Algumas leituras e a violência encoberta


Por Rafael Kafka



Um dos grandes dilemas encontrados por mim em minha existência cotidiana é a vontade de ler muitas coisas ao mesmo tempo. Essa vontade me domina desde antes dela existir, pois ali por 2008-2009 eu já tentava sem muito sucesso ler pelo menos dois livros por vez. Não conseguia, pois, morando em ambiente barulhento, eu lia mais em ônibus indo e voltando da faculdade e pouco tempo sobrava para mais de uma leitura por vez. Morando sozinho há alguns anos, quase todos eles foram dedicados à leitura conjunta de títulos, mas confesso que hoje esbarro demais numa falta de disciplina condicionada pelo meu imenso gosto de conversar.

Por mensagens, comentários em postagens ou no revezamento de aparelhos na academia sou um viciado em boa prosa e isso atrapalha demais meus planos de leitura. Mas, mesmo aos trancos e barrancos eles avançam e eu aos pouco vou percebendo o grande prazer de fazer isso em minha vida: o de captar as conexões entre textos diferentes em abordagens. Nesse sentido, a leitura de Shalimar, o equilibrista, de Salman Rushdie, vai ao encontro em muitos planos com a leitura de outro texto que tenho feito nesse momento: Violência, de Slavoj Žižek. Posso colocar aí outro título o qual li há algumas semanas: O poder americano e os novos mandarins, de Noam Chomsky.

Todos esses livros me fazem pensar na violência simbólica e naquela que perdemos de nossas vistas e de como, muitas vezes, a reação do oprimido é vista não como reação e sim como violência. Chomsky foca bem nas conferências e ensaios que compõem seu livro na Guerra do Vietnã e em como intelectuais liberais de então defendiam com um racionalismo frio a “defesa da liberdade” feita pelos norte-americanos por meio de uma política externa que desde então parece se repetir em diversos pontos. Chomsky cita claramente o Iraque e o Afeganistão, mas facilmente poderia citar também a Venezuela atualmente, cujo regime político problemático tem se convertido em mais uma desculpa para os States defenderem a democracia, do seu jeito, não conseguindo ir tão a fundo nesse propósito devido a outros gigantes como a China e a Rússia.

Em um nível macro, vemos atos de terrorismo de Estado e no nível micro também. Se países como os Estados Unidos bombardeiam outros para a defesa dos ideais liberais e dos negócios desses ideais, países como o Brasil subjugam seus pobres às mais degradantes condições possíveis. A reação desses pobres por meio do tráfico de drogas, de assaltos ou mesmo de rebeliões em busca de direitos básicos são vistos como violência, como vandalismo. Quando alguma compensação é dada àqueles que decidem enfrentar o Estado, ela é dada de forma muito bizarra e tosca, como a Lei de Anistia brasileira, a qual colocou no mesmo balaio de gato quem derrubou um presidente eleito e os que usaram estratégias como a luta armada para a derrubada desse regime.

Žižek em suas reflexões marginais foca bem nesse fato. Nós tendemos a ver na reação agressiva das pessoas o único gesto de violência, mas a violência geradora de tudo aquilo é a anomia causada muitas vezes pela vontade deliberada do Estado. Esse mesmo Estado com seus aparatos de comunicação coloca-nos diante de imagens que nos fazem crer que os vândalos devem ser parados e que a civilização segue em passos firmes rumo ao progresso. Ideais revolucionários, aqui uma metonímia para qualquer crítica social mais aprofundada, são vistos como tolos e a ordem social das coisas é tida como ordem natural dos fatos. Não há nada a ser mudado e a violência estatal é vista como a condição humana em si.

Não à toa, geralmente quem se coloca no espectro mais senso comum de uma visão social diz que a defesa de uma visão mais crítica não é docência, não é imprensa, não é jornalismo e sim militância. Militar aqui significa, mesmo que de forma não tética em seu juízo, colocar a realidade em parênteses, questionar a origem e dinâmica dos fatos. Militar é simplesmente perguntar por que as coisas são desse jeito e não de outro. O sujeito sem partido, o sujeito sem ideologia, o que se percebe assim, não pergunta nada porque para ele as coisas simplesmente são do jeito que deveriam ser.



Nesse sentido, é interessante a forma magistral como o enredo de Shalimar, o equilibrista se desenvolve. Logo de cara, no melhor estilo de O amor nos tempos do cólera, vemos uma das personagens centrais do romance, Max Ophurs, ser assassinada a sangue frio. O resto do enredo foca em diversos outros personagens em quatro núcleos narrativos e o tempo é desconstruído de modo a entendermos as motivações de cada ser nesse imenso texto entrecruzado e como cada um deles irá cruzar com o outro em dado momento. Ao mesmo tempo, os dramas pessoais de cada personagem são emaranhados a um imenso complexo de problemas sociais que se liga aos conflitos entre Paquistão e Índia pela região da Caxemira e aos conflitos étnicos entre hindus e muçulmanos.

Assim como Gabriel García Márquez, outro elemento bastante comum no texto de Rushdie é a relação profunda entre o mundo físico e o mundo sobrenatural. O autor faz esse outro entrecruzamento por meio de lendas e mitos das regiões nas quais se passam os conflitos ao mesmo tempo em que fenômenos bizarros são citados com uma naturalidade impassível. O romance de Rushdie assume um ar ao mesmo tempo brutal e suave, com um ritmo de leitura bastante agradável.

Em Shalimar, o equilibrista, o próprio mundo líquido com suas fronteiras movediças é o protagonista. Vemos isso claramente em diversos temas como o do homem que outrora lutou na Resistência francesa e agora é parte de uma política externa em defesa da liberdade a qual oprime povos pobres com bombardeios constantes. Também percebemos isso na moça que decide abrir mão das tradições de sua aldeia para viver a liberdade no mundo liberal, mas cansada de ser uma concubina volta para sua aldeia e se desespera ao não encontrar mais as coisas como eram outrora, antes de ela decidir rompê-las. Mesmo o assassino do embaixador no começo da história aos poucos se revela em toda sua humanidade e percebemos que ninguém nesse romance pode e deve ser entendido na lógica dicotômica do maniqueísmo.

Quando a filha do embaixador descobre que há uma relação afetiva no passado de seu pai a qual se liga à política externa de extermínio encabeçada por ele, ela se encontra no meio do absurdo líquido mais profundo. A sua raiva do assassino então se sente voltando para o próprio pai, figura que construiu todos os motivos necessários para a sua morte. Até então, ela via apenas em Max uma vítima da violência, mas agora precisa aceitar a dura realidade de que seu pai é na verdade o grande violador, o responsável por milhares de mortes e a sua traz apenas um pouco de justiça a esse mundo cruel.

Shalimar, o equilibrista é um romance ousado, pois consegue captar bem o ciclo de violência exposto por Chomsky e Žižek em seus ensaios e o modo como os dominadores usam motivos nobres para fazerem sua violência não ser enxergada como violência, algo que aparentemente tem funcionado bem demais no mundo ocidental de tantas desigualdades, mas cuja maior preocupação de boa parte das pessoas é o discurso “revolucionário” ou “militante”, que nada tem a ver com as causas da desigualdade social e as suas cada vez mais gritantes consequências. Além disso, o modo como somos obrigados a encarar as personagens, com seus rompantes de nobreza e podridão, leva-nos a abrir mão das velhas formas de rotular o outro as quais utilizamos para nos sentirmos em casa nesse mundo.

Essas três leituras mostram a violência como elemento fundamental de nosso mundo, mas um elemento mal localizado, mal enxergado. Vemos a violência em paralaxe, julgamos que ela está aqui quando na verdade ela está em todo canto e sua força motriz, seu causador, está bem ali. Enxergamos as torres gêmeas sendo derrubadas, porém não vemos como Osama Bin Laden ganhou poder. Enxergamos os crimes ocorrendo, mas não vemos a lógica que escraviza mais e mais pessoas ao narcotráfico e como combater essa lógica, como mudá-la.

Mesmo morando em uma realidade líquida, ainda queremos uma existência estável e nos fechamos em dicotomias e fórmulas velhas as quais não dão conta de analisar nossa realidade. Muitos de nós sofrem ainda com uma modernidade em forma de luto, não aceitamos a queda de uma velha ordem do real e por conta disso não damos conta de entender as bases sociais da violência em todas as suas formas. Pior: passamos a ver esta violência como defesa da liberdade e da cidadania e aquela como covardia e algo nojento, quando muitas vezes estamos invertendo a ordem das coisas e considerando o terrorismo de Estado algo nobre.

Salman Rushdie mostra em seu romance, de forma concreta, o que os dois ensaístas aqui mencionados discutiram em seus textos. As cenas em que o general Kashiwaha pensa em como os militantes, aqui na acepção de qualquer defensor da autonomia da Caxemira, devem ser levados a confessar seus crimes mesmo que a priori digam que não haja crime algum. A frieza transmitida por meio do discurso indireto livre nos ajuda a entender um pouco a mente sombria de quem exalta torturador em um mundo democrático, pois para essas pessoas tudo é válido no sentido de eliminar visões opostas que firam a ilusão de modernidade, a ilusão de um mundo estável.

Se eu pudesse citar mais um autor nesse texto, citaria Bauman que em Modernidade e ambivalência mostra como a racionalidade por trás de projetos como o de assimilação e extermínio é oriunda de pensamentos modernizantes, de desejo pela ordem, pela sincronia social perfeita. Cada vez mais eu percebo na violência, seja a de esquerda ou de direita, o desejo de tornar o mundo uno, o mundo sem diferença, o mundo ideal para uma determinada categoria social.

Assim, não devemos mesmo confundir a reação do oprimido com a violência do opressor. Mais do que isso: devemos cada vez mais tornar essa violência visível para se criar formas de combate a ela, principalmente por meio de uma educação e de um ato leitor e mediador de leitura que garanta a construção de uma sociedade o mais próximo possível do modelo democrático que almejamos. Enquanto virmos apenas as vidraças quebradas ou as ruas fechadas por cidadãos revoltados como violência, infelizmente estaremos longe de mudar esse cenário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Numa catástrofe, quais livros salvaríamos de nossas bibliotecas pessoais?

Varlam Chalámov, contador de histórias

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho