James Joyce, sim, ele está na moda




No ano em que parte significativa do espólio de James Joyce foi disponibilizada na web, o autor parece que definitivamente entra na moda do meio literário brasileiro, o que não quer dizer que tenha o escritor de Ulisses caído no gosto dos leitores. Mas, ao menos até junho, mês de celebração do Bloomsday, a obra sua terá certo crédito por aqui. E tudo começa nesta semana quando se anuncia a chegada às livrarias da nova tradução de Ulisses realizada por Caetano Galindo; o livro chega pelo selo Penguin Companhia, da Companhia das Letras.

Depois, chegará pela editora Hedra, que prevê para a segunda quinzena de junho, Stephen Herói, livro inacabado de James Joyce e ainda inédito em terra tupiniquim. O romance tem como personagem central o alter ego do escritor irlandês, Stephen Dedalus, que aparece em Um retrato do artista quando jovem e no próprio Ulisses

A tradução do material de Stephen Herói foi encomenda a José Roberto O'Shea. Antes do inédito, chega também pela mesma casa editorial, Dublinenses, um volume de contos também traduzido por O'Shea, que procedeu uma acurada revisão à sua versão de 1993, publicada pela então Siciliano.

E depois desses títulos, será a vez de uma nova edição para Um retrato do artista quando jovem, traduzido por Elton Mesquita. Todas essas edições virão com importantes estudos introdutórios feitos por renomados professores leitores da obra de James de Joyce.

***

Falando de James Joyce, a professora Ana Graça Canan já está nos preparativos para mais uma edição em terras potiguares do Bloomsday, a 26ª, a se realizar entre os dias 14 e 16 de junho, sendo o último dia a data magna, que marca as comemorações do Dia de Bloom ao redor do mundo. A versão 2012 do evento dará sequência a uma série de outras atividades relacionadas ao tema dos estudos irlandeses na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Dois eventos acontecerão no mês de agosto vindoura: o I Curso de Estudos Irlandeses e o VII Simpósio de Estudos Irlandeses na América do Sul.

No dia 14 de junho às 9h30, será a abertura do evento, formada por uma apresentação musical e da conferência "The writer's write", proferida pelo professor Marcelo de Lima Santos, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Tudo no Auditório da Biblioteca Central Zila Mamede, na UFRN. À tarde, pelas 13h30min, na Videoteca 2, anexo ao prédio da biblioteca, apresenta-se uma leitura dramática de fragmentos de Os mortos, por Pinho Montinelli, e a exibição de Os vivos e os mortos, de John Huston.

No dia 15 de junho às 9h, ainda no Auditório da Biblioteca Central Zila Mamede, acontecerá a conferência "Tradição e ruptura em Exilados, de James Joyce", proferida pela professora Sandra Luna, da Universidade Federal da Paraíba. No mesmo dia e local, às 10h30min, outra conferência, "Tho forgotten letters: Claudel and Saint-John Perse write about Joyce and Conrad", proferida pela professora Catherine Mayaux, da Université de Cergy-Pontoise. Às 14h30, na Videoteca 2, anexo a biblioteca, apresenta-se a leitura dramática de fragmentos de Ulisses por Aldair Rodrigues, seguido da exibição de A alucinação de Ulisses, de Joseph Strick.

No dia 16 de junho, no Dublin Irish Pub, Rua Mossoró, Petrópolis, os participantes do evento encontram-se para uma confraternização. Durante o evento, será possível acompanhar uma feira com lançamentos e vendas de livros.


Ligações a este post:
>>> No ano de 2008, no âmbito das comemorações do Dia de Bloom, o Letras disponibilizou uma exposição virtual sobre James Joyce, depois transcrita para um catálogo aqui.
>>> No Blog da Companhia das Letras é possível ler texto de Galindo sobre traduzir Ulisses, aqui.


 

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #593

O visitante, de Osman Lins

Boletim Letras 360º #592

Boletim Letras 360º #586

Dois sherpas, de Sebastián Martínez Daniell

A rainha dos cárceres da Grécia, de Osman Lins