Waslala: memorial del futuro, de Gioconda Belli



A obra tem como cenário a mesma Fáguas, projetada em um tempo futuro. A ação acontece em meados do século XXI, e a situação do país apresenta uma considerável deterioração. O mundo está dividido em dois grandes blocos: os países desenvolvidos e os subdesenvolvidos. Os países subdesenvolvidos, como Fáguas, têm como função precípua fornecer oxigênio - o que deveria demandar um cuidado especial na preservação do meio ambiente - e receber lixo produzido pelos países desenvolvidos - o que implica deterioração do meio ambiente.

Em Fáguas, a guerra é endêmica, e as pessoas nem sabem mais por que lutam. Nesse cenário, proliferam contrabandistas, traficantes de armas tornadas obsoletas no primeiro mundo, que estimulam as disputas entre facções rivais e traficantes de drogas, já que no país há grandes plantações de "filina", produto híbrido de marijuana e cocaína, propriedade dos irmãos Espada, tiranos locais.

As fronteiras do país se desvaneceram; como nação, Fáguas não existe mais. Apenas as populações ribeirinhas conseguem sobreviver em relativa paz, pois o rio foi declarado zona neutra. Essas populações vivem da sucata e do lixo que vêm em grandes barcaças: restos de aparelhos eletroeletrônicos, de aviões, de carros, de computadores, enfim, de toda a infinidade de objetos que compõe o cotidiano das pessoas dos países desenvolvidos. O maior problema em relação ao lixo são os resíduos tóxicos que estão misturados aos objetos reaproveitados pela população, causando-lhe profundos danos e mesmo a morte.

Tendo-se tornado uma lixeira para o primeiro mundo, é natural que a ideia de utopia prospere, como um mecanismo de defesa. Surge então Waslala, a última utopia, não apenas sonho de cada habitante de Fáguas, mas uma obsessão coletiva, embora pouquíssimas pessoas tivessem tido o privilégio de lá estar por algum tempo e atestar sua existência efetiva. Isso significa que o mito de Waslala adquire dimensões, tanto particulares quanto universais, o que torna um arquétipo utópico.

É dom José, avô de Melisandra, heroína do relato, e um dos fundadores de Waslala, que, diante da insistência da neta em partir, a fim de encontrar seus pais, revela a ela e a Rafael o mistéiro desse local.

[...] me uni a un grupo de poetas que, a partir de un método distinto, recurriendo a las possibilidades de la imaginación, de la mitologia acumulada, de la experiencia colectiva encontrada en la literatura humanista y en la poesia de todos los tiempos, se proponían crear un modelo de sociedad totalmente nuevo y revolucionario y concedía a cada individuo la responsabilidad de la comunidad. (BELLI, 1997, p.59)

Há semelhanças entre a sociedade descrita por dom José e a Utopia, de Thomas More, no repúdio à dominação e no privilégio ao princípio de igualdade, da mesma forma que propõe uma sociedade sem classes e sem propriedades. Inclusive a personagem masculina, Rafael, possui o mesmo nome do herói de More, fato que é ressaltado por dom José. Também o ancião se refere a Waslala como "el lugar que no es" (BELLI, 1997, p.41), utilizando a definição de utopia.

Dentro da perspectiva de um mundo pós-moderno, não há mais lugar para a poesia, por isso Waslala foi fundada por um grupo de poetas, pessoas que valorizavam a leitura, a utilização artística da palavra, tornando-se a linguagem, novamente, instrumento de libertação.

[...]

Outro aspecto importante refere-se à perda da faculdade imaginativa e da capacidade de sonhar os próprios sonhos, pois Waslala existe na imaginação. Assim, a dificuldade de transpor a atividade cotidiana para o plano ideal iviabiliza a realização da utopia.

É Melisandra a personagem que consegue chegar a Waslala, onde encontra a mãe, única sobrevivente desse lugar que não é. Muitos buscam esse local, mas quem consegue encontrá-lo, localizando a passagem secreta entre o tempo e o espaço, é uma mulher sonhadora. Isso ocorre porque Melisandra dispõe de uma motivação peculiar: as histórias do avô, um dos fundadores de Waslala, e a busca a seus pais, que a abandonaram, a fim de encontrar essa terra. São essas questões não-solucionadas na vida da jovem que a impulsionam em sua busca particular. No momento adequado, deixando o avô e a administração da fazenda, ela parte para cumprir sua missão. Além disso, dispõe de intuição que a conduz ao local exato onde se encontra toda a vida para resolver o conflito existencial que sempre a envolvera: desvendar o mistério de sua origem.

Nota: Fáguas é também o cenário para A mulher habitada, de Gioconda Belli.

* Este é um fragmento de Literatura e gênero: a construção da identidade feminina, de Cecil Jeanine Albert Zinani. A obra é um apanhado sobre as questões da formação da identidade pessoal e de gênero do sujeito feminino tomando por base a leitura da obra A mulher habitada, de Gioconda Belli.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268