Arthur Miller, a consciência do teatro estadunidense do pós-guerra

Por Juan Bravo


“Considero o teatro um negócio sério, que faz ou deveria fazer o homem mais humano, isto é, menos sozinho”. São palavras de Arthur Miller, um dos grandes dramaturgos do século XX – “o melhor”, escreveu o tcheco Vaclav Havel. Nasceu em Nova York, a cidade que serviu de inspiração para toda sua obra, no dia 17 de outubro de 1915. 

Em seu legado figura um punhado de obras para o teatro que marcaram o futuro da cena internacional: “Todos eram meus filhos”, “A morte de um caixeiro-viajante”, “As bruxas de Salém”, “Um panorama visto da ponte”, “O preço”, as que deram origem ao roteiro do filme Os desajustados. O mesmo se pode dizer de sua vida pessoal, marcada pelas relações com figuras como Marilyn Monroe e com a fotógrafa Inge Morath.

Arthur Miller é o “grilo falante” na consciência estadunidense do pós-guerra, um dos mais precisos dissecadores da alma humana e um hábil fabulador de histórias. Sua máquina de escrever se aloja na consciência como se fosse um bisturi. “Fala sobre tua aldeia e pintarás o mundo”, escreveu Liev Tolstói. Arthur Miller contou as misérias de seus vizinhos – um caixeiro-viajante, o dono de uma fábrica, um estivador. Em seu teatro há ecos de Ibsen e do naturalismo, e o autor forma, junto com Eugene O’Neill e Tennessee Williams, a trindade do teatro estadunidense do século XX.

Os pais de Miller eram os judeus poloneses Isidore Miller e Agusta Bernett; eram ligados à indústria têxtil e tinham uma vida confortável até a Grande Depressão de 1929 e com ela a ruína. De Manhattan tiveram que se mudar para o Brooklyn, e Arthur Miller precisou começar a trabalhar para ajudar com as despesas de casa e depois manter-se no curso de jornalismo na Universidade de Michigan. Foi na faculdade onde começou a escrever. Suas primeiras obras teatrais, “No villain” e “Honors at Dawn”, obtiveram vários prêmios, o que o estimulou a dedicar-se definitivamente a escrita.



Passou a ganhar a vida escrevendo roteiros para séries de rádio. Em novembro de 1944 conseguiu estrear na Broadway pela primeira vez. A obra, no entanto, “The man who had all the luck”, teve muitas críticas negativas e esteve só quatro dias em cartaz. Mas, teve sorte com a estreia seguinte, em Nova York: “Todos eram meus filhos”, em 1947; antes havia publicado, também com êxito, seu romance Foco, em 1945.

“Todos eram meus filhos ficou em cartaz dez meses seguidos e marcou a primeira colaboração de Arthur Miller ao lado de Elia Kazan, com quem estaria junto, de uma forma ou de outra, durante muito tempo. O cineasta não apenas dirigiu algumas das principais obras do dramaturgo – além da citada “A morte de um caixeiro-viajante” (1949) e “Depois da queda” (1964) – também compartilhou ideias e seu amor por Marilyn Monroe (mas nessa empreitada Miller foi quem se sobressaiu e já dissemos o porquê).

Depois, os dois estiveram envolvidos no processo de Caça às Bruxas levado a cabo nos Estados Unidos de Joseph McCarthy; os dois foram investigados pela Comissão do Senado presidida por essa figura marco na vergonha política daquele país. Enquanto Arthur Miller se negou a revelar os nomes dos membros do círculo literário suspeito de coadunar com o comunismo, Elia Kazan posicionou-se como entreguista – foi a maneira achada por ele a fim de continuar carreira cinematográfica, conforme alegou mais tarde. Miller não; via tudo aquilo como perseguição e teatro e teatralizou também. Teve o passaporte retido e em 1957, num golpe de atuação, precisou se declarar culpado por desacato, embora um ano depois essa sentença tenha sido revogada. A amizade entre Miller e Kazan nunca mais voltou a ser a mesma.

E, em 1953, estreou “As bruxas de Salém”, baseada numa história verídica acontecida em Massachussets no século XVII, mas que era, na verdade, uma clara alegoria contra a outra caça às bruxas, da qual ele próprio havia sido personagem. Essa talvez seja sua obra mais conhecida, graças ao sucesso nos palcos mais sua adaptação para o cinema em 1996.

Depois, Miller escreveu ainda outras obras notáveis, como as já citadas “Um panorama visto da ponte” (1955), “Depois da queda” (1964) e “O preço”; o roteiro de Os desajustados foi escrito em 1960. E foi o casamento com Marilyn Monroe, a grande estrela do cinema nos anos 1950, o que converteu o já famoso dramaturgo nova-iorquino na personagem da vez. O estranho casal cumpriu as bodas em 29 de junho de 1956, quando a poucos dias Miller havia se divorciado de sua primeira companheira, Mary Grace Slattery, com quem se casou nos anos 1940 e teve dois filhos, Jane Ellen e Robert.

Arthur Miller e Marilyn Monroe, San Shaw, 1967

Com Marilyn Monroe cumpriam um estranho casal porque o desfecho da própria história da união comprova isso; se foi rápido assumir o compromisso, rápido também veio o divórcio: cinco anos depois. Era 1961 e a separação aconteceu alguns dias antes da estreia de Os desajustados, que a atriz protagonizava com Clark Gable e Montgomery Clift.

O tempo de solteiro foi novamente curto: no ano seguinte, casou-se com a fotógrafa Inge Morath, com quem teve outros dois filhos, Rebecca e Daniel. Este nasceu com Síndrome de Down e foi isolado numa instituição pública; Miller negou o filho, nunca falou publicamente sobre ele e só o reconheceu em seu testamento redigido poucos anos antes de sua morte em 10 de fevereiro de 2005. Nos últimos anos de vida, viveu com a pintora Agnes Barley, cinquenta e cinco anos mais nova que ele.

A obra de Miller foi bastante reconhecida em vida; entre os prêmios que figuram, o outorgado pelo Royal National Theatre como maior dramaturgo do século, o Príncipe de Astúrias, o New York Drama Critics Circle Award, e vários prêmios Tony de teatro, Emmy de televisão, dois prêmios Pulitzer, a medalha de ouro do National Institute of Arts and Letters e o Prêmio Jerusalém, o mais importante antes do Nobel.

Ligações a esta post:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

Os diários de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #246