Postagens

Mostrando postagens de Julho 27, 2020

Os felizes anos 20 de Virginia Woolf

Imagem
Por Nuria Azancot


A segunda metade da década de 1920 foi a mais alegre para Virginia Woolf (1882-1941), a mais proveitosa e satisfatória, que a fez escrever no seu Diário, em 8 de abril de 1925, que estava superando sua depressão e não se sentia mais “inclinada a tirar meu chapéu diante da morte”. Dias depois, insistiria em sua felicidade: “L. [Leonard, seu companheiro] e eu estávamos tão, tão felizes que, como dizem, se eu tivesse que morrer naquele momento etc. ... Ninguém será capaz de dizer de mim que não havia conhecido a perfeita felicidade”. No entanto, ninguém procure o segredo dessa exaltação em algo complicado ou valioso. Como a própria Virginia detalha, ela amava “a vida de Londres no começo do verão: andar despreocupadamente e rondar pelas praças e, além disso, se meus livros [...] tiveram sucesso”. Ele também sabia que haveria dias sombrios, de profunda melancolia, críticas negativas e invejosas, mas havia descoberto que com algo tão simples como “ter 3 libras para compra…