e plena satisfação pode parecer imperdoável socialmente.

É nesta superação de modelos antigos e inutilizáveis que a eroticidade literária de Hilda se apresenta como uma porta para as mulheres de um novo tempo. É a pornografia em seu melhor sentido: literária, dita por uma mulher, reconhecida em outras muitas mulheres, transgressora; é, enfim, uma pornografia que agride e grita contra o silenciamento sexual feminino propagado por uma vida humana.

Neste caminho do descobrir sexual, muitos questionamentos lhes são impostos. Tanto na mulher que se descobre com voz num cotidiano que a silencia bem como na produção literária de uma artista que dá voz a todas estas mulheres e sexualidades vivas, vê-se inúmeros obstáculos postos socialmente para limitá-las a uma mesma zona de penumbra – do tabu, do não dito, do silenciado. Hilda transcende estes limites, que vão desde o questionamento da qualidade de sua produção literária a, até mesmo, insegurança quanto a sua sanidade mental. Sem papas na língua, afirma: “Eu espero me tornar uma excelente pornógrafa”. É um escândalo. Sobretudo porque não é masculino. É necessário.
Neste anseio de codificar uma nova moral sexual e, sobretudo, de inserir esta mulher contemporânea na literatura, Hilda Hilst é peça fundamental. Leia-se o seguinte trecho de Contos D’Escárnio:

“As surpresas sempre me acompanharam a vida. Otávia por exemplo gostava de apanhar. A primeira vez que ‘a fodi’ (ou que ‘fodi-a’ ou que ‘fui fodê-la’, é melhor?) enganei-me na tradução do seu breve texto. Ela me disse: me dá uma surra. Entendi que era uma surra de pau. E fui metendo, me aumentando longamente para não esporrar, pensando na mãe morta, no pai morto, na missa de sétimo dia do tio Vlad [...]. Aí ela me interrompe a meditação ativa, dura e disciplina: surra, amor, eu disse. Surra, meu bem.”

A construção de um tipo como Otávia implica no reconhecimento de uma sexualidade de mulher-fêmea viva, a qual resulta em descrições pormenorizadas, ao longo da obra, do ato sexual através de uma ótica feminina, essencial à consolidação da mulher contemporânea na literatura, de modo a escrachar os maiores tabus que ainda a cercam e, de certa forma, escravizam, tendo em vista que a moral sexual burguesa por muito foi um instrumento de opressão às mulheres.

Chega a ser tenebrosa a forma como a mídia, por muito tempo, tratou esta evolução e desenvolvimento literário em Hilst como uma ausência de sanidade mental ou de estilo literário. Até mesmo pelo desenrolar da referida entrevista, depreende-se que a forma como a qual a escritora é tratada evidencia uma trajetória linear involutiva em vida: alguém bem-comportada que, por alguma razão desconhecida, rebela-se. Algo parecido com o “perder o fio da meada”, como muitos críticos definiram.

Quando, na verdade, Hilda acha o fio da meada e escancara o que há por atrás de uma cortina cuidadosamente zelada: uma nova sexualidade feminina e literária (mesmo não sendo, necessariamente, feminista; mesmo não sendo, necessariamente, uma involução ou evolução; mesmo sendo, em bem verdade, um necessário desenvolvimento da produção pornógrafa erotizada e feminina no Brasil e no mundo).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #432

Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Festa no covil, de Juan Pablo Villalobos

Dom Casmurro, de Machado de Assis

Reimaginando Dom Quixote