Miacontear - A carta de Ronaldinho


"Uns aprendem a andar. Outros aprendem a cair. Conforme o chão de um é feito para o futuro e o de outro é rabiscado para sobrevivência."

"O pulo é o desajeito humano de ensaiar o voo."

Este é mais um conto de O fio das missangas que reitera o tom anedótico para o texto. Mais uma vez estamos diante de um típico personagem. Filipão Timóteo. Assim nomeado pelo mesmo distintivo próprio do antigo técnico da Seleção Brasileira. Como técnico, Filipão Timóteo também se põe a elaborar estratégias de jogo num papel velho, depois de sua cerveja, para traduzi-las depois na falsa tela de TV disposta à sua frente.

Falsa porque o que se vê não passa de um desenho "rabiscado a carvão". "Filipão desenhara o televisor com detalhe de engenheiro. E ali estavam compostos com perfeição os botões, a antena, os fios." Pela tela imaginária Filipão vive as grandes emoções do futebol, coordena os jogos e comemora os gols com a mesma veemência de alguém que estivesse de frente a um TV de verdade.

Novamente esse conto desestabiliza as fronteiras entre o real vivido e o real imaginado que são apresentados aqui não como planos opostos, mas interpostos, isto é, ambos se dependem mutuamente, sendo o real imaginado tão ou mais necessário que o real empírico. Ao transportar-se para partidas imaginárias o velho Filipão Timóteo tem a oportunidade de fabricar para si um espaço real em que ele seja não apenas o centro das atenções, mas que ele seja sujeito de seu mundo, oportunidades que lhe é negada no mundo vivido.

Não se tratará como poderemos ver de um caso de esquizofrenia ou coisa do tipo porque ele tem a consciência de ambos os mundos. Quando o filho tenta entrar nesse universo imaginário do pai e vem com uma carta falsa de convocação da Federação Nacional de Futebol convidando-o para o descanso, Filipão logo lhe nega o pedido e apresenta de imediato uma contra-carta, esta mais verdadeira do que carta do filho. "Tinha selo do Brasil e estava assim endereçada: Senhor Filipão Timóteo, Bar do Munhava. Assim, sem emenda nem gatafunho. Em baixo, a assinatura bem desenhada: Ronaldinho Gaúcho." Adentrar nesse outro mundo imaginado não requer apenas a construção de uma mentira, há que saber as regras do jogo imaginado, reiterando a epígrafe posta no início do conto - "O problema não é se mentira. É ser mentira desqualificada.".

"- E já agora, meu filho...
 - Sim? - o filho perguntou, sem se virar.
 - Você pode-me trazer lá da cidade um pauzinho de giz para eu desenhar um televisor novinho?

Afinal, onde reside mesmo aquela linha (imaginária também) que separa imaginação e realidade?



___________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.102.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #323

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325