A sangue frio, de Truman Capote

Por Pedro Fernandes




A sangue frio é tradução para o português do original In cold blood do estadunidense Truman Capote. O livro foi publicado em 1966, mas um ano antes da prestigiada revista The New Yorker adiantou aos leitores o primeiro dos quatro capítulos. Trata-se, em linhas gerais, de um romance que relata o assassinato de uma família de camponeses de Helcomb, interior dos Estados Unidos. O enredo gira em torno de Richard Hickock e Perry Smith que descrevem com certa maestria e em tom adocicado, muito pelo encantamento do escritor pelo caso e os assassinos (principalmente o segundo, com quem, dizem as más línguas, teria tido um envolvimento amoroso) o assassinato de Herb Clutter, Bonnie Clutter, sua esposa, e os seus dois filhos, Kenyon e Nancy.

Trata-se de uma obra que marcou a literatura estadunidense porque foi uma das primeiras do chamado rol literatura jornalística, em que o escritor se dedica a contar determinado fato de jornal na forma de romance. De certa maneira, uma revisão dos protocolos entre ficção e realidade através de duas necessidades: uma, tornar o acontecimento, geralmente tratado com frieza e objetividade pelos jornais, mais compreensível, ensaiando outros meandros não explorados pela notícia; outra, tornar o fato ficcional mais próximo da verdade buscada pelo romance, uma de seus exercícios desde sempre.

E foi através do jornal que Truman Capote soube do assassinato. O crime foi um daqueles crimes que abalam cidades pacatas do interior e atrai a atenção de todos para o acontecimento; e o então escritor dedicou-se exclusivamente a fazer a cobertura do desenvolvimento das ações de julgamento dos assassinos. O contato com eles terá feito Capote se vê diante de um tema que não poderia ficar preso apenas à matéria policial com o triste desfecho de serem levados à cadeira elétrica; nem esse contato foi amistoso. A fama de não-me-toque do escritor teria, a princípio sido um fiasco na aproximação com Hickock e Smith, bem como dos moradores da cidadezinha, caso que seria contornado com ajuda da amiga, também escritora, Harper Lee (O sol é para todos), que viajou até Helcomb e fez o caminho entre o jornalista e as figuras com as quais construiu os depoimentos que dariam forma ao romance A sangue frio.

Fora o já citado tom adocicado de Truman na construção do relato sobre o crime, o que o livro tem de interessante é o modo como a narrativa procede - o outro lado da história, com direito aos preâmbulos do narrador por todos os espaços e os envolvidos no acontecimento. Ele tem trânsito, como se um jornalista investigativo pela cadeia, onde ficaram presos Richard e Perry, os dramas vivenciados pelos dois até suas condenações, a atmosfera da cidade de Helcomb, da família dos assassinos à rotina da polícia e das investigações. Nada escapa. E é objetivamente e minuciosamente relatado com fôlego jornalístico, mas sem, entretanto, deixar-se reduzir ao mero fato: há o tino literário para as ações. E só por essa questão é o livro indispensável no extenso debate gerado desde então entre literatura e jornalismo, ou como as duas formas são, pelo mesmo modo, tratamentos ficcionais, porque geridos por um ponto de vista.

De grande sucesso e uma quantidade variável de discussões nos Estados Unidos, o romance de Capote ganhou forma de duas maneiras para o cinema: a primeira, em 1967, pelas mãos do diretor Richard Brooks. O filme segue o mesmo título do livro e narra diretamente o assalto frustrado e a morte da família Clutter.

Em 2005, foi lançado o filme intitulado Capote, de Bennett Miller, que daria o Oscar de Melhor Ator para Philip Seymour Hoffman (pela brilhante interpretação que faz do escritor); o filme, entretanto, não se detém na trama da obra; é mais uma tenda de bastidor, conta-nos com se deu o desenvolvimento do livro. Mas também não toma nenhum partido sobre a polêmica envolvendo o escritor quando da escrita do romance.

No ano seguinte, Douglas McGrath dedicou um filme para examinar a relação controversa entre Truman Capote e os assassinos. Apesar de não ter alcançado o mesmo status da produção de Miller, Confidencial, conforme lê a crítica, mergulha nas emoções dos protagonistas dos acontecimentos de Helcomb. Entre os três títulos, recomenda-se, sempre, começar pelos livros, depois é possível ter suas próprias conclusões sobre as leituras feitas pelo cinema.

Comentários

Mariane Mattos disse…
Ótimo texto!
Eu assisti ao filme primeiro, com Philip Seymour Hoffman, só não li ainda A Sangue Frio, apesar de ser uma leitura praticamente obrigatória. hehe
Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão