Boletim Letras 360º #205


Na próxima semana despacharemos os brindes dos ganhadores da promoção os melhores de 2016. Os títulos são uma surpresa para os ganhadores e estes, por sua vez, ainda são segredo. Eles só saberão que ganharam e o que ganharam quando o brinde chegar às suas casas. E, um aviso: depois disso, publicaremos uma promoção nova que sorteará uma edição de A montanha mágica, de Thomas Mann.

António Lobo Antunes. Mais um prêmio para a coleção, desta vez, o SPA Vida e Obra de 2017.


Segunda-feira, 06/02

>>> Brasil: A poesia de Gabriela Mistral está entre os destaques nos títulos a serem publicados pela editora Olho de Vidro

É mais uma editora que vem ampliar o mercado do livro no Brasil. Entre os vários lançamentos projetados pela casa, os mais aguardados são um volume com a poesia da ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura Gabriela Mistral. Além da antologia, a Olha publicará Se os tubarões fossem homens, de Bertolt Brecht, seg. informações da Folha de São Paulo.

>>> Brasil: Um convite para conhecer a poesia brasileira contemporânea; assim é a nova antologia preparada por Adriana Calcanhoto

É agora como nunca – Antologia incompleta da poesia reúne poetas que estão em toda parte do cenário das Letras no Brasil. Os nomes reunidos no livro são de poetas nascidos entre 1973 e 1990. E, como quase toda antologia, é uma lista pessoal e "intransferível, autoral, ou o contrário", como classifica. Ao todo somam-se 42 nomes que formam um panorama vibrante e múltiplo da poesia atual — espalhada em saraus, blogs e livros.

Terça-feira, 07/02

>>> França: Morreu Todorov

Tzvetan Todorov nasceu em Sofía, 1939 e é considerado um dos grandes intelectuais contemporâneos. Educado na Bulgária comunista, vivia na França desde 1963. Linguista, filósofo, historiador, crítico e teórico literário, escreveu obras fundamentais como As estruturas narrativas, Teorias do símbolo, Dicionário enciclopédico das ciências da linguagem, A conquista da América: a questão do outro, O medo dos bárbaros, Os inimigos íntimos da democracia (estes três que apontavam para temas caros à contemporaneidade como as tendências totalitárias nas democracias: a xenofobia, a falta de pluralismo e o tratamento dado aos imigrantes). O potente ensaio A literatura em perigo, um de seus últimos textos, foi seu mea culpa pelos resquícios do estruturalismo no declínio da leitura no ensino superior e fora dele. Em 2008, ganhou o prêmio Príncipe de Astúrias de Ciências Sociais.

>>> Portugal: António Lobo Antunes é o ganhador do tradicional prêmio da Sociedade Portuguesa de Autores

Dividido em diversas categorias — da Televisão à Música — e com intuito de celebrar as produções artístico-culturais portuguesas, os prêmios SPA serão distribuídos em março. António Lobo Antunes receberá o prêmio Vida e Obra da SPA. O escritor é um dos mais importantes nomes da literatura de língua portuguesa contemporânea. Seu último livro editado no Brasil foi Não é meia-noite quem quer, pela Alfaguara Brasil.

Quarta-feira, 08/02

>>> França: Encontradas fotografias inéditas de Paul Gauguin

A informação é do jornal The Art News Paper. O material foi encontrado num álbum adquirido Daniel Blau, um comerciante que arrematou dois álbuns num leilão realizado em julho de 2015. Numa das imagens, Gauguin é beijado por uma jovem e está ao lado de Gouzer, amigo do pintor e médico de um barco francês; noutra o artista ri maliciosamente e está reclinado sobre a mulher que havia beijado. As fotografias oferecem uma nova perspectiva sobre a vida de Gauguin no Taiti, em 1896. As imagens guardam outra importância, o registro que identifica o fotógrafo Jules Agostini, amigo do pintor como autor das imagens; e ainda a data: 19 de julho de 1896. Antes, outras fotografias de Gauguin haviam sido encontradas mas com o autor e as datas exatas desconhecidas. Blau suspeita que a mulher das fotos seja Pahura, a jovem amante de Gauguin que inspirou-lhe a composição de “Nevermore” (1897).

>>> Brasil: Única narrativa de Bob Dylan ganha edição no Brasil; depois da publicação de suas crônicas

De 2016, ano em que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, para cá iniciou-se entre as editoras a febre de livros de Dylan. A Companhia das Letras prepara uma edição, cf. noticiamos, com todas as letras das canções do compositor estadunidense; mas a Planeta Editora largou na frente reeditando suas crônicas reunidas em dois volumes. A mesma editora já disponibiliza aos leitores a tradução do único título de ficção de Dylan. Tarântula foi publicado pela primeira vez em 1971, depois que cópias piratas começaram a circular pelos Estados Unido. Segundo apresenta a editora é "um volume de difícil definição, com uma estrutura que alterna prosa poética e poemas em versos – embora o próprio autor já tenha chamado de romance 'tudo aquilo que eu não posso cantar ou que é longo demais para ser um poema'”. Dylan escreveu os textos deste livro numa época em que lançava álbuns como Bringing it All Back Home (1965), Highway 61 Revisited (1965) e Blonde on Blonde (1966), e apresenta neles a miríade de situações e personagens urbanas e da cultura popular que habitavam então seu universo artístico. O livro estava há décadas fora de catálogo no Brasil. A nova tradução tem prefácio de Valter Hugo Mãe.

Quinta-feira, 09/02

>>> França: Vai a leilão um manuscrito de Rimbaud

Trata-se da versão escrita por Rimbaud de “La rivière de cassis” em 1872 para seu amante Paul Verlaine. Pagou-se 230 mil euros pelo documento. A raridade era a estrela do leilão ao lado de uma página com desenhos do poeta de quando tinha só dez anos. A Sotheby's foi a responsável pelas vendas que incluíram ainda um recebido assinado por Rimbaud datado de 1889 de quando era traficante de armas na Etiópia e uma edição de “Les Caractères”, presente do diretor do colégio de Charleville a Rimbaud, quando notou no menino sua precoce relação com a palavra.

Sexta-feira, 10/02

>>> Brasil: Romance de Victor Hugo, O homem que ri, ganha nova tradução e edição

Gwynplaine, o protagonista de O homem que ri é submetido, ainda criança, a uma cirurgia que desfigura seu rosto, deixando nele uma cicatriz que denota um sorriso constante. Abandonado, ele encontra em seu caminho Dea, uma menina cega que acabara de perder a mãe, vítima do rigoroso inverno. As duas crianças cruzam o caminho de Ursus, um artista saltimbanco de coração generoso que decide abrigá-las. Juntos se tornam uma família e passam a apresentar-se em espetáculos populares para ganhar a vida. No entanto, descobre-se mais tarde que Gwynplaine é filho de um lorde, fato que acaba desencadeando uma série de conflitos e dramas. Inúmeras questões são discutidas neste grandioso romance originalmente publicado como folhetim: o papel da aparência física em oposição à alma, as oposições entre homem e animal, grotesco e sublime, experiência e transcendência...A edição é da Editora Amaralys e a tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar e Maria José Perillo Isaac.

>>> Brasil: Depois de O museu do silêncio, livrarias brasileiras recebem a tradução de mais um título inédito de Yoko Ogawa.

Chama-se A fórmula do professor. A narrativa acompanha a história de um velho professor de matemática apaixonado por seu ofício, mas que, após um acidente, passa a sofrer problemas de memória. Quando uma mãe solteira começa a trabalhar em sua casa, o velho logo se afeiçoa ao filho dela, a quem passa a compartilhar o amor pelo mundo dos números. No Japão, A fórmula do professor já rendeu, inclusive, uma adaptação cinematográfica. A edição é da Editora Estação Liberdade e a tradução de Shintaro Hayashi.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Não adianta morrer, de Francisco Maciel

Boletim Letras 360º #246