John Ashbery



Considerado um dos maiores poetas de sua geração, John Ashbery foi representante do melhor já produzido por um Estados Unidos, ao que parece, se consideramos os ventos mais próximos, difícil de admirá-los; isto é, aquele país fundado sobre uma fé irretocável nas liberdades civis e individuais. Não é vã, portanto, a relação que algum momento a crítica fez, ao reparar as raízes criativas desse poeta, com o legado de Walt Whitman, o cantor das diversidades que soube imprimir em sua poesia a totalidade do mundo.

Ashbery era um total desconhecido quando em 1956 caiu nas mãos de W. H. Auden, outro gigante da poesia moderna e contemporânea o manuscrito de Some Trees (Algumas árvores, em tradução livre). De imediato, correspondendo ao afã de todo escritor em início de carreira, a decisão foi publicá-lo. “É possível escrever poesia hoje?”, se pergunta o poeta inglês no prólogo para a primeira edição do livro. Este texto recobra que só é merecedor do título de poeta quem saiba regressar às regiões do sagrado e coloca o então novo nome entre nomes inscritos já no panteão dos poetas: “De Rimbaud a Ashbery a imaginação continua presa aos valores do mágico”.

A estreita relação com poeta francês, alguém perguntará, adveio do contato muito direto que o estadunidense desenvolveu com sua obra? No período árduo da vida em que reconhecimento tardava chegar, ele se dedicou à tradução de muito da literatura francesa: traduziu romances de mistério e poesia, muita poesia. Nas décadas seguintes ao primeiro livro,  Turandot and Other Poems, o poeta manteve uma relação com o poeta Pierre Martory, de quem traduziu ao menos três títulos e foi então que traduziu também As iluminações, de Rimbaud.

Nesta ocasião, Ashbery, mesmo desconhecido, a poesia de Ashbery, então reconhecida por Auden, estava marcada pelo tom que o definiu sempre: enigmático, multidimensional, aberto aos caprichos da sorte. Além, é claro, de se alimentar de pelo menos duas fontes, antes da francesa, advindas da tradição anglo-saxã que vai de Wordsworth ao seu mecenas, por assim dizer, W. H. Auden. Outras raízes aí detectáveis é o legado do romantismo estadunidense incorporado em poéticas que vão de Whitman a Wallace Stevens.  

Agora, a proposta da vanguarda, tanto artística (Pollock, Rothko) como musical (Carter, Cage) terão lhe influenciado sobretudo quando da relação que passa a desenvolver com a literatura francesa, também vanguardista, do simbolismo e surrealismo, assinala a ocasião de reconhecimento total de Ashbery – quer dizer, ao menos no seu país. Do surrealismo, por exemplo, é visível a ideia da incoerência sistemática marcada por ocasionais irracionalismos absolutos, próprios da velhíssima ideia da escrita automática.

Se Some Trees conquistou prêmios de poeta revelação, como o Yale Younger Poets, e os livros seguintes, cinco no total, quase foram despercebidos, a aparição de Self-portrait in a Convex Mirror (Autorretrato num espelho convexo), já em pleno uso de algumas dessas importantes influências bebidas do grosso caldo da poesia de até então, o inseriu, de imediato no panteão para onde agora passamos a olhá-lo.

Com o livro de 1975, John Ashbery recebeu os prêmios mais importantes de seu país: o Pulitzer, o National Book Award, e National Book Critics Circle Award. Paul Auster disse, a partir de Autorretrato... que: “Poucos poetas possuem hoje sua misteriosa habilidade para extrair nossas certezas a fim de articular tão plenamente as mais ambíguas de nossa consciência”. Este, sem dúvidas, foi sua obra extraordinária. Um longo poema sobre o qual não conseguimos imaginar de que fábrica saiu, uma vez que, nem depois o próprio autor não terá conseguido repetir a façanha.

É evidente que algumas características aí recorrentes não ficarão perdidas: o deslocamento do sentido, as anedotas fragmentadas, a ausência de qualquer sorte de desenvolvimento mais ou menos unitário, são algumas delas. O poeta só toma para sua poética rara intenção sentimental, desde quando muito atrativa, mas logo o que prevalece sobre tudo é o vislumbre da reflexão intrigante e chamativa que denota uma articulação do pensamento na poesia. E, em sua totalidade, prevalece a sensação de caos controlado e exercício pós-moderno de assimilar com cautela e distância, não sem ironia, algumas das chaves de ruptura vanguardista, ou mais exatamente, modernista.

Além de Stevens, ao longe se vê as influências ainda de um T. S. Eliot. Do poeta inglês, nos salta a ideia de ruptura temática pelas incursões do traço realista e das reflexões acutiladoras, além das inserções de citações e referências polvilhadas no discurso – esse exercício de bricolagem quase indispensável à poesia da geração posterior às vanguardas.

De Stevens, a poética de Ashbery herdou a abstração reflexiva, mas sem a sensualidade exacerbada que define parte significativa de sua melhor poesia. Se formos a uma de suas produções mais recentes, a antologia Chinese Whispers (Segredos chinês), de 2002 notaremos quase nenhuma distância entre os dois poetas ou talvez melhor maestria no manejo dos mesmos mecanismos expressivos, além da perda quase absoluta das belas capturas descritivas das estações do ano que deverão ter parecido a Ashbery coisa dos tempos de concessões ao espírito figurativo. No mais, o mesmo desespero ao leitor, a mesma irritação, a mesma sensação de coito interrompido, maneira de se traduzir as infiltrações que se operam no corpo do poema.  

Só, então, Autorretrato… sobre a poesia de herança pós-romântica, alia perfeitamente a celebração contida e a reflexão austera, um convite a aproximar-se tanto do mistério da arte como da vida, os dois entrelaçados inextricavelmente, com soberbas margens de fricção e interação entre os esses âmbitos, o do quadro que não deixa de exercer fascínio sobre quem fala no poema e o da vida diária que se imiscui maravilhosamente bem nesse âmbito de artificialidades perfeitas que, sem dúvidas, não podem ser uma residência definitiva para ninguém (nada, menos ainda na arte, é definitivo).



“A principal preocupação do poeta”, escreve num breve ensaio de 1972 em que formulava de maneira esquiva suas ideias sobre a criação verbal, “é dar vida à obra de arte de tal maneira que seja impossível tentar explicá-la”. Sua relação com o leitor respondia esse mandamento: o de propiciá-lo uma aproximação com o sentimento poético além do racional. Esta é uma observação de Eduardo Lago, no obituário que escreveu sobre o poeta para o jornal El País. “Como na arte abstrata, da qual seus versos eram uma refração, como na música concreta, tudo começava num plano puramente sensorial do qual saltava imperceptivelmente o emocional; a compreensão, se chegava, era depois. Ele próprio não tinha uma ideia muito precisa de até onde podia levar sua imaginação quando começava a compor. As imagens chegavam-lhe sem que soubesse bem de onde. Sua atitude acerca do objeto poético era a mesma de Czesław Miłosz, quem, quando lhe perguntaram como nascia um poema, respondeu: ‘Não sei, mas vem pronto’. E quando insistiram, perguntando ‘por quem’, se limitou a dizer: ‘Não sei. Não tenho um nome para isso’.”

O poeta também terá alcançado alguma unanimidade entre os principais nomes da crítica de nosso tempo. Harold Bloom, por exemplo. O autor de Anatomia da influência considerou Ashbery o maior poeta de sua geração: “Hoje não há nenhum poeta em língua inglesa que tenha mais possibilidades que Ashbery de sobreviver ao severo juízo do tempo. Está destinado a fazer parte da insigne constelação de poetas que inclui Walt Whitman, Emily Dickinson, Wallace Stevens e Hart Crane.

John Ashbery nasceu em Rochester, Nova York, em 1927 e dividiu o tempo de seus últimos anos de vida entre o aparamento do Chelsea e uma casa às margens do Hudson, lugares onde compartilhava seus dias com seu companheiro David Kermani. Cresceu numa propriedade rodeada de maçãs, onde seu maior fascínio era ver a neve. Aí se cristalizou seu interesse pela poesia, cujos exercícios ainda começaram quando tinha só oito anos. Escreveu uma extensa obra, algo em torno de três dezenas de títulos. O poeta morreu no dia 3 de setembro de 2017. 

Ligações a esta post:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

"Minha salvação é a literatura". As cartas do jovem Roberto Bolaño

As colunas femininas de Clarice Lispector

Baudelaire no século XXI

Palavra empenhada: Antonio Candido e sua "Ocupação"

Hilda Hilst e o inominável das palavras

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Boletim Letras 360º #279

Wollstonecraft e Shelley: uma relação umbilical

Boletim Letras 360º #275