Boletim Letras 360º #244

Amigos, esta é a edição da semana que copia as novidades que foram trazidas esta semana na página do Letras no Facebook. Eis o convite para revê-las. 

Mário Peixoto. Uma revista e um evento sublinham o talento e a obra do criador brasileiro. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 06/11

>>> Brasil: Uma antologia para o leitor entrar na obra de Torquato Neto

Ele foi um dos protagonistas do Tropicalismo. Ficou conhecido especialmente por suas composições com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Edu Lobo e Jards Macalé, mas foi também colunista de diferentes jornais: escrevia sobre a arte vanguardista e marginal. Torquato Neto. Essencial é organizado por Italo Moriconi e publicado pela Autêntica Editora. A obra oferece uma amostra do essencial na obra de poeta, reunida a partir de um legado textual disperso e fragmentário, proveniente de diferentes fontes – jornais da grande imprensa e da imprensa alternativa, cadernos pessoais, datiloscritos e manuscritos vários.

>>> Brasil: Depois de uma caixa com a poesia completa, outra com as crônicas que Cecília Meireles escreveu sobre educação

Mais de mil páginas divididas em cinco volumes. Crônicas de educação reapresenta o trabalho de educadora engajada que foi a poeta. Formada pela Escola Normal (Instituto de Educação) do Rio de Janeiro, Cecília começou a exercer, em 1917, o magistério primário em escolas oficiais do então Distrito. Preocupada com o estado da educação no Brasil, sempre militou na área, participando ativamente dos debates acerca das reformas de ensino projetadas na década de 1930. Naqueles instantes decisivos da história brasileira, Cecília passou a colaborar para a seção que o Diário de notícias reservava diariamente para assuntos relacionados a educação. Ela disserta com clareza e profundidade nestes textos sobre temas como política educacional, currículo escolar, métodos pedagógicos, espaço escolar, a formação dos professores e suas atribuições em sala de aula, os desafios do ensino público, o movimento da Escola Nova, as particularidades da infância e da adolescência, o papel da família nos processos de aprendizagem, literatura infantil, entre outros. Cumpre destacar o caráter de escritos de intervenção que estes textos possuem, ao pautarem e proporem soluções para impasses candentes na época e que ainda nos são consideravelmente familiares, demandando a atenção de todos que se interessam pelos desafios do ofício de ensinar.

>>> Brasil: Maria Valéria Rezende ganhou o São Paulo de Literatura por Outros cantos

Maria Valéria Rezende era a única mulher na lista de finalistas que contava com, entre outros, Silviano Santiago, vencedor do Jabuti na semana passada, Bernardo Carvalho e José Luiz Passos. Esta é a segunda conquista literária recente da autora; em 2015, ela foi a grande vencedora do Jabuti por seu romance Quarenta dias. Outros cantos conta a história de Maria, professora do Mobral que, em plena ditadura militar trabalhou com alfabetização de brasileiros no interior do Brasil; a narrativa acompanha a viagem dessa mulher de volta a Olho d’Água 40 anos depois de sua tentativa de primeiro ajudar o povo a refletir sobre sua situação e, depois, a transformar o país.

Terça-feira, 07/11

>>> Brasil: Reedição revista e atualizada do Livro das mil e uma noites

Sai pelo selo Biblioteca Azul, da Globo Livros a tradução de Mamede Mustafa Jarouche. Esta que ficou reconhecida como a primeira tradução integral e direta do árabe para o português, do livro ganha ainda novo projeto gráfico. O Livro das mil e uma noites é uma obra universal que atravessou séculos fazendo parte da cultura do Oriente e do Ocidente. Mais do que um rico repertório de narrativas fantásticas, é também uma homenagem à mulher e um reconhecimento de sua inteligência. Sua heroína, a narradora Sahrazad, é um símbolo da infinita capacidade feminina de contornar situações críticas e de salvar o mundo da ruína. A tradução de Jarouche foi vencedora dos prêmios Paulo Rónai (Fundação Biblioteca Nacional), Jabuti de Melhor Tradução e APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte).

>>> Estados Unidos: Um leilão vende 38 cartas de Harper Lee

A escritora reclusa, que passou décadas sem oferecer sequer uma nesga de detalhe sobre sua vida e avessa às entrevistas, começa a ter sua face revelada. Numa das cartas leiloadas, datada de 20 de jun. de 2009, Harper Lee se refere à posse de Barack Obama como presidente e recorda uma conversa entre Gregory Peck, o ator que interpretou Atticus Finch na adaptação cinematográfica de O sol é para todos, e o ex-presidente Lyndon B. Johnson, em que falavam sobre a possibilidade de os Estados Unidos um dia eleger um presidente negro. "Neste dia me dou conta da sorte que tenho. Também penso noutro amigo, Greg Peck, que era bom amigo de LBJ. Greg lhe disse: 'acreditas que viveremos para ver um presidente negro?' Y LBJ contestou: 'No, mas o desejo boa sorte'", diz a carta. Apesar de reclusa, as cartas revelam que Lee estava atenta ao que diziam sobre ela e sua obra; refere-se, por exemplo, às críticas de Eudora Welty por haver publicado um só livro: "Ouvi uma vez que falou sobre 'o caso Harper Lee', sobre escritores com um só romance. Eu podia ter lhe contestado: 'ao que parece, não necessitei de escrever outra'". As cartas, que foram dirigidas entre 2005 e 2010 à sua amiga Felice Itzkoff, que morreu em Nova York em 2011, foram vendidas com preço muito inferior a outro conjunto de cartas vendidas pela casa Christie's en 2015. A coleção então composta por apenas seis cartas foi vendida por US$ 90 mil; estas, saem com cotação de US$ 10 mil.

Quarta-feira, 08/11

>>> Brasil: Encontro celebra a obra do criador Mário Peixoto

A Revista 7faces apresenta sua nova edição nos dias 13 e 14 de novembro de 2017. É nestes dias quando acontece no Centro Cultural Ibeu, no Rio de Janeiro, o simpósio Mário Peixoto. A poesia que reside nas coisas. No programa, além do número da revista dedicado ao Peixoto, com ensaios, material de espólio e inéditos, são apresentadas várias conferências cujo interesse é realçar a obra e a figura do brasileiro: Geraldo Blay Roizman (da USP), Filippi Fernandes (da UFF / Arquivo Mário Peixoto) e o premiado cineasta Joel Pizzini, estão entre os nomes. O participante ainda poderá ver a exibição de filmes, entre eles, a cópia recém-restaurada pela World Cinema Foundation de Limite, obra-prima de Mário Peixoto e da cinematografia brasileira. Todas as informações estão disponíveis aqui.

>>> Brasil: Ganham edição obras inéditas de Luigi Pirandello por aqui

As mais recentes edições da obra do escritor por aqui são as da Companhia das Letras. O leitor tem agora a chance de ampliar essa biblioteca. No final do mês chega às livrarias uma coletânea que reúne cinco peças do aclamado dramaturgo: O torniquete, Limões da Sicília (1910), A patente (1917), O homem com a flor na boca e O outro filho (1923). A edição sai pela Editora Carambaia. É ilustrada com fotografias de objetos que remetem aos textos e é apresentada num evento dedicado a Pirandello na USP. A tradução é de Maurício Santana Dias. Em 2017 se passam 150 anos do nascimento do italiano.

Quinta-feira, 09/11

>>> Brasil: A poesia da portuguesa Cláudia Lucas Chéu 

Ratazanas é o primeiro livro de Chéu por aqui; um livro que se situa algures entre a poesia e a dramaturgia – um híbrido literário. Os textos que o compõem surgem na continuidade, temática e atmosférica, dos seus livros anteriores: um universo lexical característico da decrepitude, da caducidade, da decadência, do esboroamento, da ruína, em suma, da putrefação e da abjeção. A edição é da Demônio Negro. A escritora nasceu em Lisboa em 1978 e tem vasta obra como poeta, dramaturga e argumentista.

>>> Brasil: O selo Biblioteca Azul, da Globo Livros apresenta livro de dissidente norte-coreano que se tornou um libelo contra o regime ditatorial em seu país

"Este livro enfatiza o valor de uma sociedade aberta na qual muitas vozes podem ser ouvidas - não apenas uma voz autoritária." Assim, a escritora Margaret Atwood indicou a leitura de The accusation para Donald Trump. O livro escrito sob o pseudônimo de Bandi reúne 7 contos que traçam um poderoso retrato da vida sob o regime norte-coreano e será publicado no Brasil no começo de 2018. Este livro não passava de um manuscrito antigo, com 743 páginas encadernadas, mas graças à campanha realizada por Do Hee-Youn, ativista que faz campanha pelos direitos humanos na Coreia do Norte, ganhou novos ares. Vendido como o primeiro manuscrito de um escritor dissidente vivo da Coreia do Norte contrabandeado para fora do país The accusation (A acusação, trad. livre) foi escrito de forma meticulosa no grosseiro papel marrom usado no país. O autor escreveu sobre viver "como uma máquina que falava, um humano oprimido". Já foi traduzido em 18 línguas e publicado em 20 países. Bandi (Vagalume, em português) é um pseudônimo escolhido pelo autor. Em um dos 50 poemas contrabandeados com o manuscrito de The accusation, ele explica a opção. Bandi foi "destinado a brilhar apenas em um mundo de escuridão", diz. No livro, a Coreia do Norte é um país em que uma mulher é programada para mostrar sua tristeza pela morte de Kim Il Sung com flores, lágrimas caudalosas e um grito desesperado de "Grande Líder, Pai!" – mesmo quando seu marido está definhando em um campo de prisioneiros políticos.

Sexta-feira, 10/11

>>> Brasil: Clarice Lispector tradutora de Edgar Allan Poe

Com Os crimes da rua Morgue o escritor estadunidense inaugurou, em 1841, a moderna literatura policial e criou um de seus mais célebres detetives, o até hoje reverenciado Auguste Dupin. O conto, que narra a memorável investigação do assassinato de duas mulheres em um quarto fechado, é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como a vingança de um gato preto contra o dono cruel; as tormentas de um sobrevivente em um aterrorizante navio-fantasma; a paixão pelo vinho como armadilha para uma atroz cilada; a misteriosa doença que destrói os últimos descendentes de uma rica família; a tétrica obsessão de um homem pelos dentes da prima; e a amada que retorna da morte para ocupar o seu lugar de direito.

>>> Brasil: Uma caixa com a ficção completa de Guimarães Rosa

No próximo dia 19 de novembro passam-se cinquenta anos da morte do mestre de Grande sertão: veredas. Para assinalar esta ocasião formam-se eventos para discutir a obra de Rosa e um deles será marcado pela reapresentação de uma caixa com toda sua obra. Os vários e famosos contos reunidos em coletâneas como Sagarana e No urubuquaquá, no pinhém, entre outras; as novelas e ainda os romances integram a biblioteca que a editora Nova Fronteira apresenta como "Ficção completa". O leitor deve lembrar as várias edições apresentadas pela casa no novo projeto editorial sobre a obra do escritor. Então, esta é mais uma.

>>> França: Em Paris, publicam-se as cartas de amor entre Albert Camus e sua amante

Ele a chama "Mon amour chéri"; ela responde "Mon cher amour". A correspondência amorosa entre o escritor francês e a atriz franco-espanhola María Casares vem a lume. E arde de paixão. "Suas cartas fazem com que o mundo seja mais vasto, mais luminoso, o ar melhor respirável, simplesmente porque existiram", escreve Catherine Camus, filha do escritor Prêmio Nobel de Literatura, quem promoveu a apresentação das 865 cartas inéditas agora publicadas. Os dois, Casares e Camus se conheceram em Paris no dia 6 de junho de 1944, dia do desembarque aliado na Normandia da Segunda Guerra Mundial. Ela tinha 21 anos, ele 30 e estava casado com Francine Faure, mãe dos gêmeos Catherine e Jean. Quando se conhecem Francine está na Argélia e regressa a Paris em setembro – destroçada, María Casares rompe com o amante. A separação dura 4 anos, mas no dia 6 de junho de 1948 os dois se encontram por acaso numa rua em Paris e recobram o amor que não mais será rompido. Nas cartas os dois falam muito de seus trabalhos, das viagens e da paixão amorosa vivida por eles. Camus escreve à sua "pequena gaivota", sua "truta negra", sua "saborosa": "Estou impaciente. Imagino o momento em que fecharemos a porta de teu quarto", escreve ele. "Estou que ardo, por dentro e por fora. Tudo arde, alma, corpo, em cima, embaixo, coração, carne [...] Entendes? Entendes bem?", escreve Casares. Foram 12 anos de cartas. Mais de 1300 páginas. A última carta de Camus é de 30 de dezembro de 1959. "Última carta", escreve o autor de forma premonitória em sua casa do sudeste francês desde novembro desse ano; anuncia que finalmente voltará "de carro" a Paris no dia 4 de janeiro. "Até logo, minha preciosa. Estou tão contente com a ideia de voltar a te ver, que rio enquanto escrevo". Camus nunca chegou a Paris. Morreu num acidente de carro no caminho para a cidade. María Casares morreu em 1996, aos 74 anos.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Boletim Letras 360º #241

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

Ivan Búnin