Alguma poesia: o livro em seu tempo



Alguma poesia foi o livro de estreia de Carlos Drummond de Andrade. Sem a possibilidade de publicar a obra por alguma editora, o poeta não hesitou em pagar do próprio bolso a primeira tiragem de quinhentos exemplares. Quando publicado, logo tornou-se um ícone da cena modernista no Brasil. É nele que o leitor encontra peças como "Poema de sete faces", "No meio do caminho", "Cidadezinha qualquer", "Quadrilha". Mas, não foi só de louros que viveu essa obra; houveram algumas pedras no caminho do poeta.

Todos esses registros mais a quantidade de anos acumulados desde sua publicação em 1930 estão documentados nessa primorosa edição agora publicada pelo Instituto Moreira Salles. A edição faz par com a revisão de Uma pedra no meio do caminho: biografia de um poema, também publicada pelo Instituto. O livro é um marco nos oitenta anos de Alguma poesia, que aparece aqui reproduzido página a página fac-similar do volume que pertenceu ao próprio Carlos Drummond de Andrade.

Trata-se de um trabalho novamente organizado pelo poeta Eucanaã Ferraz, que reunião ainda anotações manuscritas de mudanças que o poeta incorporaria nas edições seguintes, além de cartas de amigos e críticos acusando o recebimento do livro, bem como uma rica amostra das resenhas e artigos publicados no calor da hora pelos jornais de 1930 e 1931.

Completa o volume um texto de apresentação, assinado pelo organizador, que traça o percurso de Drummond de 1924 até maio de 1930 e mostra que, desde as primeiras semanas em que começou a circular, Alguma poesia já se afirmava como peça central da poesia brasileira, objeto de elogios, de polêmicas e críticas. Uma edição para leitores amantes da obra do poeta e pesquisadores.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath

Não adianta morrer, de Francisco Maciel