Boletim Letras 360º #52

Safo (possivelmente). Pesquisadores chegaram a fragmentos de dois poemas inéditos
da poeta. Mais detalhes ao longo deste boletim.


Alcançamos pela segunda vez consecutiva um lugar entre os 100 melhores blogs de Literatura do Brasil. Mas isto ainda é pouco, para uma rede que a cada dia se enche de novos e simpáticos amigos. A segunda etapa do Prêmio TOPBLOG 2013 pede que novamente a simpatia se converta em votos. E cada um pode com três cliques nos dá dois votos: um via Facebook e outro via e-mail. O terceiro clique é para não se esquecer de ir ao e-mail e efetuar a confirmação. Podemos, de novo, contar com vocês? Basta clicar no ícone do TOPBLOG logo aí à esquerda do monitor. Depois disso, volta para dá uma espiada no que foi notícia durante esta semana em nossa página no Facebook.


Segunda-feira, 10/02

>>> Estados Unidos: Descoberto fragmentos de dois poemas inéditos da poeta Safo

Os fragmentos estão num papiro de um colecionador particular anônimo; o documento remonta ao século 3 d.C. As conclusões de autoria parte do Professor Dirk Obbink, um classicista da Universidade de Oxford. Um artigo a ser publicado numa revista acadêmica até meados deste ano trará o desenvolvimento da pesquisa e os poemas, embora o The Guardian tenha se apressado e apresentado uma versão online de um dos poemas. O primeiro dos dois poemas menciona "Charazos" e "Larichos", os nomes dados aos irmãos de Safo na tradição antiga. O segundo poema é um fragmento de uma peça sobre o amor não correspondido. Esta descoberta acrescenta muito para o que se sabe sobre Safo, cuja obra, em sua maior parte, se constitui de fragmentos de escritos sobre papiro antigo e através de citações de outros autores. Safo nasceu em cerca de 630 a.C. e ela é conhecida por seu verso lírico delicado, que muitas vezes é dirigido a um público feminino. O poema publicado pelo The Guardian está aqui.

>>> Brasil: Pessoa repaginada

A Revista Pessoa amplia sua atuação em março com o lançamento, na Amazon, de e-books. O primeiro reunirá os poemas publicados na seção Fingimento e inéditos. Entre os autores, nomes já consagrados como o português Manuel Alegre e Victor Heringer. Haverá, ainda, poemas de Adriana Lisboa, Moacir Amâncio e Mariana Ianelli... Pensa-se numa homenagem a Donizete Galvão, morto este mês. Depois virá um volume de prosa. Outras duas coleções estão sendo criadas por Luiz Ruffato e Maria Valéria Rezende. A editora executiva Mirna Queiroz deixa o dia a dia da publicação para se dedicar à direção da editora e da revista. O escritor Carlos Henrique Schroeder é o novo editor, e chega com a missão de atrair mais jovens. Schroeder convidou alguns profissionais e já criou novas seções para a revista: Luiz Nadal fará perfis de escritores lusófonos em “Autopsicografia”; Juliana Gomes fará um guias de sites na seção “Todas as cousas que há neste mundo”; Victor Heringer vai cuidar de “Milímetro”, com crônicas, entrevistas e apresentação de novos poetas; Victor da Rosa será responsável por “Não me importo com as rimas”, com crítica e estudos; Bolívar Torres e Rafael Monte farão, em “Os Colombos”, uma espécie de baú, falando sobre escritores que desapareceram ou foram eclipsados pela crítica; por fim, em “Palavra de Poeta” um grande poeta indica seu poema predileto e a revista indica um poema do poeta que indicou. Para acesso à revista, clique aqui.



Terça-feira, 11/02

>>> Espanha: O trabalho, uma as obsessões de Pablo Picasso é tema de exposição

"Picasso en el taller" está aberta ao público até o dia 11 de maio na Fundação Mapfre de Madrid, na Espanha. Entre os trabalhos reunidos para a mostra 80 telas, 60 desenhos, 20 fotografias e toda uma sorte de trabalhos. A mostra toma por base a relação do artista com o trabalho e as modelos.

>>> Inglaterra: Um ano para William Shakespeare

1. Tivemos a oportunidade de comentar por aqui sobre a reabertura do The Globe, tal como fora concebido pela companhia de teatro de William Shakespeare. No dia dos 450 anos do dramaturgo inglês, 23 de abril, neste palco uma releitura de Hamlet. Como numa espécie de cut-up, a peça percorre 250 países por onde a peça mais conhecida de Shakespeare já foi encenada. 2. A Royal Shakespeare Company por sua vez, apresenta Os dois cavalheiros de Verona e Sonho de uma noite de verão já há algum tempo em turnê pela Inglaterra. 3. O grupo editorial Penguin publicará até 2016 uma coleção com reinterpretações de obras de Shakespeare produzidas a partir de importantes nomes da literatura como Margaret Atwood, Howard Jacobson, Jeanette Winterson, Anne Tyler, Jo Nesbø... 4. E o cinema novamente fará as honras para uma leitura do dramaturgo: ainda este ano sai Macbeth, de Justin Kurzel, protagonizada por Michael Fassbender.


Quarta-feira, 12/02

>>> Brasil: Raduan Nassar para inglês (e mexicano) ler

Um copo de cólera e Lavoura arcaica, publicados no Brasil pela Companhia das Letras serão traduzidos para o inglês e devem sair em breve pela Penguin. A obra de Raduan Nassar também receberá publicação em espanhol; no México, os dois títulos mais Menina a caminho.

>>> Estados Unidos: Editora DreamWorks

Responsável por animações de sucesso como Shrek, Kung Fu Panda, Madagascar e Como treinar seu dragão, o até então estúdio diz que vai começar a publicar livros em papel, e-book e aplicativos, ao invés de licenciar a marca, como vinha fazendo.


Quinta-feira, 13/02

>>> Estados Unidos: O fotógrafo Allen Ginsberg

Ainda esta semana comentamos acerca do trabalho fotográfico de William S. Burroughs; outro ícone da geração beat também era um exímio fotógrafo. Registrou como ninguém a vida urbana e cultural de Nova York e também de outros lugares por onde passou. Suas fotos retratam cenas de sua própria vida e do convívio com outros escritores e artistas, entre eles Bob Dylan, Jack Kerouac, John Cage, William de Kooning, Paul McCartney, Patti Smith, William Burroughs e Iggy Pop. Boa parte deste material (cerca de 8 mil fotos feitas entre 1944 e 1997) foi reunido pela Larry & Cookie Rossy Family Foundation e está sendo doado para a biblioteca de “special collections” do Centro de Artes da Universidade de Toronto (UTAC), famoso por seu grande acervo de manuscritos, fotos e outros materiais e por ser a maior biblioteca de livros raros do Canadá e uma das maiores do mundo. Várias imagens já foram digitalizadas e estão no Flickr daThomas Fisher Rare Book Library do UTAC.


Sexta-feira, 13/02

>>> Itália: Única novela de Charles Chaplin, Footlight, que inspirou o filme Luzes da ribalta, é publicada pela primeira vez

Depois de mais de 60 anos ter sido escrita. O material estava na Cinemateca de Bolonha, responsável pela digitalização do acervo de Chaplin e por esta edição, e foi compilado por David Robinson, biógrafo do diretor, para quem o livro não foi escrito com a intenção de ser publicado. Chaplin escreveu o livro em 1948, quatro anos antes do filme e antes de ser obrigado a deixar os Estados Unidos no início dos anos 1950 por causa da perseguição incessante de Edgar Hoover, diretor do FBI, por considerá-lo simpatizante comunista. De acordo com detalhes divulgados por Robinson, a história conta com personagens semelhantes aos de Luzes da ribalta, o comediante alcoólatra e aposentado, Calvero (Chaplin), e a dançarina Theresa (Claire Bloom), que o salva do suicídio. O romance de Chaplin aprofunda ainda mais no estado emocional dessas duas personagens e ajuda a entender a personalidade do diretor de cinema antes de seu exílio na Europa.

>>> Inglaterra: A Londres literária; a Londres imaginária

O projeto CurioCity, dedicado desde 2011 a criar os mapas mais rebuscados de Londres lançou o Número F. Mesmo que Londres não tenha tantos personagens de ficção como habitantes, é quase certo que a literatura e o cinema terão convertido um inabarcável universo literário onde convivem Sherlok Holmes, Clarissa Dalloway, Mary Poppins ou Bridget Jones. Os quatro jovens idealizadores do projeto já criaram um mapa das estrelas de Londres e uma anatomia da cidade sobre um corpo dissecado. Agora, sobre uma ilustração de Lucie Conoley, nos presenteiam com uma Londres literária num mapa clássico (à primeira vista), que combina artigos e ilustrações que se escondem em dobras imprescindíveis do imaginário. 

>>> Estados Unidos: Um mundo em miniatura sobre livros

Kyle Kirkpatrick é mestre em produzir esculturas utilizando como suporte o livro. O artista cria uma topografia imaginária que nos faz desejar um mundo belo e íntimo, feito de palavras. Kyle está montando sua coleção de fotos no Flickr.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin