Quatro tópicos sobre a relação entre Stefan Zweig e Joseph Roth

Stefan Zweig e Joseph Roth


1. Súditos do império perdido. Nascido no seio de uma família judaica, Zweig foi um apaixonado exemplar pela grande cultura e pela liberdade. A amizade com Joseph Roth começou em 1930 em Brody (Galícia); este era um jornalista que forjava, na ocasião, uma carreira de escritor. Mais que as letras, os que os uniu foi a admiração mútua e a nostalgia do Império Austro-húngaro, símbolo para ambos da Europa multicultural e unida, a pátria de pensamento e sentimento. A Primeira Guerra Mundial os fizeram despertar daquele sonho de paz e equilíbrio; o terror nazista contra os judeus os levaram para o exílio.

2. Autores geniais. Zweig e Roth foram criadores extraordinários. Do primeiro são célebres suas coleções psicológicas e as novelas – Novela de xadrez ou Coração impaciente, por exemplo. Do segundo destacam-se Jó – romance de um homem simples (Companhia das Letras) Marcha de Radetzky (recém editado no Brasil pela Editora Mundaréu). Zweig foi um mestre da biografia: Maria Antonieta ou Fouché são apaixonantes; e de retratos paradigmáticos como os de Nietzsche, Hölderlin e Casanova. Roth foi um jornalista genial, com artigos sobre temas sociais diversos. O relato de sua viagem pela Rússia soviética descobriu a tristeza do stalinismo; o comovedor ensaio “Judeus errantes” foi o pé de sua amizade com Zweig.

3.  A mútua admiração. A amizade dos dois se apoia na simpatia e a admiração, o trato e o respeito se alimentam de pequenos e grandes favores. Nos bons tempos, Roth e Zweig trocaram ideias: há muito de Zweig em alguns romances de Roth e o inverso. Nos maus tempos, Zweig apoiou quanto pode Roth, sempre afogado por dívidas e pelo alcoolismo, condição durante largo tempo às expensas do escritor. Mas, não terá alcançado grande feitio: Roth morreu de um coma alcoólico pouco depois de escrever A lenda do santo beberrão (editado no Brasil pela Estação Liberdade).

4. O suspeito e a pessoa de confiança. Roth, mas desconfiado e pessimista que Zweig, vilipendiado pela penúria laboral e a escassez financeira, previu o que restava aos judeus com os nazistas – “esse bando de merdinhas e assassinos”. Zweig, refinado e culto, foi mais inocente: acreditava no triunfo do humanismo. Identificava-se com Erasmo de Rotterdam, o pacífico; não acreditou que o populismo hitleriano triunfaria na Alemanha.

Ligações a esta post:
Leia sobre Stefan Zweig aqui.


* A partir de "Stefan Zweig y Joseph Roth, amistad, genio y exilio", de Luiz Fernando Moreno Claros em El País

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268