Milan Kundera elege uma passagem de A festa da insignificância

Milan Kundera. Foto: Philippe Labro


“A individualidade é uma ilusão!” Isso exclama um dos personagens do esperado romance de Milan Kundera, A festa da insignificância, cuja ideia condensa boa parte da filosofia com que o escritor de origem tcheca vê a vida e em nada diferente daquilo que já está colocado em seus romances, contos e ensaios. E com maior força agora no alto de seus 85 anos, quando o umbigo ocupa um lugar essencial na sua narrativa.

Com este A festa da insignificância, Milan Kundera regressa depois de 14 anos. Volta como se nada tivesse acontecido nesse tempo, com se a conversa deixada com os leitores em A ignorância, romance com o qual recebeu o novo século em 2000, ainda não houvesse sido acabada, ou melhor, como se fosse ontem.

Os temas de seus livros são os mesmos, mas amadurecidos pelo compasso do tempo, e sem perder a essência do que são e significam aspectos como a sexualidade, o erotismo, a maternidade, o desejo, a cultura, sobre as ideias que rondam a existência do ser humano, ideias sobre ser e estar no mundo, a convivência, o tecido fino das relações e das conexões com os demais, em especial, os labirintos concernentes aos sentimentos e emoções. E aqui aparece tudo com mais humor.


É seu décimo romance. Nele, três homens já maduros falam sobre as fontes de sedução feminina e se perguntam  que pode significar que um homem ou uma época privilegie uma ou outra parte do corpo. Fantasias que são realidades, realidades que são sonhos, sonhos que são o espelho real do interior do ser humano.

“Claro, que a uniformidade reina em toda parte. Mas, neste parque, ela dispõe de uma escolha maior de uniformes. Assim você pode guardar a ilusão da sua individualidade”,  insiste Alain, uma nova criatura kunderiana. Uma ilusão que inclui o umbigo. Embora seu exibicionismo tenha aumentado nos últimos anos como um reclame pela diferença e com intenção de despertar desejos no outro com o interesse de formar parte dos ‘lugares excelsos’ eróticos da mulher, assegura Kundera. Ao redor dele, do umbigo, se desenvolve a passagem do romance selecionada pelo próprio escritor para seus leitores.

Mas o umbigo não é para tanto: “O amor, outrora, era a festa do individual, do inimitável, a glória do que é único, daquilo que não suporta nenhuma repetição. Mas o umbigo não só não se revolta contra a repetição, ele é um apelo às repetições! E nós vamos viver, em nosso milênio, sob o signo do umbigo. Sob esse signo, nós somos todos um como o outro, soldados do sexo, com o mesmo olhar fixo não na mulher amada, mas no mesmo pequeno buraco do meio do ventre que representa o único sentido, o único objetivo, o único futuro de todo desejo erótico.”

Seus argumentos forjam em A festa da insignificância o caminho para uma leitura do romance. O umbigo é uma parte do corpo, um caminho, a fazer frente a outros três lugares excelsos do corpo: as coxas, os seios e a bunda.

Para Beatriz de Moura, a tradutora do francês ao espanhol, o romance “é uma desenfadada e esplêndida composição em forma de fuga que se nutre das mais sutis variações em torno do tema que dá título ao livro: ‘A insignificância, amigo’, nos adverte, ‘é a essência da existência. [...] Está presente inclusive ali onde nada quer vê-la’.

Milan Kundera transforma o tema na própria unidade da obra. Faz um pastiche do Best-Seller. Crítica ao sucesso alcançado?

Escreve como se nada, com seus acordes existenciais feitos de literatura, com seus ritmos temáticos feito palavras, com sua musicalidade transcendente, deixasse de ser conectada com a cotidiano do leitor. Cotidiano vazio? Insignificante? Suas obras desde o título parecem assinalar o caminho de uma periferia argumental e não só um espelhismo do real porque o real não é mais o centro de interesse de grande parte do romance. Mas, aí estão desde A lentidão, A vida está em outro lugar, O livro do riso e do esquecimento, A insustentável leveza do ser, A brincadeira, de tudo, condensa-se neste A festa da insignificância.





Ligações a esta post:
>>> Alfredo Monte comenta A festa da insignificância, de Milan Kundera. Leia aqui.

* Notas de Winston Manrique Sabogal a partir da leitura da passagem eleita por Milan Kundera para o jornal espanhol El País. Tradução Livre.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin