Reedição da monumental “A comédia humana”, de Balzac


Honoré de Balzac

Alguns ingênuos poderão dizer que A comédia humana terá sido a obra que colocou, definitivamente, Balzac entre os grandes escritores da literatura universal. É possível. Mas, o escritor francês não terá passado ao panteão apenas por esse feito incompleto, diga-se. Sabemos que sua literatura tem um forte poder de reinvenção do gesto linguístico de representação da realidade a ponto de ser considerado por muitos teóricos dos estudos literários como um dos criadores do romance moderno, muito embora tenha passado aos olhos do seu tempo, quase que despercebido.

A comédia humana é feito incompleto porque quando Balzac morreu, ainda aos 51 anos, o projeto que era de 137 romances só chegou a possuir 89 que juntos somam mais de 10 600 páginas (tomando com contagem a edição dos 17 volumes projetados pela Editora Globo) e mais de 2 500 personagens. A obra quis ser um inventário da França do século XIX, e é. E não finda aqui, porque Balzac ainda terá produzido aproximadamente cerca de 20 outros textos entre romances e teatro.

A comédia humana está ordenada, pelo autor, em três partes: “Estudos de costumes”, “Estudos analíticos” e “Estudos filosóficos”, sendo que, dos 89 títulos que vieram a lume 66 deles está associado à primeira parte dividida em seis linhas temáticas: “Cenas da vida privada”, “Cenas da vida provinciana”, “Cenas da vida parisiense”, Cenas da vida política”, “Cenas da vida militar” e “Cenas da vida rural”. O resultado é um rico painel do tempo do escritor, lido por Engels, como o único capaz de captar o espírito do século XIX francês. E não é exagero: Balzac trabalhou 20 anos de sua vida redesenhando costumes, negócios, casamentos, ciências, modismos, política, profissões e uma série de outras matérias sociais que entram nesse imenso painel, costurado com maestria narrativa e, que à época, foi sendo exibido aos poucos em folhetins.

No Brasil, não teríamos acesso a esse caudal de textos tão significativos para a literatura universal se não fosse o rico e intenso trabalho de Paulo Rónai, que se dedicou por longos 15 anos na organização de todo aparato para que fosse feita a tradução do texto para o português, feito que contou com 20 tradutores, que juntos compuseram mais de 12 mil notas e um rico prefácio para cada um dos 89 romances. Isso ainda nos idos 1947 pela Globo de Porto Alegre. Mais tarde, o próprio Rónai voltou ao trabalho e sai uma segunda edição, isso em 1992, agora pela Globo Livros. Rónai dedicou 15 anos à organização de todo aparato de A comédia humana, que contou com 20 tradutores, 12 mil notas e prefácio para cada um dos 89 romances. Dada a dimensão da edição de Rónai, considerada uma das mais importantes fora da França, é compreensível que nenhuma outra editora tenha dado conta de refazê-la e a obra permaneceu por anos encontrada apenas em sebos ou recortada de seu contexto. Diga-se que, o trabalho de Rónai, húngaro naturalizado brasileiro, é um dos maiores legados seus para o país.



Nesse itinerário 2012 é o ano significativo para a literatura nacional; é que 20 anos depois da última edição, A divina comédia, produto do trabalho de Paulo Rónai, volta às livrarias em formato revisto por um selo dentro da Editora Globo, Biblioteca Azul. Findamos o ano com os quatro primeiro volumes que compõem “Cenas da vida privada”.

Acompanha todo esse novo fôlego dado a obra de Balzac a reedição de um conjunto de ensaios do tradutor, Balzac e A comédia humana. Nesta reunião de ensaios estão alguns dos mais importantes estudos introdutórios de Rónai para a obra do escritor francês, como “O estilo de Balzac”, “O mundo de Balzac” e ainda sobre aspectos particulares, como “Paris, personagem de Balzac”, “O Brasil na vida e na obra de Balzac”, “O pai Goriot dentro da literatura universal”.

A edição é acrescida ainda de uma bibliografia do autor, correspondências trocadas com Eliana Sá, responsável pela segunda edição de A comédia humana, e um texto inédito em livro, que conta a epopeia da primeira edição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea