Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

A costa dos murmúrios, de Lídia Jorge

Por Pedro Fernandes


Não dá para reduzir esse livro a determinados rótulos, como os de romance pós-colonial ou romance denúncia ou ainda romance acerca da condição feminina. Ele é isso, mas não somente. Figura entre os da produção literária da portuguesa Lídia Jorge como o mais conhecido; tanto que chegou a ser adaptado para o cinema pela Margarida Cardoso.

Seu enredo de construção fragmentária e com variações no tom da narrativa - ora em primeira, ora em terceira pessoa - A costa dos murmúrios reduz-se já no texto-conto que lhe abre sugestivamente intitulado por "Gafanhotos" e com epígrafe do poeta e jornalista moçambicano Álvaro Sabino. Em "Gafanhotos", que narra o casamento de Evita, somos apresentados ao cenário e às personagens principais do romance. É também nesse introito que se instala a atmosfera paralisada que se mantém no decorrer da narrativa.

É do Stella Maris, um hotel de luxo de Beira, Moçambique, onde se dá toda a trama. Desde então, sabemos que o Moçambique por debaixo do Stella Maris é o Moçambique de fim dos anos 1960 no centro de um conflito colonial, no período ainda em que os portugueses instauram uma carnificina em nome do domínio de sua colônia. O fato é que o leitor não será, em momento algum, confrontado com o espaço heróico da frente de batalha. Do contrário. Todos os acontecimentos são mostrados pelo olhar da Evita, personagem isolada em si e isolada, de certo modo, do universo real onde se processam os acontecimentos de guerrilha. O que não impede, e isso está claro, que a visão aí processada seja menos cruel da que possivelmente seria se fosse o campo de batalha o universo central da narrativa.

Nesse instante, devo fazer um parêntese para antecipar ou esclarecer duas coisas: uma, é que numa guerra, não é apenas feita pelos que participam diretamente dos confrontos, mas é, e talvez, sobretudo, por aqueles que ficam distante dela. No romance, mulheres e famílias inteiras que saíram de seus espaços de origem para acompanhar seus maridos soldados numa imposição um tanto quanto ferrenha imposto pelo regime ditatorial (todas vivem em função dos maridos, à espera, no crochê, pelos cabelos passados a ferro...) Outra coisa, a segunda, é que Lídia Jorge foge de quaisquer esteriótipo de uma escrita feminina-feminista como ainda insistem algumas considerações ultrapassadas. A linguagem da violência não é aí apresentada de forma nem de forma amena, como se a escritora quisesse varrer para debaixo do tapete a sujeira histórica. Não. O retrato dos massacres e da matança indiscriminada de blacks - como são chamados os negros africanos - é só um exemplo disso que acabei de afirmar.

Ao casar-se com Luís, se não um matemático de nome, mas um estudante de matemática com futuro um tanto quanto promissor, Evita não imaginaria que ele fosse inserir-se nas forças armadas e ir ter em África lutar em nome de uma causa escusa. Com a desculpa de que nas forças armadas teria melhor condição de resolver sua questão financeira e consequentemente não desvincular da matemática, o que Evita vê é o total apagamento da figura do Luiz por uma admiração no seu extremo limite, pelo seu comandante. Não se trata de nenhuma atração homoafetiva. Longe disso. Ou antes fosse isso. Mas, a paixão do Luís é outra: é pelo status e pelo poder que a presença do Forza Leal impõe a todos. Tanta admiração findará em nada. Luís - e isso ficamos sabendo no "Gafanhotos" é assassinado pelos próprios da sua corja.

Viúva, Evita se dará ao "trabalho" de entender esse complexo cenário, compondo desde então, um gesto que é o de descoberta de sua própria lucidez nesse cenário tresloucado. Gesto significativo será o seu despir-se do "Evita" para ser tratada por "Eva" e o distanciamento que vai ocupando em relação ao seu recente marido - de "Luís" para "o noivo".

A costa de murmúrios firma-se pelo detalhe. Pelas curvas da memória. Pela busca de identidade que é um indivíduo, mas é também de um povo. A sua sintaxe é arma de reflexão sobre a humanidade e sua capacidade - um tanto quanto extraordinária - de perder-se em nome da dominação e do poder.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Boletim Letras 360º #308

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas