Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Por Daniel Céspedes Góngora





O século XIX começa já dominado por homens e – herdado da cultura judaico-cristã mediada pelo catolicismo – teve suas preferências pelo nu feminino “ao natural” contra a tradição acadêmica historicista e de assuntos mitológicos. Esquecia que a Adão – embora coberto por uma vestimenta de graça ou de luz, como recorda Giorgio Agamben – se deve a primeira “ostentação inconsciente” de sua natureza num mundo onde logo surgiria Eva, quem o acompanhará em sua ingênua nudez. Sem dúvida, o arquétipo machista e hétero-sexista do cânone humano provinha do olhar masculino. Uma mulher nua numa academia de belas artes no século XIX? Uma projeção imoral, sem dúvida. Mas as mulheres se desnudaram nos estúdios de pintores e fotógrafos. E fez-se acreditar que a sensualidade e a erotização eram apenas propriedades delas. O artista estadunidense Thomas Eakins mudará tudo ao reconsiderar o nu na própria academia.

Eakins experiencia o quanto pode na Paris do período de 1866 a 1870, quando aprende do realismo pictórico de Léon Bonnat e da arte detalhista de Jean-Léon Gérôme, ambos amantes do nu na pintura. Observa muitas esculturas e recebe lições do mestre Augustin Dumont. É na França onde se interessa pelas possibilidades da fotografia e suspeitamos que percebe, antes de outros, as vantagens da reprodução da imagem real, para logo reinventar uma cena e criar muito mais que uma atmosfera num contexto bucólico. Vê-se em algumas de suas obras a reafirmação por superar o fetichismo da semelhança entre imagem fotográfica e modelo. Seu talento como pintor de nus é inquestionável. Descobre com a câmera o que logo (re)constrói com o pincel, diria Susan Sontag.

Em 1886 perde seu posto de diretor de instrução na Academia de Belas Artes da Pensilvânia. Mostrar sua própria nudez ante seus alunos (homens e mulheres) e pedir em seguida que eles também se dispam escandaliza a célebre instituição. Eakins é um exibicionista num sentido clínico1. É verdade que quando este polêmico artista assume o cargo em 1882, a academia ganha no plano de estudos; os nus são mais tolerados; há uma maior promoção de uma arte vanguardista e transgressora. Mas, no fundo, sempre é conservadora. Para os excessos de Eakins, a medida mais drástica: sua expulsão. Imaginar que determinado modo de vida poderia superar a realidade artística não representava sequer uma probabilidade ou proposta estéticas. “Enquanto alguns tratam de ver imoralidades no corpo, outros, pelo contrário, veem neles as possibilidades mais nobres da estética do humano; entre eles, os artistas e os poetas. O nu tem sido a grande academia para os artistas plásticos desde tempos imemoriais. Também tem sido a antiacademia” (ACOSTA de ARRIBA, 2001, p.275).

Durante 1884 e 1885, Eakins concebe o corpo masculino despojado de toda vestimenta, aberto às delícias do seu redor suburbano e campestre, distante dos tabus próprios de uma sociedade normatizada pela conduta heterossexual. Aqueles indivíduos marcados pelo espaço dos grêmios em cafés e bares, o prostíbulo e o pugilato, podem passar para a obra artística graças ao apuro estético de um pintor livre de juízos e observador. Dois estão na água, outro vai entrar de mergulho. Sobre um rochedo que serve ao mesmo tempo de barreira e penhasco, outros dois, sentados, observam um cachorro nadar. O único que está em pé relembra, por sua postura, quem pousa como modelo numa academia: está de costas e mostra, por tradição cultural e estética, a bunda. Talvez esta personagem não queira se molhar ou já depois de fazer tantas vezes prefere deixar ir quem se joga no lago. O pintor também está representado. É o que nada e, mais longe, observa quanto pode. É um voyeur declarado e firme. Estamos diante uma cena homossocial onde o nu é espontâneo, mas de uma inocência aparente: a provocação erótica é voluntária. Um detalhe: existe uma contraposição inegável – talvez com o propósito expresso ou por descuido insignificante – entre a serenidade da água e o improvável silêncio do regozijo grupal. O título da obra designa o contexto porque o protagonismo se centra na paisagem dos nus corporais.

Elegância, descontração e beleza distinguem a ousadia com que Thomas Eakins representa estes banhistas. “Swimming Hole”2, que tem como antecedente várias fotografias realizadas pelo próprio autor, é uma das obras plásticas mais memoráveis do século XIX, tanto por sua qualidade artística como por seu indiscutível homoerotismo. O artista é amigo de Walt Whitman. Lê Folhas de relva e a série de poemas chamada Calamus, a que José Martí se refere enquanto desnudamento do homem natural, delicado com as mulheres, para entender o poeta “mais intrépido, global e livre de seu tempo” em sua grandiosa crônica “O poeta Walt Whitman”. Isto é, Martí mostra sua contradição ante “os que são incapazes de entender sua grandiosidade; imbecis existiram ao ver o que se celebra em Calamus, as imagens mais ardentes da língua humana, o amor dos amigos, e acreditam ver, com melindres de colegial impudico, o retorno àquelas vis ânsias de Virgílio por Cebetes, e de Horácio por Giges e Licisco” (MARTÍ, 1975, p.137); para logo evidenciar: “Quer portas sem fechadura e corpos em sua beleza natural; acredita que santifica enquanto toca, e acha virtude em todo o corpóreo” (p.138); até mais adiante acrescentar sobre seu admirado observador da Natureza: “Sente um prazer heroico quando se para próximo de uma ferraria e vê os rapazes, com o torso nu, revoam por sobre suas cabeças os martelos, e dão cada um seu lugar” (p.139). Ao meter-se em Calamus evidenciava sua homossexualidade, o que Whitman opta por silenciar (cf. REYNOLDS, 1995). Eakins e ele têm muitos acordos artísticos, talvez nenhum mais chamativo que aquele que consiste em reconhecer, por razões estéticas e de gosto, que o corpo nu do macho pode ser a coisa mais bonita que existe.

Depois de radicar-se por uma temporada na Venezuela, José Martí se estabelece nos Estados Unidos a partir de 1880 e começa a colaborar para várias publicações culturais como The Hour, The Sun e La América. Escreve sobre a pintura estadunidense e europeia. É muito provável que tenha visto “Swimming Hole”3, e também os nus de John Singer Sargent e William Merritt Chase. Talvez sinta que não deve falar de uma obra bem realizada, mas proveniente de um artista incômodo e de “ânsias vis” para a época. Agora, o que é “Swimming Hole” frente a “O sonho” ou “A origem do mundo”, de Gustave Courbet? “A nudez incontrolável dos órgãos genitais é a chave da corrupção da natureza depois do pecado, que a humanidade transmite através das gerações” (AGAMBEN, 2011, p.102).

Para os anos oitenta do século XIX, José Martí conhece não só esta obra de Courbet, mas muto mais do que se permite – ou o permitem – escrever.

Notas

1 Recomendo o texto de Anamaría Ashwell: “El arte y la fotografía de Thomas Cowperthwaite Eakins”, disponível em Elementos n.78, vol. 17, maio-julho de 2010, p.3-13.

2 Uma das mais recentes teses sobre o tema é Reconsidering “Swimming”. Thomas Eakins and the changing landscapes of modernity in late nineteenth-century, de Laura Fravel, Filadélfia (2011).  


3 Não é para justificar a possível indiferença do crítico cubano pela pintura de Eakins mas, com muita razão, Yanelis Abreu Proenza diz: “Embora sejam os imperativos econômicos os que obrigam Martí a escrever e publicar suas crônicas jornalísticas, escolhe peças pelas quais dedica melhor atenção, num ato consciente de discriminação valorativa” (“José Martí: su prosa crítica dedicada al arte del siglo XIX”, publicado na Revista de la Asociación Aragonesa de Críticos de Arte, n.15, junho de 2011).

Referências

ACOSTA DE ARRIBA, Rafael. El signo y la letra. Ensayos sobre literatura y arte. Centro de Investigación e Desarrollo de la Cultura Cubana Juan Marinello. Havana, 2001.
AGAMBEN, Giorgio. Desnudez. Argentina: Adriana Hidalgo Editora, 2011.
MARTÍ, José. Obras completas. Havana: Editorial de Ciencias Sociales, 1975 (tomo 13).
REYNOLDS, David S. Walt Whitman’s America: a Cultural Biography. Nova York: Vintage Books, 1995.


* Este texto é uma tradução de "Varones al desnudo: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins" publicado em Letralia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #298

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

O projeto é escrever. Um perfil de Mario Levrero

Boletim Letras 360º #301

João Cabral olha Joan Miró

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

A vida e a arte de Sylvia Plath

José Saramago, o ano de 1998