Ilustrações de Salvador Dalí para Romeu e Julieta, de Shakespeare

Capa de arquivo extra para 10 ilustrações assinadas
por Salvador Dalí para Romeu e Julieta
de W. Shakespeare (detalhe)

Aqui, vimos construindo um verdadeiro arquivo de coisas boas produzidas por Salvador Dalí – sobretudo no território das artes plásticas: seus desenhos para a Divina Comédia, de Dante, para Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll, para o Dom Quixote, de Miguel de Cervantes. Semanas depois de uma matéria sobre a influência da obra de William Shakespeare para as artes plásticas, voltamos a este território e ao trabalho do pintor catalão para a obra do dramaturgo e poeta inglês.

É sabido que Dalí produziu material para obras como Macbeth – sobre o qual falaremos em outra ocasião – mas também produziu a partir de Romeu e Julieta. O leitor que tiver um tanto de conhecimento da obra do autor de A persistência da memória logo cairá em sobressalto. Sim, porque todos os títulos que anunciamos anteriormente têm um quê da estética surrealista, mas Romeu e Julieta?

Pois bem, produziu sim. Em 1975, Salvador criou um raro conjunto de ilustrações para a famosa peça de Shakespeare. São 10 litografias assinadas pelo próprio pintor para 99 páginas de texto. A edição apareceu agora na Lockport Street Gallery, em Illinois, Estados Unidos, para leilão e na época em que foi produzida chegou a receber uma tiragem de exatos 999 exemplares numerados e publicados por Rizzoli & Rizzoli. Destes exemplares, apenas 35 versões do livro receberam o conjunto extra de fotolitos com 10 ilustrações assinadas por Dalí e presas numa capa de seda vermelha.

Abaixo, preparamos um catálogo com esses trabalhos de Salvador Dalí. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268