Feliz Ano Novo

Pintura: Gabriele Munter



Carlos Drummond de Andrade tem um poema cujo o título é “Receita de Ano Novo”. Trata-se de um poema publicado em 1977 no livro Discurso de Primavera e algumas sombras que se utiliza, podemos assim dizer, das corriqueirices culturais que é muito em voga por esses dias 31 de dezembro e 1.º de janeiro. O poema, no entanto, recorre a todo desejo de transformações proferido ano a ano, mas em modo de lição não repete o tom sentimentalista. 

Enquanto se alardeia aos quatro cantos determinadas convenções para que tudo seja perfeito na virada de ano, o poeta mineiro injeta uma voz contrária que tem por finalidade recuperar um sentido, diríamos, mais autêntico dessa data.

Um ano novo há que ser feito a cada dia. Não apenas num dia só. Também não é o fato de que tudo passará a ser o oposto daquilo de ruim que vivemos no ano que finda. Se assim fosse, cada ano que entra seria mais perfeito do que todos os outros que o antecederam. No entanto, sabemos que, muitas vezes, é o contrário. 

Com o ideal de que o ano novo fazemos cada um e que a diferença que cada um faz é capaz de reposicionar determinados divisões sociais que têm se mostrado tão corriqueiras é que achamos por bem voltar ao poema de Carlos Drummond Andrade para reiterar os votos de Feliz Ano Novo.

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo 
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #579

Boletim Letras 360º #573

Boletim Letras 360º #574

Boletim Letras 360º #578

A bíblia, Péter Nádas

Palmeiras selvagens, de William Faulkner