Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Feliz Ano Novo

Carlos Drummond de Andrade tem um poema cujo o título é "Receita de ano novo". Trata-se de um poema que se utiliza, podemos assim dizer, das corriqueirices culturais que é muito em voga por esses dias 31/12-01/01, mas pelo seu lado oposto. Isto é, enquanto se alardeia os quatro cantos determinadas convenções para que tudo seja perfeito na virada de ano, Drummond, injeta-lhe uma voz contrária que tem por finalidade recuperar o real sentido da data.

Um ano novo há que ser feito a cada dia. Não apenas num dia só. Também não é o fato de que tudo passará a ser o oposto daquilo de ruim que vivemos no ano que finda. Se assim fosse, cada ano que entra seria mais perfeito do que todos os outros que o antecederam. No entanto, sabemos que é o contrário. Com o ideal de que o ano novo fazemos cada um, e que a diferença que cada um faz é capaz de reposicionar determinados apartheids sociais que têm se mostrado tão corriqueiro é que achamos por bem voltar ao poema de Drummond para reiterar os votos de Feliz Ano Novo.

Para baixar o cartão clica aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas