Miacontear - O dono do cão do homem



Antes de adentrar na narrativa desse conto, temos, obrigatoriamente, de reparar o jogo semântico elaborado a partir de seu título. O substantivo 'cão' adquire nesse "O dono do cão do homem" uma dupla via de sentido no minímo. Ao mesmo tempo em que pode se referir ao cão, o animal domesticado pelo homem também pode se referir a uma 'vida díficil' (vida de cão) cuja posição do cão é a de domesticador do homem. Isto é, ao passo que sugere ser o cão aquele que tem um dono (o homem) sugere ser o homem aquele que tem um dono (o cão). E esse jogo de sentido dará conta do que propõe a narrativa.

Observando certamente a proliferação de mimos do homem para com os cães, mal notadamente do século: os cães como elemento que suprem a carência afetiva da qual padece o homem contemporâneo, cada vez mais isolado, vivendo mundos fechados à convivência em grupo, Mia Couto elabora esse conto em que a posição de domesticação do animal é invertida e quem agora é domesticado é o homem em relação às criaturas de quatro patas. Bonifácio é o nome do cão em questão. Caricato nome, "de tão humano, quase me humilha." Bonifácio. Nome que reitera a leva de bichos que circulam por aí com nomes tão ou até mais humanos que este.

"Aos fins da tarde, eu o levava a passear. Isto é: ele me arrastava na trela. Bonifácio é que escolhia os atalhos, as paragens, a velocidade. E houve vezes que, para não dar inconveniências, eu rebaixei a ponto de recolher o fedorento cocó. Prestei tal deferência aos meus próprios filhos? Depois de toda esta mordomia, as pessoas atentavam apenas nele:

- Belo exemplar, lindo bicho - diziam.

Quando me notavam era por acidente e acréscimo. Eu, humildemente eu, na outra extremidade da trela. "¹

O que vamos assistindo no desenvolver da narrativa é um constante processo de animalização do homem e humanização do cachorro, a ponto de o dono de Bonifácio largar tudo o que tinha para ir viver numa loca como cão e Bonifácio ter para si todas as modormias do dono, "tudo, vizinhos, amigos, os gastos e os ganhos de uma vida inteira". Esse processo de animalização do homem é uma crítica ácida aos desafetos humanos na sociedade contemporânea. Aos bichos é dada uma atenção e supervalorização que extrapola os limites do cuidado e imerge o homem num isolamento ainda maior. Ao transferir ao bicho valores que não são partilhados no seu mundo, o homem se isola da convivência de outras pessoas, perde, logo, seus referenciais. Exemplo está no fato de as tarefas desempenhadas para com o seu cão passarem distante dos cuidados que tem/teve para como o próprio filho.

_________
¹ COUTO, Mia. O fio da missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.104.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira