Postagens

Mostrando postagens de Novembro 30, 2020

Verlaine e Rimbaud, o abraço maldito

Imagem
  Por Carlos Mayoral   “Dirigirei o teu ódio que me devasta Para o instrumento odioso de teus atentados” Charles Baudelaire, “Benção”, As flores do mal , 1857 Rimbaud e Verlaine. Desenho: Félix Régamey   Bruxelas, 1873. Ele mal tem trinta anos, mas um curtido Paul Verlaine sente o peso de uma vida que ameaça esmagá-lo. Um intelectual conhecido, um homem de bom nome, um burguês famoso, casado em felizes núpcias. Todas essas características, uma por uma, desaparecem do outro lado da retrete em que seu futuro se tornou. Não há Paris que sustente sua intelectualidade, nem sobrenome que a rotule com dignidade. A burguesia o despreza, para dizer o mínimo em favor da própria burguesia. E sua companheira, Mathilde, foi embora antes da penúltima surra. Ele é, para resumir em poucas palavras, um homem destruído.   Dentro do velho motel onde Verlaine se abriga em Bruxelas, não há espaço para o desespero quase doentio que o exauriu por semanas. Olha sua figura nua no espelho e vê o que ele sempre