Ilustrações de Salvador Dalí para Romeu e Julieta, de Shakespeare

Capa de arquivo extra para 10 ilustrações assinadas
por Salvador Dalí para Romeu e Julieta
de W. Shakespeare (detalhe)

Aqui, vimos construindo um verdadeiro arquivo de coisas boas produzidas por Salvador Dalí – sobretudo no território das artes plásticas: seus desenhos para a Divina Comédia, de Dante, para Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll, para o Dom Quixote, de Miguel de Cervantes. Semanas depois de uma matéria sobre a influência da obra de William Shakespeare para as artes plásticas, voltamos a este território e ao trabalho do pintor catalão para a obra do dramaturgo e poeta inglês.

É sabido que Dalí produziu material para obras como Macbeth – sobre o qual falaremos em outra ocasião – mas também produziu a partir de Romeu e Julieta. O leitor que tiver um tanto de conhecimento da obra do autor de A persistência da memória logo cairá em sobressalto. Sim, porque todos os títulos que anunciamos anteriormente têm um quê da estética surrealista, mas Romeu e Julieta?

Pois bem, produziu sim. Em 1975, Salvador criou um raro conjunto de ilustrações para a famosa peça de Shakespeare. São 10 litografias assinadas pelo próprio pintor para 99 páginas de texto. A edição apareceu agora na Lockport Street Gallery, em Illinois, Estados Unidos, para leilão e na época em que foi produzida chegou a receber uma tiragem de exatos 999 exemplares numerados e publicados por Rizzoli & Rizzoli. Destes exemplares, apenas 35 versões do livro receberam o conjunto extra de fotolitos com 10 ilustrações assinadas por Dalí e presas numa capa de seda vermelha.

Abaixo, preparamos um catálogo com esses trabalhos de Salvador Dalí. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade