Corpo elétrico, de Marcelo Caetano


Por Pedro Fernandes



Uma narrativa que a um só tempo trate do Brasil e seja universal. A lista de obras cinematográficas que conseguem esta façanha é um bocado extensa, embora possamos perceber pelos filmes capazes de chegar aos circuitos maiores que essa possibilidade se apresente toldada por uma influência castradora e problemática para a criação brasileira, a importação dos modelos vazios e bestiais do cinema folhetim estadunidense.

Pelos elementos recorrentes na cena, Corpo elétrico assume ainda outra frente nas produções brasileiras, a dos filmes que abordam o universo operário, vertente marcada por títulos como Os libertários, documentário de Lauro Escorel ou Chapeleiros, de Adrian Cooper. Esses dois filmes, importantes para o contexto de sua produção e agora para a história do cinema no país, adquirem dois papéis fundamentais na filmografia sobre o trabalhador e o trabalho: aquele constrói um retrato acerca dos movimentos de defesa dos direitos trabalhistas e este pela observação sobre o ato de trabalhar.

Se as relações de trabalho se tornaram mais flexíveis entre os primeiros títulos dessa linha temática e o filme de Marcelo Caetano, Corpo elétrico vem reafirmar que no modus vivendi de agora pouco ou nada difere das vidas do passado. As rotinas são ainda puxadas e repetitivas e servem a apenas um propósito: o do lucro de uns pelo esforço pouco recompensado de outros. O filme une o exercício da observação sobre o ato de trabalhar ao ato político de expor uma necessidade nas revisões sobre as relações e os modos de produção na atual sociedade.

Para sublinhar essas duas determinantes é significativo o disparate entre patrão e empregado: enquanto um tem a chance de viajar para Londres para o ano novo, o outro é obrigado a cumprir sua ausência na fábrica. No que se refere à observação, o lento exercício do olhar da câmera sobre a adaptação de um novo empregado ou ainda sobre as várias frentes de produção em série marcadas ao longo do filme, com destaque, nesse ínterim, para os dramas das atividades repetitivas e para as ofuscadas relações humanas no ambiente de trabalho. Isto é, a lida do operário, a máquina enquanto extensão do corpo, os algozes, são dimensões que dão forma à narrativa fílmica.

O ponto de vista encontrado pelo cineasta é o da personagem Elias, gerente de frente numa confecção. A tentativa do funcionário num negócio que é regido pelo olhar atento capaz de obrigar os trabalhadores a saírem da fábrica tendo que apresentar suas bolsas e mochilas à vigilância que investiga se não estão levando para casa restos de tecido é de, pelos pequenos gestos, subverter a maneira com as relações de trabalho se fabricam dentro e fora desse ambiente. No primeiro diálogo mais significativo que desenvolve com o novo funcionário, Elias quer saber como este tem se relacionado com as máquinas e diz preferir as relações humanas.

Os ecos dessa frase parecem se manifestar na atenção que dedica para com os colegas; atitudes simples, como a de observar sobre a condição de mal-estar de uma trabalhadora, a reivindicação de outra, parece ser o suficiente para despertar o sinal de alarma entre os superiores ao ponto de ser chamado atenção com um diálogo enviesado sobre relações de trabalho e ética – aquelas, claro está, devem ser despidas do traço humano e esta é apenas um subterfúgio encontrado pelo poder a fim de manter a mesma ordem de controle pautada na submissão dos trabalhadores aos patrões.

Outro elemento encontrado pelo cineasta na vivência livre e despojada de Elias com seus amores diversos e depois com o encontro descompromissado dos trabalhadores em ocasiões de fim de semana e de festividades é de modificar o interesse exacerbado pelo trabalho, dominante na vida das pessoas pelo divertimento e o ócio. Outra vez é preciso citar um diálogo entre a personagem principal de Corpo elétrico e o guineense, o novo funcionário da fábrica, quando são confrontados com a rotina castradora deste: a vida não é feita apenas de trabalho, é preciso se divertir um pouco.

A tensão entre o trabalho, o divertimento e o ócio encontra no corpo sua condição-síntese. Sua presença está em toda parte da narrativa, sempre assinalando ruptura com os modelos comuns, e assumindo contínuo contraponto entre o ambiente da fábrica e da vida fora dela. Nesse ínterim, Marcelo Caetano toca ainda noutro tema fundamental numa ocasião quando os ânimos parecem aflorar pela condição da repressão das liberdades individuais: a própria existência já não permite um retorno quando a diversidade das relações se encontra, ainda que em grupos específicos, determinadas. Novamente, parece vir das camadas mais populações a lição que falta aos do poder: viver exime-se de quaisquer exercícios de castração das liberdades humanas.

As imagens que compõem a abertura e o fechamento da trama apontam para dois limites em distanciamento no âmbito das relações repetitivas do trabalho e o necessário direito ao ócio. Na cama por onde passam muitas das aventuras sexuais de Elias, a personagem reconta o sonho que teve com o mar que logo o reconduz ao período de sua vida quando tinha a liberdade de tê-lo com frequência ao seu alcance – esta é a cena de abertura de Corpo elétrico. No fim, Elias, depois de decidir faltar ao trabalho no dia seguinte, aparece integralmente cercado pelas ondas do mar. Entre uma cena e outra, assiste-se uma revisão de atitude da personagem e sua tentativa mais radical de subverter a ordem-máquina da existência. Que afinal, esta parece ser a mensagem principal de Corpo elétrico: é preciso deixar de se guiar pelo status do consumo desenfreado e da produção desnecessária para uma possível desautomatização dos gestos e dos corpos e um favorecimento ao humano que ainda nos resta e que este modelo vigente insiste em nos castrar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira