Postagens

Mostrando postagens de Agosto 12, 2020

Paterson, de Jim Jarmusch

Imagem
Por Pedro Fernandes


Como se determina ou se forma a persona do poeta? A pergunta cavilosa motivou o derramamento de baldes e baldes de tinta na tentativa de se copiar uma resposta que nunca chegou a ser satisfatória, embora a escola romântica tenha se encarregado de fincar suas raízes ao máximo limite da profundidade, ao ponto mesmo de muitos dos brotos da imensa árvore que aí se formou ainda verdejarem sobre nós quase quatro séculos mais tarde. À frente disso, talvez só a escola modernista, mas não sem deixar de barganhar uma conta impagável com a primeira. O poeta como uma entidade em contato com o incognoscível e todas as derivações daí possíveis (o profeta, o louco, o alheado) e a figura de espírito esponjoso, facilmente capaz de absorver as dores do espírito (sobretudo as da coita amorosa) são duas das mais significativas imagens da forja romântica. Depois, sua capacidade individualista de sozinho dizer de si e do mundo com a força da própria luz advinda do gênio que o ilumina. E…