Boletim Letras 360º #238

Na postagem 469 do Instagram do Letras oferecemos aos nossos leitores a opção de escolher dois títulos para integrar parte da próxima promoção a ser realizada pelo blog. Esperamos sua opinião. E em breve apresentamos a novidade no âmbito dos nossos 10 anos. Fique atento!

O boom Margaret Atwood. A escritora canadense alcança o auge com a expressiva expansão da sua obra para a TV e a redescoberta de seus livros. No Brasil, depois de O conto da aia é reeditado Vulgo Grace.


Segunda-feira, 25/09

>>> Brasil: Reedição de Vulgo Grace, de Margaret Atwood

Embalada pelo estrondoso sucesso de O conto da aia (adaptado recentemente como um seriado), a Editora Rocco, amplia o gosto dos leitores que redescobrem a obra de Margaret Atwood com a reedição de Vulgo Grace. A obra também ganhará adaptação como série para TV. O romance foi escrito partir de um caso real ocorrido no Canadá na década de 1840 e conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão, Thomas Kinnear, e a governanta da casa, Nancy Montgomery. A história contada por Margaret Atwood tem início em 1859, quando a protagonista Grace já está presa. James McDermott, também condenado pelas mortes, há muito fora enforcado. Grace mora no presídio, mas devido ao bom comportamento, trabalha durante o dia na casa do governador da penitenciária em uma Toronto do século XIX com costumes bastante tradicionais. Apesar de iletrada, os relatos que Grace faz, de próprio punho, em diários e cartas, e seu bom comportamento em todas as instituições por onde passou, impressionaram clérigos, médicos e políticos da época. É nessa época que chega à cidade um médico interessado em doenças mentais e em estudar o comportamento dos assassinos. Dr. Simon Jordan está ali para coletar depoimentos de Grace. Se conseguir ir adiante, pretende descobrir se ela mente ou se realmente tem problemas de memória, que a impedem de se lembrar do que aconteceu no dia da morte do Sr. Kinnear e de Nancy.

>>> Brasil: Um nova edição e tradução da peça Cavaleiros, de Aristófanes

Esta é a quarta peça escrita pelo autor grego, mestre da antiga forma de drama conhecida como Comédia. A peça é uma sátira da vida social e política da Atenas clássica durante a Guerra do Peloponeso, e neste ponto tem o perfil típico de todas as primeiras peças do autor. É única, no entanto, por ter um número relativamente pequeno de personagens, concentrando sua ação principalmente num só homem, o populista pró-guerra Cléon. Cléon havia processado Aristófanes por caluniar a pólis numa peça anterior, Babilônios (de 426 a.C.), o que fez o jovem dramaturgo jurar vingança em Acarnianos (425 a.C.). A vingança veio no ano seguinte, com Cavaleiros – uma peça muito fundamentada pela alegoria e considerada por pelo menos um estudioso moderno como 'um fracasso constrangedor'. Com este trabalho Aristófanes conquistou o primeiro prêmio no festival das Leneias. Uma edição bilíngue com tradução de Ana Maria César Pompeu é publicada pela Editora Substânsia.

Terça-feira, 26/09

>>> Colômbia: Recuperado filme roteirizado por Gabriel García Márquez

Tiempo de morrir, a obra-prima do diretor mexicano Arturo Ripstein inaugurou o Festival de Cinema Latino-americano de Biarritz; trata-se de uma versão restaurada, rodada em preto-e-branco, de um “western” cuja apresentação data de 1965. O roteiro do filme e o texto é do escritor Prêmio Nobel de Literatura, este último composto ao lado do amigo Carlos Fuentes. O festival homenageará García Márquez com outra versão de Tiempo de morrir e Edipo alcalde – estes dois filmes dirigidos por Jorge Alí Triana. O evento presta assim um tributo à face cinematográfica do escritor.

>>> Brasil: Um mergulho no eu de Moacyr Scliar

Uma "deliciosa autobiografia sui generis", assim define a L&PM Editores, autora da edição. Moacyr Scliar – fic­cionista, autor de vários clássicos brasileiros e um dos nomes nacionais mais publicados em todo o mundo – abre seu coração e sua vida. Partilha conosco da sua infância aos anos de maturidade, tudo permeado por histórias: as que leu (e que o formaram) e as que escreveu. Eis Uma autobiografia literária. O texto, ou: a vida.

Quarta-feira, 27/09

>>> Brasil: Dois livros inéditos do H. G. Wells saem pela Editora Carambaia

Como anunciado por aqui noutra ocasião, eis agora, a ideia pronta. A Caixa H. G. Wells reúne os livros A Guerra no Ar" e O Dorminhoco. São obras nas quais o autor, como ele mesmo explica em um dos prefácios, cria "fantasias sobre possibilidades". Os romances, inéditos no Brasil, são distopias nas quais, com seu conhecido vigor imaginativo, H. G. Wells descreve cenários futuristas apocalípticos, revelando sua visão sobre o impacto do desenvolvimento de tecnologias bélicas e relações de poder na sociedade do século XX. O primeiro, de 1908, é um romance considerado premonitório, em que Wells antecipa uma guerra com a utilização de máquinas voadoras e bombardeios aéreos, algo tecnicamente inexistente até então. Ataques aéreos desse tipo só se tornariam realidade a partir de 1914, durante a Primeira Guerra Mundial. Já em O Dorminhoco, escrito em 1899 e com uma segunda versão em 1910, narra a história de um inglês insone que, depois de muito custo, cai no sono. Ele dorme em 1897 e acorda em 2100, em uma megalópole. Esse cenário do futuro descrito por Wells inspirou o filme Metrópolis, de Fritz Lang (1927). Woody Allen também se baseou no enredo distópico de Wells para criar o roteiro de O Dorminhoco, de 1973.

>>> Brasil: Uma crônica lúcida e dolorosa de resiliência e desespero que discute a todo o momento sobre o lugar do povo judeu e sua cultura no mundo

O romance Por dois mil anos sai pela Editora Amarilys. De tintas autobiográficas e em registro de diário, é a obra mais conhecida de Mihail Sebastian. Seu protagonista, um jovem judeu cujo nome jamais é mencionado, registra seu contato com diferentes facetas da sociedade romena ao longo dos anos, naquilo que chama de “um tempo de espasmo” – o período entre guerras que testemunhou a ascensão do fascismo e colocou em xeque a intelectualidade europeia. Da universidade, onde tentava passar despercebido pelos grupos de agressores antissemitas, à vida profissional adulta, o protagonista convive e conversa com reacionários, revolucionários, fanáticos e libertinos, sem jamais se identificar com nenhum grupo particular. Mas isso não o impede de perceber que nem amizades de longa data nem um esforço de assimilação o protegem de ser visto como um pária.

Quinta-feira, 28/09

>>> Brasil: Uma nova edição de Gilgámesh

Ele que o abismo viu é uma das versões do mito de Gilgámesh, a que é atribuída a Sin-léqi-unnínni (séc. XIII a.C.), considerada a mais completa e importante dessa tradição acádia, preservada em tabuinhas de argila que foram descobertas entre 1872 e 2014. O texto, traduzido do acádio e anotado por Jacyntho Lins Brandão, traz para o leitor brasileiro a mais ampla reconstrução do poema, que é o mais antigo registro literário que conhecemos. Na tradição que remonta a mais de quatro mil anos, ele é anterior a Homero, a Hesíodo e aos textos bíblicos. Nesse longo (e ainda fragmentário) poema encontramos, já elaborados de forma sofisticada, ideias, valores e leituras do mundo – além de vários mitos que aparecerão na tradição literária posterior, como a criação do homem a partir da argila, o dilúvio e a construção de uma arca para salvar as criaturas, humanos e animais. A edição é da Autêntica Editora.

>>> Brasil: Mais um livro profundamente afetivo e lírico do escritor Bartolomeu Campos de Queirós ganha edição pela Global Editora

E segue o mesmo projeto gráfico editado pela extinta editora Cosac Naify. A narrativa de Elefante flui em um ritmo leve e poético e aborda a temática do amor. O narrador da história nos conta como um pequeno elefante invade o seu sonho sem pedir licença e, desta relação, no plano onírico, nasce um diálogo entre os dois. Ele entrou no meu sonho, sem licença. Chegou pequenininho como se fosse filho da insignificância. Seu andar perdido, pisando dúvidas, parecia transportar o passado em suas costas. Por meio da conversa do narrador com seu inconsciente, emergem do texto sonhos, planos, perigos, mistérios e medos. Antes a mesma casa editorial havia apresentado Vermelho amargo, cf. anunciamos por aqui noutra ocasião.

Sexta-feira, 29/09/17 

>>> Brasil:A Mona Lisa nua? Seria este um esboço realizado por Leonardo Da Vinci

O arquivo estava desde 1862 numa coleção de arte renascentista no Museu Condé, no Castelo de Chantilly, a norte de França, reporta a BBC. La Gioconda (outra da designações para o famoso quadro de Da Vinci) é uma das mais conhecidas obras de arte da humanidade e este esboço poderá ser mais uma pista para confirmar a identidade da mulher que figura na pintura a óleo. Uma das dúvidas quanto ao trabalho “em parte” do esboço por Da Vinci, segundo o curador Mathieu Deldicque, em declarações à AFP, citado pela mesma publicação britânica, é que uma parte do desenho foi feito “com a mão direita” e o pintor era canhoto. No passado, uma pintura da Mona Lisa nua já tinha sido atribuída a Da Vinci, mas esta é a primeira vez que há tanta confiança por peritos na atribuição ao pintor de um desenho do gênero.

>>> Brasil: Saint-Exupéry viandante. Nova tradução para Em Correio Sul

O escritor francês registra sua experiência como aviador comercial e descreve a rotina dos primeiros bravos homens a se arriscarem como pilotos do correio aéreo. A obra, publicada originalmente em Paris em 1929, ganha nova versão com tradução e projeto gráfico inéditos. Nesta aventura, o autor francês cria Jacques Bernis, um aviador solitário e oprimido pela árdua e monótona labuta como piloto de uma agência postal, que inaugura uma nova rota ligando a Europa à África. Ao narrar os dramas do personagem, Saint-Exupéry contrapõe a eles a rotina exaustiva do correio aéreo. As constantes viagens de Bernis lhe tiram a paciência necessária ao trabalho, e o fazem perder-se entre memórias e fatos, a ponto de ele não poder mais distinguir se sobrevoa o deserto ou suas lembranças. Correio Sul, o primeiro romance do autor, tem a história de amor entre Bernis e a mulher casada Geneviève, que rejeitada pelo marido após uma tragédia encontrou abrigo nos braços do piloto. Traduz a obra Jonas Tenfen.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Sete pontos da filosofia da composição de Edgar Allan Poe

Boletim Letras 360º #285

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286