A efemeridade é também coisa de poeta e de poesia

Por Pedro Fernandes



A reedição da antologia organizada por Italo Moriconi vem em boa hora. Desde a publicação de Toda poesia, de Paulo Leminski, em 2013, que um novo olhar tem se levantado para os nomes de uma geração a bem pouco tempo comuns apenas entre uma parte dos jovens mas ainda situados na mesma designação de figuras marginais. Não é o caso de, depois do fenômeno da obra, seguido de outros, como a também reedição da poesia completa de Ana Cristina Cesar e de Waly Salomão, que essas vozes tenham saído do coro para o qual a crítica sempre o designou. Mas romperam com a ideia de que o marginal é necessariamente aquele que figura à margem para abrir-se uma ventilação no cânone nacional. Isto é, possibilitou-se falar sobre a reavaliação da obra desses escritores, cumprindo-se, assim, o que anseia o antologista de Destino: poesia, que, seja dada a abertura ao conhecimento sobre as principais vozes da poesia brasileira das últimas décadas. Independente se dentro ou fora de círculos e circuitos.

A ocasião é outra quando assistimos não apenas a reedição da obra de alguns dos que mais significaram nos anos 1970 e 1980 mas uma série de movimentações culturais e entre os mais assíduos da comunidade leitora as constantes atividades que tem no seu núcleo o interesse pela obra dos nomes reunidos na antologia de Moriconi – além dos três citados, estão acrescentados Cacaso e Torquato Neto – ou os seus herdeiros mais próximos; digo isso pensando na publicação da obra completa de Chacal, na aparição de inéditos de Torquato. Ou seja, na presença constante e contínua que esse reiterado interesse tem assumido forma desde há três anos.

Destino: poesia cumpre ao que veio. Trata-se de uma antologia que veio para produzir as inquietações que agora se registram nos sismógrafos do gosto leitor. É mesmo possível que tenha sido do encontro com esse livro organizado por Moriconi que alguns dos mentores sobre o retorno a essa importante geração de poetas tenham encontrado o ponto do qual partiram, numa aventura, talvez, que não apontava uma direção segura, visto que, lidar com o gosto do leitor é sempre um território movediço e suspeito. Nunca foi suficiente que apenas o apelo comercial das editoras tenha sido a fórmula para pegar uma moda ou, o que é ainda mais difícil, fazer um gosto reverberar por longa data – ainda mais numa era de total flerte com a efemeridade.

E, por falar em efemeridade, é ela a principal dorsal que une os quatro nomes de cuja obra se faz uma pequena amostra. Faço com essa afirmativa o trabalho de ampliar os argumentos utilizados por Moriconi na apresentação de sua antologia e creio que este viés temático é melhor aceitável até que alguns utilizados por ele. Por exemplo, o ponto no qual insere Ana C., Cacaso, Leminski, Torquato e Waly Salomão, de poetas que lidam com o uso coloquial da linguagem e se apropriam na sua obra de palavras corriqueiras do seu cotidiano – afirmativa que, se se adéqua ao estatuto do efêmero que aqui destaco, se distancia o suficiente para ser chamado de contradição do pedido pelo antologista, que o leitor dos poemas aí reunidos não se apoquente com o contexto ao qual se relaciona o trabalho das formas linguísticas desses autores.

O trabalho de preocupação pela desvinculação do datado – daquilo que o próprio Carlos Drummond de Andrade, um dos nomes que apesar de pertencer aquele eixo central ditado pela crítica se situa entre os que revolucionaram o gesto poético na literatura brasileira, isto é, base para o que tem sido trabalhado pelos poetas de depois – não é uma tarefa que deva ser atribuída ao leitor mas ao poeta, visto que, convencionalmente são raros os leitores que procuram vincular o conteúdo da obra a determinado contexto que a rege. Aos leitores mais acurados nunca lhe restará outra alternativa que a de, no trato de deslindamento da obra, oferecer a mais diversa sorte de possibilidades de leitura a fim de demonstrar o trabalho de significação construído, direta ou indiretamente, pelo poeta. Isso significa dizer que, a depender da maneira como se verifica o contexto pela obra poética, retomá-lo não é atribuir a ela uma força atrasada e sem valia para o leitor contemporâneo mas um enriquecimento no processo de leitura dessa obra. Já entre os leitores comuns, em sua grande maioria, não. Agora, entre bons e maus poemas, todo bom poeta já praticou todos e é graças aos maus que constitui um substrato para os bons. E maus poemas serão sempre, em parte, aqueles que estão seriamente vinculados ao seu tempo.

parte do manuscrito do poema "Trilha sonora", de Ana Cristina Cesar reproduzido em Destino:poesia 

A efemeridade que une os poetas de Destino: poesia assume-se portanto como uma frente de significação diversa: se manifesta ora na estrutura e forma do poema, quando encontramos a força epifânica do verso curto, a estrofe breve ou poema-pílula e a linguagem quase sempre despida do trabalho de garimpo ao qual estão submetidos outros poetas; ora no tema, nas situações evocadas que se referem ao dia comum, do que vê e vivencia o poeta; ou na maneira como o poema é apreciado pelo leitor, isto é, não estamos ante qualquer força que lhe implique uma necessária reflexão porque o efêmero é revelação e não inspiração.

É por isso que o renascimento, por assim dizer, da obra desses autores encontra terreno muito fértil na atualidade. Porque, do tempo deles para o nosso, o efêmero cada vez se intensificou e cada vez mais perdemos a atitude de reflexão. Estamos definitivamente na era dos insight – naquilo que, se para o bem o mal ainda não sabemos, tem se assumido na poesia com grande força expressiva,  ainda que o poema-trocadilho, o poema-piada seja uma alternativa, a meu ver, cada vez mais previsível e logo um fenômeno que serviu a um tempo mas agora talvez devêssemos usar essa força para galgar outras expressões poéticas; sei que há mais além delas e em grande parte os já herdeiros dos nomes reunidos por Moriconi têm ensaiado alternativas que ampliam aquilo que, em grande parte, não galgou grande extensão porque os poetas dessa antologia levaram a ideia de efemeridade para a própria vida. Mas há pelo menos outras duas gerações – avistadas no mapa atual – que a elas não devia mais ser permitido insistir com o mesmo tom.

Ainda, nesta última constante, sabemos que o trabalho dos poetas aí reunidos foi sempre o de desconstruir descontraidamente a sisudez da poesia e de quem faz o verso, também buscavam romper com um emparedamento que agora novamente se ergue no Brasil. Talvez por esse cenário temeroso que aqui se instalou os poetas que trotam o mesmo passo dos da antologia Destino estejam destinados a permanecer onde estão: é, de toda maneira, uma forma de resistência ao ódio gratuito, uma maneira de romper com o cerceamento dos direitos individuais, afinal,  liberdade é mais que uma atitude rebelde é uma maneira de rever a ordem das coisas, de posicionar-se politicamente. 

Foi isso o que praticaram os da geração de Leminski, mesmo quando não disseram qual lado estavam e alguns aproveitadores depois tenham feito uso desse ou daquele lado; poesia não tem lado, só a posição de se firmar contrária ao que é retrógrado, mesquinho e uma atitude a favor da liberdade de ser e isso também une os dessa antologia. Significa dizer que leitor tem em mãos uma boa maneira de se introduzir ao desvestir-se de certas formas pela mão de Moriconi. É um livro de muita força expressiva, que obrigará o leitor sair do seu lugar de conforto e saber mais de perto e melhor quem foram e ainda são esses nomes para a cultura brasileira recente. É grande o prejuízo se não conhecê-los e reconhecê-los. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas