O amor, saída para o tempo


 Por Tiago D. Oliveira



Só quando terminei a leitura percebi os protestos vindos das panelas em vários prédios ao meu redor. Voltei para o livro, ainda sobre a mesa, e entendi – está tudo ali. Assim, entre a literatura e a realidade, comecei a digerir os versos de O nome do mapa e outros mitos de um tempo chamado aflição, novo livro de Clarissa Macedo, que ainda me levou para deambulações que me desconectaram permitindo-me imaginar como seria se tudo fosse diferente. Depois de polarizar, calmamente, preenchi a mão direita contra o peito, guardei-me em uma respiração mais profunda – faz anos também que o cheiro do peixe invade as paredes, o catre, os sonhos, /[a minha oração. (“Dança”) – para uma aflição mapeada, desmitificada e combatida com a voz da poeta empunhada – eu continuo: persisto,/ de anzol gasto,/ no exercício de dar de comer à mãe, às filhas, às irmãs;(“Dança”) – e entendo que a voz dessa mulher, que é filha, irmã e leitora de seu espaço/ tempo, é o ponto alto deste livro.

Editado pela Ofícios Terrestres no final do ano de 2019, o conjunto de 52 poemas é dividido em duas partes: “Memórias do cotidiano”, com 40 poemas, e “ou um (mini)épico do espanto nos olhos”, com mais 12 poemas na sequência. Um livro sensível que é dedicado a três mulheres que se aproximam também de Clarissa Macedo  por suas trajetórias, exemplos de artistas fortes, mulheres fortes: Carolina Maria de Jesus, Elza Soares e Irina Henríquez, assim sua força é realizada também pela localização de um tempo e seu eco operante. Desde a primeira parte da obra percebemos a grandeza de sua autora, quando o lirismo da poeta mapeia e combate a violência que se espraia sob matrizes seculares e contínuas no país. Ela aqui ensina caminhos, através da estrada de seus versos, enquanto aponta para o presente e para o passado em marcações históricas de dor e diapasão. Olhar para o passado, segunda parte do livro, ao balizar o agora, é uma função social buscada de forma consciente por Clarissa, não era espelhos o que queriam / mas a terra, a terra que lhes foi roubada (I), também quando grafa afiançada, a voz da chacina sempre foi grave (II), ou em, Os escravizados são soltos / mas continuam a doer às levas (VIII), ou, e os novos colonizadores / são mais cruéis dos de antes (“Epílogo”), mostrando assim que a ganhadora do Prêmio Nacional da Academia de Letras da Bahia de Literatura – Poesia 2013, constrói a sua poética diante de um comprometimento que atua e reage de forma imediata e didática na contemporaneidade. A poesia e as adversidades do mundo, indissociáveis.

No passar das páginas a consequência do mundo, esse lugar que ninguém consegue fugir, mas que os poetas digerem e transformam, vai sendo acumulada e entregue:

Ontem havia esperança
Toda a esperança do mundo.
Hoje sou um estilhaço
Um catálogo de dúvidas
E desejo.
(“Faísca”)

Pontuar a dúvida é um reflexo humano, não a negar é para poucos, ferramenta espiritualizada que só amplia o ângulo da visão. A dúvida aqui existe, mas não sabota sua essência, ao contrário, abraça o desejo, faísca de um sentido contínuo a se redesenhar. Na pontuação da poeta, o olhar do outro é o lugar comum que não afeta, digam que perdi:/ que faltei às classes de empreendedorismo, a percepção é barro crítico do poema, que não vou ao shopping / que rasguei os papéis e os comi, a intenção semântica é costurada com a linha dos dias, uma identificação atual, digam que perdi tudo: / a fé, o sonho, o dinheiro que não sobra. No final, a virada é tão comprometida com a beleza quanto com a raiz norteadora que nos defenderá do des/conhecido:

mas amo como se fosse eu o país
essa cavidade aberta
exposta, sangrando até a morte.
(“Faísca”)

A leitura dos poemas reserva momentos em que a afecção, dotada de oportunidades, já que a partir do outro conseguimos uma imagem de nós mais crítica, para que assim notemos o outro como parte de nós também. Desta forma cabe ao poeta explorar uma linguagem e um discurso que construam essa direção. No livro de Clarissa tudo funciona, como essa reflexão, desde o título até os nomes dos poemas. A funcionalidade é parte do mecanismo de produção a guinar o livro trazendo contextos compostos em nomes curtos e simples para os poemas, mesmo para O nome do mapa e outros mitos de um tempo chamado aflição. Tudo funciona paulatinamente como se propõe.



O grau de complexidade do livro se dá principalmente pela sua capacidade de tocar em temas que são tangenciados e explicados no final por um sentimento que é razão de tudo, o amor. A percepção do amor pelos homens:

A amendoeira dos teus óculos
me ensina que o amor entre os seres
é intimidade e navalha
(“Romaria”)

Uma romaria como resposta ao desencanto pelos homens, essa que é justificada pela continuação das marcações. A poeta não desiste de grafar o mundo, ele está nela, em sua poesia, como um amor no ciclo de um dia futuro, uma ação pretérita imperfeita:

Não teve na vida
pessoa que a inspirou:
mãe, pai, tio, avô

o que teve
foi um dedo apontado
na verruga mais triste
na ferida mais velha.
(“Clichê”)

E a partir de pequenos oratórios o leitor vai construindo uma imaginação verossímil que refunda antigos lugares ao passo em que também os reafirma:

Inábil para tudo no mundo,
nada, nem mesmo viver,
detém o passo de fazer palavras
e sua amargura.
(“Mula”)

O poeta, em seu lugar de deslocamentos, está quase sempre buscando experimentar, diante da poesia, uma vida que se justifique, se reintegre, a ternura necessária para voltar, ficar ou partir:

o afeto é uma longa estrada
onde você fez abrigo e brasa,
um andarilho com destino ao sol.
(“Notas de ternura e verso”)

Depois do livro guardado na estante, fica a certeza de versos medidos pela reverberação após as horas, o esmero de Clarissa Macedo ao lapidar cada oração em ações proativas, versos conjugados com afeto e a seriedade de quem flexiona a vida. Fica nítida uma saída para os dias atuais, O nome do mapa e outros mitos de um tempo chamado aflição, talvez a única que resiste ainda depois da entrega, o amor. Só o amor, o amor pela palavra, pelas pessoas, pelo país, o amor é saída para o tempo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ateneu, de Raul Pompeia

Biografia involuntária dos amantes, de João Tordo

Desvio, de Juan Francisco Moretti

Notas para uma definição do leitor ideal, de Alberto Manguel

“Mais uma madalena, por favor!”

Vivos na memória, de Leyla Perrone-Moisés