O poeta maldito: conceitos científicos e filosóficos da pequenez humana

Por Neiva Dutra



Augusto dos Anjos (20 de abril de 1884 – 12 de novembro de 1914) é autor de um único livro: Eu, publicado em 1912. Apesar de ter sido rejeitado pela elite literária e cultural de sua época, que considerou de mau gosto recitar sua poesia nos salões literários, seus sonetos foram apreciados prontamente pelo público e recitados em bares pela lira popular.

Sua poesia, de extraordinária musicalidade, destaca jogos fonéticos e aliterações, combinados com o uso de palavras inusitadas, mas assim como foram as imagens fantásticas, o uso de superlativos e hipérboles que corresponderam ao gosto do público da época, essas características chegaram aos dias atuais com uma força ímpar, que transcende as predileções do tempo em que foi publicado.

A obra Eu conta com mais de cinquenta reedições, expondo uma visão profundamente pessimista e lúgubre da existência humana e seu caráter hermético, servindo-se de complexos conceitos científicos. Tem sido objeto de dezenas de teses de mestrado e doutorado, comprovando que além de ter sido um poeta popular, admirado e conhecido em seu tempo, Augusto dos Anjos mantém-se vivo nos dias atuais, até mesmo em círculos menos eruditos, permitindo diferentes leituras e identificações.

A poesia de Augusto dos Anjos possibilita uma pluralidade de leituras: filosóficas, literárias, históricas, sociológicas e científicas. Apesar desse caleidoscópio de interpretações, a magia dos versos do poeta remete às possibilidades que oferecem para a concepção do universo em uma visão metafísica, na qual se estabelece uma comunicação entre o sujeito lírico e o cosmos.

Nessa perspectiva, demonstram a fragmentação do eu, a partir da multiplicidade de discursos científicos e filosóficos empregados. Esses discursos se articulam através da instância do eu, um laboratório subjetivo da sensibilidade de Augusto dos Anjos e sua forma de demonstrar que a natureza é completamente indiferente e implacável diante do sofrimento humano, provocando o desencanto, a agonia e a angústia.

É possível também entrever uma atitude niilista do poeta, na qual enfatiza os inefáveis limites da existência e a relatividade do conhecimento humano.

No poema "Monólogo de uma sombra", o eu lírico é uma entidade cósmica, a prosopopeia do conjunto dos seres no universo, do micróbio aos astros. A visão olímpica de sua voz aniquila um segundo eu, humano, que surge no final do poema: é uma epifania negativa, que culmina no desencanto do eu humano. A sombra, protagonista do poema, é uma perseguidora implacável, que desintegra a espiritualidade:

Sou uma Sombra: Venho de outras eras,
Do cosmopolitismo das moneras...
Pólipo de recônditas reentrâncias,
Larva de caos telúrico, procedo
Da escuridão do cósmico segredo,
Da substância de todas as substâncias.

A simbiose das coisas me equilibra.
Em minha ignota mônada, ampla, vibra
A alma dos movimentos rotatórios...
E é de mim que decorrem, simultâneas,
A saúde das forças subterrâneas
E a morbidez dos seres ilusórios!

Pairando acima dos mundanos tetos,
Não conheço o acidente da Senectus
– Esta universitária sanguessuga
Que produz, sem dispêndio algum de vírus,
O amarelecimento dos papiros
E a miséria anatômica da ruga!

[...]

Disse isto a Sombra. E, ouvindo estes vocábulos,
Da luz da lua aos pálidos venábulos,
Na ânsia de um nervosíssimo entusiasmo,
Julgava ouvir monótonas corujas,
Executando, entre caveiras sujas,
A orquestra arripiadora do sarcasmo!

Era a elegia panteísta do Universo,
Na podridão do sangue humano imerso.
Prostituído talvez, em suas bases...
Era a canção da Natureza exausta,
Chorando e rindo na ironia infausta
Da incoerência infernal daquelas frases.

E o turbilhão de tais fonemas acres
Trovejando grandíloquos massacres,
Há-de ferir-me as auditivas portas, 
Até que minha efêmera cabeça
Reverta à inquietação da treva espessa
E à palidez das fotosferas mortas!

A angústia do eu lírico permite, alternativamente, a descrição do universo, refletindo a mística do nada, uma dialética inovadora na qual a aspiração ao infinito e ao desconhecido se choca com uma transcendência vazia e retorna, destrutivamente, à realidade.

Na busca do autoconhecimento, portanto, ocorre uma tensão entre os elementos cósmicos e científicos e o subjetivismo lírico. O discurso poético, em alguns poemas, se oferece como uma força redentora, como em "Versos íntimos":

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão  esta pantera 
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

A transcendência se concretiza na dúvida quanto à existência de um deus diante do silêncio e da incapacidade do ser superior frente às imagens de corpos em decomposição, de cidades consumidas pela peste, da disseminação dos vírus, enfim, ao universo sempre sujeito à degradação e à vida que permanece sempre como um enigma que cresce enquanto esse deus permanece mudo e inerte.


Essa impotência divina é a sentença do homem, derrotado e decadente, que desencadeia um niilismo mórbido, revelado em versos como "Psicologia de um vencido":

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco, 
Este ambiente me causa repugnância... 
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia 
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme  este operário das ruínas –
Que o sangue podre das carnificinas 
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los, 
E há-de deixar-me apenas os cabelos, 
Na frialdade inorgânica da terra!


A ideia de substância, assim como a de energia como quantidades constantes, alude à continuidade cósmica entre todas as formas de vida. Confundem-se, assim, a negatividade por excelência e a impossibilidade de realização plena do ciclo vital e de expansão da energia e da individualidade. 

Na maioria de seus poemas, o potencial e o irrealizado esperam sair à luz para realizarem-se tragicamente, em uma existência de agonia. A força que move esta visão transformista são os micro-organismos, aos quais dedica um monumento lírico em "O Deus-Verme":

Fator universal do transformismo.
Filho da teleológica matéria,
Na superabundância ou na miséria,
Verme – é o seu nome obscuro de batismo.

Jamais emprega o acérrimo exorcismo
Em sua diária ocupação funérea,
E vive em contubérnio com a bactéria,
Livre das roupas do antropomorfismo.

Almoça a podridão das drupas agras,
Janta hidrópicos, rói vísceras magras
E dos defuntos novos incha a mão...

Ah! Para ele é que a carne podre fica,
E no inventário da matéria rica
Cabe aos seus filhos a maior porção!

Augusto dos Anjos também critica o alcance da linguagem, o que coincide com um soneto dedicado a Friedrich Nietzsche, no qual questiona o sentido de qualquer atividade filosófica e da construção de um pensamento sistemático, pois a decadência do sistema de pensamento ocupa o lugar do caos cósmico onde se encontram inúmeros de seus poemas.

Em "Vozes de um túmulo", o eu lírico enuncia uma crítica à vaidade humana: “No ardor do sonho que o fronema exalta / Construí de orgulho ênea pirâmide alta... / Hoje, porém, que se desmoronou / A pirâmide real do meu orgulho, / Hoje que arenas sou matéria e entulho/ Tenho consciência de que nada sou!”

O poema é apresentado por um eu lírico que fala de uma posição post-mortem, depois de encontrar-se dissolvido em meio à substância cósmica. A negatividade do lugar e do enunciado remete ao paradoxo de que o ser humano é incapaz de enunciar o cosmos e a cosmovisão oferece a oportunidade para construir um marco de enunciação. Neste sentido, reforça a chave da leitura de seus poemas: a ideia da negatividade absoluta.

Essa negatividade relativiza o alcance da ciência e assinala uma posição contraditória do ser humano, que conhece a relatividade de suas certezas, porque são evidências construídas sobre o fundamento instável da linguagem.

Convivem, portanto, dois níveis de leitura da poesia de Augusto dos Anjos. Por um lado, a verdade absoluta e inquestionável em seu contexto de origem, ou seja, a característica formal e estética de uma poesia que formula a hipótese de que as noções científicas vertem no absurdo, no paradoxal e no irônico. Por outro lado, existem indícios da verdade construída a partir da linguagem, relativa e inexprimível. Mesmo que a natureza seja conhecida apenas como fenômeno, não existindo uma essência ou uma coisa em si, a instabilidade do real e o desencanto remetem a uma visão do mundo que é mais do que uma interpretação subjetiva, comunicável pela linguagem, pela impossibilidade de determinação.

Assim como Nietzsche, no ensaio "Sobre verdade e mentira em um sentido extra-moral", as paisagens apocalípticas e a expressão do ceticismo sobre o alcance do conhecimento manifestada em Augusto dos Anjos expressam a distância entre o humano e o cósmico, a lamentável condição de esterilidade do intelecto humano na natureza:

"No desvio de algum rincão do universo inundado pelo fogo de inumeráveis sistemas solares, houve uma vez um planeta no qual os animais inteligentes inventaram o conhecimento. Este foi o minuto mais soberbo e mais mentiroso da “história universal”, mas foi apenas um minuto. Depois de alguns suspiros da natureza, o planeta congelou-se e os animais inteligentes tiveram de morrer.

Esta é a fábula que se poderia inventar, sem com isso chegar a iluminar suficientemente o aspecto lamentável, frágil e fugidio, o aspecto vão e arbitrário dessa exceção que constitui o intelecto humano no seio da natureza. Eternidades passaram sem que ele existisse; e se ele desaparecesse novamente, nada se teria passado; pois não há para tal intelecto uma missão que ultrapasse o quadro de uma vida humana".

Ligações a esta post:

***

Neiva Dutra é licenciada em Letras / Língua e Literaturas de Língua Portuguesa, profissional em revisão de textos e copydesker, autora do blog De Anima Verbum, leitora voraz, apaixonada pela arte e a cultura em todas as suas manifestações e em toda sua profundidade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas