Descobrir Pinóquio




Amantes do livro-arte, a Cosac Naify lançou neste mês de dezembro uma obra digna de presente de fim de ano: Pinóquio. A proposta da editora em redescobrir a famosa história do boneco de madeira, vem numa caprichada edição de 3 500 exemplares impresso em papel importado GardaPat Kiara, capa dura e impressão em hot stamping. Nessas horas correr é necessário. 

A tradução do famoso texto ficou a cabo de Ivo Barroso, que manteve o mesmo ritmo de folhetim associado a uma linguagem refinada e límpida do original de quando o livro foi inicialmente publicado – sob o formato de folheto para jornal. Na luxuosa edição o leitor ainda se depara com um texto inédito no Brasil do escritor Italo Calvino em que comenta sobre o clássico. 

Pinóquio é uma rica metáfora acerca do rito de passagem da infância para a adolescência. Como texto metafórico que o é, Ivo Barroso preserva o tom irônico e jogo linguístico construído por Carlo Collodi. Para o tradutor, o contato com a obra original foi uma redescoberta do texto italiano; as adaptações diversas feitas para diversas linguagens, segundo ele “de certa forma, descaracterizam pois suprimem o estilo, a cadência e o vocabulário das frases, a elaborada “simplicidade” da narrativa.” 

Já sobre o desafio de ver isso preservado no português diz: “O maior desafio foi manter tudo isto e não recorrer jamais à deformação do aggiornamento, com uso de gíria e expressões de nossos colegiais de hoje. Collodi é um clássico, alheio ao tempo, que agrada a crianças e adultos de todos os países e épocas, mas seu texto precisa ser respeitado."

Outro detalhe que chama atenção na edição ora publicada é conjunto de ilustrações exclusivas feitas por Alex Cerveny – apelidado no blog da editora de o Geppetto do século XXI. O artista utilizou-se da técnica clichê verre – a mesma utilizada em meados do século XIX – na qual se chamusca uma placa de vidro com uma vela e desenha-se rapidamente com um objeto pontiagudo sobre a sua superfície. Logo aí vê-se que o resultado é uma obra à parte que reavive o diálogo com a beleza do texto que teve suas primeiras aparições em meados de 1883.

Ligações a esta post:

>>> Numa post para o blog da Cosac Naify os leitores podem assistir um vídeo com Cerveny.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea