“Ridendo castigat mores” – Gil Vicente, o pai do teatro português



Todo o Mundo – folgo muito d’enganar e mentir nasceu comigo.
Ninguém – Eu sempre verdade digo sem nunca me desviar.
(Berzebu para Dinato)
Berzebu – Ora escreve lá, compadre. Não sejas tu preguiçoso!
Dinato – Quê?
Berzebu – Que Todo o Mundo é mentiroso e Ninguém diz a verdade.

(Gil Vicente, Auto da Lusitânia)


Não é redundante afirmar que o caráter da literatura, dentre vários outros, é o do desvelo para com as questões que regem a realidade empírica. Mas do que isso é o teatro de Gil Vicente. Ao passo que figura o desvelo, figura também certa “denúncia” da sociedade da qual fazia parte. Uma sociedade predominantemente voltada aos ricos e à marginalização dos pobres. Uma sociedade que até hoje permanece abarcada pela hipocrisia.

Mesmo sendo incertas as datas de seu nascimento e morte, é sabido que Gil Vicente viveu durante o reinado de D João II. Testemunhou a aventura portuguesa das grandes navegações e grandes descobertas ultramarinas. Muitos de seus autos e peças foram encenados na corte de D Manuel. O autor contava com a proteção da Rainha Velha, Dona Leonor. Aqui, reside a façanha de Gil Vicente: “falar mal” do espaço social, cujo principal responsável pelo caráter da hipocrisia era o palácio real. A forma singular com que Gil Vicente fez é o que garantia esse “protecionismo”. A Corte era mesma analfabeta. Não tinhas os olhos para a essência da arte, apenas para sua superfície.

Da leitura de suas obras, além deste caráter predominantemente desvelar, embora não se dê para extrair muitas informações sobre a vida que levou e sobre a educação que recebeu, percebe-se que Gil Vicente foi educado muito provavelmente no seio da cultura humanística.

Obra

Como se é praxe às obras literárias, muitos têm sido os que tentaram organizar a obra vicentina em fases ou em gêneros. O primeiro a tentar isso foi seu filho num texto Compilaçam de todalas obras de Gil Vicente. Porém, adotemos nesse caso a classificação mais comum apresentada pela maioria dos críticos e estudiosos da sua obra. Por esta, depreende-se que a obra vicentina está composta por:

- autos pastoris – gênero em que se agrupam algumas obras do autor. As peças aqui geralmente têm caráter religioso e profano;

- autos de moralidade – gênero em que Gil celebrizou-se. É dessa leva a trilogia das barcas, conhecidamente pelo Auto da barca do inferno, Auto da barca do purgatório e Auto da barca da glória). O caráter desses textos de Gil Vicente é estritamente alegórico, representações dos vícios e virtudes humanas;

- farsas – gênero em que predominam tipos populares e desenvolvem-se questões em torno da problemática social. Dentre as farsas vicentinas, destaquem-se a Farsa de Inês Pereira que conta a história de uma jovem que vê no casamento a sua chance de ascensão social e a Farsa do velho da horta, em que o autor ridiculariza a paixão de um velho casado por uma jovem virgem.

Todos os textos que compõem o corpo de sua obra partem de situações modelares, comuns ao público que lhe assistia. Ainda que fortemente marcado pelo fosso das ideias religiosas, identificam-se estes textos com os da leva do Humanismo Português – período literário introduzido em Portugal ainda no reinado da Dinastia de Avis (1385 – 1580).

Sem fazer distinção entre as classes sociais, o teatro vicentino celebrizou-se por colocar no centro da cena críticas a ricos e pobres, nobres e plebeus. Em textos como Auto da barca do inferno, o autor denuncia os exploradores do povo em figuras com o fidalgo, o sapateiro e o agiota, além da Igreja – seu, digamos, “alvo” central não apenas neste texto, mas noutros da leva produzidos pelo autor. Via de regra seus textos compõem um painel animado da sociedade portuguesa da época, com o caráter de ao denunciar a hipocrisia aí reinante, recuperar o que considerava serem as virtudes humanas.

Há muito da obra de Gil Vicente em língua espanhola e que ainda não tivemos acesso. Um exemplo, mas esta está nas livrarias desde 2007, é o Auto da sibila Cassandra. Escrito por volta de 1513 em homenagem à rainha D. Leonor, a trama gira em torno das sucessivas recusas da bela sibila Cassandra em casar-se com Salomão, o próprio rei bíblico, isso porque é de sua convicção que o casamento lhe trará desgosto e quer manter-se virgem por acreditar estar destinada a uma graça divina: ser a mãe de Jesus. A edição é publicada pela Cosac Naify com tradução e organização dos professores Orna Levin e Alexandre Carneiro (da Universidade de Campinas). 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão