Postagens

Mostrando postagens de Novembro 20, 2017

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Imagem
Por Neiva Dutra

Mário de Andrade, referindo-se a Cecília Meireles, disse que ela passou – não necessariamente incólume – pelas diversas experiências do Modernismo, mas com uma resistência firme a qualquer tipo de adesão passiva. Esta serenidade com que sua sensibilidade se moveu talvez explique a sobrevivência do pós-romantismo (muito mais simbolista que parnasiano) de sua poesia.
Esta poesia, que não se enquadra nos movimentos literários pelos quais transcorreu, conserva o culto às abstrações e à beleza incorpórea, uma profunda e refinada visão da vida, os efeitos musicais e pictóricos da palavra. Propõe uma nova forma de espiritualidade, com um desapego expresso na intuição de uma realidade que transcende o afastamento, tendendo a enunciar sempre uma verdade que apenas pode ser expressada através do que não é, inclinando-se a desestabilizar os mecanismos pelos quais se compreende o sagrado.
Essa forma de arte poética, baseada no desapego da superficialidade e no dizer o que se entre…