Garotos do Leste, de Robin Campillo


Por Pedro Fernandes



Um passeio pela filmografia de Robin Campillo servirá para que possamos perceber o quão diverso pode ser um criador que não mede esforços para se reinventar a cada trabalho. Com quase uma dezena de produções uma prova que poderíamos utilizar para comprovar isso – e outros textos que porventura vierem sobre algum outro título do cineasta dirão a mesma coisa – é a distância entre o premiado 120 batimentos por minuto, um de seus trabalhos mais recentes e Garotos do Leste, de 2003. Naquele, a atenção da narrativa é pela construção de uma historiografia da luta pela humanização do Estado em relação aos soropositivos; e neste uma encenação de alta carga dramática e tensional sobre uma condição que estava no início de tudo, os fluxos de migração dos povos que continuamente atravessam condições adversas em seus territórios de origem para a Europa abastada. 

Em 120 batimentos Campillo dispõe do material do qual irá compor sua narrativa: a história da organização ACT UP francesa em prol de políticas de Estado, a cobrança pelo trabalho dos laboratórios farmacêuticos para com os portadores de HIV. Em Garotos do Leste, os episódios com a imigração ilegal apesar de dominar a mídia e o cotidiano dos franceses serão integralmente trabalhados pela criatividade imaginativa do cineasta. Assim, a narrativa deste filme parece se inaugurar com essa busca pela história possível: a câmera passeia livremente pela estação Gare du Nord acompanhando o trânsito de um grupo variado de adolescentes e crianças que vivem à paisana como se à busca de desavisados para pequenos golpes. Os primeiros minutos servem para situar o espectador sobre como estes jovens se mantêm.

Situados, somos levados a um encontro quase casual entre um executivo e um dos garotos do grupo no que finda um agendamento para um encontro sexual. Este pequeno e corriqueiro episódio funciona como o gatilho de todo o drama que se abrirá – reafirmando uma tarefa sagrada do cinema francês, contar uma boa história a partir de uma situação aparentemente banal. E não falha. Desse momento, a narrativa ganha pelo menos três andamentos diferentes para uma mesma história: a invasão do apartamento onde vive o executivo pelo grupo de imigrantes; o retorno do garoto para o programa; o envolvimento do executivo movido por dois sentimentos que induzem à salvação do garoto – a carência e a compaixão.

Há algo de dickensiano na narrativa se pensarmos na figura do explorador de menores, no cativeiro que o explorado é submetido e no encontro de uma alma caridosa que o salve dessa condição, que parece se justapor a uma compreensão segundo a qual nem todos os envolvidos com a ordem marginal são movidos apenas pelo interesse gratuito de serem maus, mas porque a solução oferecida é nenhuma e logo tudo lhe favorece à errância. Esse critério beira o romântico se formos olhar para a situação desprezando o contexto cultural do qual a narrativa faz parte. Mas, sobre isso Campillo tem profunda compreensão e não deixa de marcar criteriosamente a que condições se refere.

A invasão do apartamento de Daniel, apesar de inaugurar um movimento da atmosfera de tensão que se derramará para o resto da narrativa – porque ficaremos sempre à espera pelo pior –, oferece-nos algumas questões pertinentes de se pensar. Duas das principais delas talvez sejam o vilipêndio da intimidade e da individualidade, algo que se verificaria (e depois se verifica) no envolvimento sexual entre ele o jovem Marek / Rouslan (o que paga e o que oferece o corpo em serviço), e o desfazimento, de uma hora para outra, de uma condição que terá levado grande parte da vida (ou mesmo toda) para sua construção. Ocorre aqui um toldar da memória que se queria pura e indissociável das situações mais complexas e aparentemente intocáveis a figuras do patamar social de Daniel. Isto é, a falsa sensação alimentada pelo poder capital de que estaríamos salvos depois de conquistar as paredes de ar que sustentam nossa bolha na selva onde padecem todos os menos privilegiados.

A condição de confronto com seu próprio status parece corroborar em Daniel alguma certeza que tem consigo: os invasores podem lhe servir como um profundo choque de consciência sobre o que é existir como alheado ou indiferente ao seu lugar no mundo. É isso, aliás, o que favorece a uma vez retomado o ponto de origem da situação a que é submetido, o envolvimento deste homem bem-estabelecido socialmente com Marek / Rouslan. Neste segundo momento a narrativa é atravessada por um custoso trabalho de estabelecimento de uma relação de confiança e por uma tentativa de conhecimento sobre a lugar do outro (essas duas construções se dão por sobre um arame farpado e o destino é sempre sustentado pela imprevisibilidade).

O sentimento de querer oferecer uma alternativa ao garoto recobra em Daniel uma espécie de metonímia sobre o que poderia ser a própria Europa para com aqueles segregados por uma parte do continente que conseguiu se estabelecer como um modelo de civilização pela qualidade de vida oferecida pelo Estado aos seus cidadãos. É uma via de mão dupla: o continente idealizado pelo imigrante foi construído em parte do esforço do próprio imigrante e este, por sua vez, de uma hora para outra se torna a presença inimiga porque ganha entre todos o sonho de ser tal e como é para uns o mundo de oportunidades. É o sempre temido imaginário do outro capaz de tomar o meu lugar; quer dizer, o refúgio que construímos em nome de uma estabilidade significa o integral isolamento de uma condição a qual falsamente deixo de estar submetido. A tratativa de Campillo é o questionamento dessa ordem e sobre a responsabilidade que temos sobre o outro e que ignoramos.

Ligações a esta post:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268