Arthur Miller, a consciência do teatro estadunidense do pós-guerra

Por Juan Bravo


“Considero o teatro um negócio sério, que faz ou deveria fazer o homem mais humano, isto é, menos sozinho”. São palavras de Arthur Miller, um dos grandes dramaturgos do século XX – “o melhor”, escreveu o tcheco Vaclav Havel. Nasceu em Nova York, a cidade que serviu de inspiração para toda sua obra, no dia 17 de outubro de 1915. 

Em seu legado figura um punhado de obras para o teatro que marcaram o futuro da cena internacional: “Todos eram meus filhos”, “A morte de um caixeiro-viajante”, “As bruxas de Salém”, “Um panorama visto da ponte”, “O preço”, as que deram origem ao roteiro do filme Os desajustados. O mesmo se pode dizer de sua vida pessoal, marcada pelas relações com figuras como Marilyn Monroe e com a fotógrafa Inge Morath.

Arthur Miller é o “grilo falante” na consciência estadunidense do pós-guerra, um dos mais precisos dissecadores da alma humana e um hábil fabulador de histórias. Sua máquina de escrever se aloja na consciência como se fosse um bisturi. “Fala sobre tua aldeia e pintarás o mundo”, escreveu Liev Tolstói. Arthur Miller contou as misérias de seus vizinhos – um caixeiro-viajante, o dono de uma fábrica, um estivador. Em seu teatro há ecos de Ibsen e do naturalismo, e o autor forma, junto com Eugene O’Neill e Tennessee Williams, a trindade do teatro estadunidense do século XX.

Os pais de Miller eram os judeus poloneses Isidore Miller e Agusta Bernett; eram ligados à indústria têxtil e tinham uma vida confortável até a Grande Depressão de 1929 e com ela a ruína. De Manhattan tiveram que se mudar para o Brooklyn, e Arthur Miller precisou começar a trabalhar para ajudar com as despesas de casa e depois manter-se no curso de jornalismo na Universidade de Michigan. Foi na faculdade onde começou a escrever. Suas primeiras obras teatrais, “No villain” e “Honors at Dawn”, obtiveram vários prêmios, o que o estimulou a dedicar-se definitivamente a escrita.



Passou a ganhar a vida escrevendo roteiros para séries de rádio. Em novembro de 1944 conseguiu estrear na Broadway pela primeira vez. A obra, no entanto, “The man who had all the luck”, teve muitas críticas negativas e esteve só quatro dias em cartaz. Mas, teve sorte com a estreia seguinte, em Nova York: “Todos eram meus filhos”, em 1947; antes havia publicado, também com êxito, seu romance Foco, em 1945.

“Todos eram meus filhos ficou em cartaz dez meses seguidos e marcou a primeira colaboração de Arthur Miller ao lado de Elia Kazan, com quem estaria junto, de uma forma ou de outra, durante muito tempo. O cineasta não apenas dirigiu algumas das principais obras do dramaturgo – além da citada “A morte de um caixeiro-viajante” (1949) e “Depois da queda” (1964) – também compartilhou ideias e seu amor por Marilyn Monroe (mas nessa empreitada Miller foi quem se sobressaiu e já dissemos o porquê).

Depois, os dois estiveram envolvidos no processo de Caça às Bruxas levado a cabo nos Estados Unidos de Joseph McCarthy; os dois foram investigados pela Comissão do Senado presidida por essa figura marco na vergonha política daquele país. Enquanto Arthur Miller se negou a revelar os nomes dos membros do círculo literário suspeito de coadunar com o comunismo, Elia Kazan posicionou-se como entreguista – foi a maneira achada por ele a fim de continuar carreira cinematográfica, conforme alegou mais tarde. Miller não; via tudo aquilo como perseguição e teatro e teatralizou também. Teve o passaporte retido e em 1957, num golpe de atuação, precisou se declarar culpado por desacato, embora um ano depois essa sentença tenha sido revogada. A amizade entre Miller e Kazan nunca mais voltou a ser a mesma.

E, em 1953, estreou “As bruxas de Salém”, baseada numa história verídica acontecida em Massachussets no século XVII, mas que era, na verdade, uma clara alegoria contra a outra caça às bruxas, da qual ele próprio havia sido personagem. Essa talvez seja sua obra mais conhecida, graças ao sucesso nos palcos mais sua adaptação para o cinema em 1996.

Depois, Miller escreveu ainda outras obras notáveis, como as já citadas “Um panorama visto da ponte” (1955), “Depois da queda” (1964) e “O preço”; o roteiro de Os desajustados foi escrito em 1960. E foi o casamento com Marilyn Monroe, a grande estrela do cinema nos anos 1950, o que converteu o já famoso dramaturgo nova-iorquino na personagem da vez. O estranho casal cumpriu as bodas em 29 de junho de 1956, quando a poucos dias Miller havia se divorciado de sua primeira companheira, Mary Grace Slattery, com quem se casou nos anos 1940 e teve dois filhos, Jane Ellen e Robert.

Arthur Miller e Marilyn Monroe, San Shaw, 1967

Com Marilyn Monroe cumpriam um estranho casal porque o desfecho da própria história da união comprova isso; se foi rápido assumir o compromisso, rápido também veio o divórcio: cinco anos depois. Era 1961 e a separação aconteceu alguns dias antes da estreia de Os desajustados, que a atriz protagonizava com Clark Gable e Montgomery Clift.

O tempo de solteiro foi novamente curto: no ano seguinte, casou-se com a fotógrafa Inge Morath, com quem teve outros dois filhos, Rebecca e Daniel. Este nasceu com Síndrome de Down e foi isolado numa instituição pública; Miller negou o filho, nunca falou publicamente sobre ele e só o reconheceu em seu testamento redigido poucos anos antes de sua morte em 10 de fevereiro de 2005. Nos últimos anos de vida, viveu com a pintora Agnes Barley, cinquenta e cinco anos mais nova que ele.

A obra de Miller foi bastante reconhecida em vida; entre os prêmios que figuram, o outorgado pelo Royal National Theatre como maior dramaturgo do século, o Príncipe de Astúrias, o New York Drama Critics Circle Award, e vários prêmios Tony de teatro, Emmy de televisão, dois prêmios Pulitzer, a medalha de ouro do National Institute of Arts and Letters e o Prêmio Jerusalém, o mais importante antes do Nobel.

Ligações a esta post:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas