Tron - o legado, de Joseph Kosinski / Tron – Uma odisséia eletrônica, de Steven Lisberger

Por Pedro Fernandes



Não foi ontem que eu assisti Tron. Já tem é tempo que o filme saiu das grandes telas, ocupadas agora pelas produções para o Oscar 2011. Mas tive de esperar encontrar a versão anterior e vê-la para acabar de trazer para cá as notas escritas para o filme de 2010.

Para quem não conhece, esse Tron é uma versão "avançada" de uma edição de 1982, ou uma versão "continuada" desta. É verdade que nesse intervalo de tempo (1982-2010) as coisas pelo mundo cibernético avançaram e muito. Chamado por aqui de Tron – Uma odisséia eletrônica, o filme de 1982 é de um período em que o mundo dos programas de computadores estava ainda em embrionagem se compararmos com o que temos hoje. 

A narrativa desse primeiro Tron resume-se à história de Kevin Flynn, um engenheiro de softwares e criador dos melhores projetos para a empresa onde trabalha; Ed Dillinger rouba-lhes as ideias e ganha o cargo principal, demitindo Flynn. Flynn, não tendo mais oportunidades de trabalho, resolve investir em um Arcade. Kevin tenta acessar o computador da empresa para encontrar provas de que os projetos foram criados por ele porém, Alan Bradley  revela que criou um programa - "Tron" - para protejer o PCM (Programa de Controle Mestre) que guarda os arquivos da empresa. Com a ajuda da namorada de Alan, a Dra. Lora Baines, Kevin, Alan e Lora entram no mundo digital dos computadores da empresa e começam uma jornada. Está fundado o mundo virtual que domina toda a segunda versão de Tron - o legado. Mundo em que os programas têm a aparência física de seus criadores. Aquilo que era um cenário futurista dos anos 80, se converte em sofisticados espaços virtuais no cenário dos anos 00. O fato é que a realidade ficcional dessa versão atual do Tron não distancia-se muito da realidade empírica que vivemos.

A versão de Joseph Kosinski se dá a partir do desaparecimento de Kevin Flynn. Assume a busca, o seu filho Sam Flynn, também um gênio dos computadores como pai; daí tudo se dá como na versão de 82; Sam acaba entrando no mundo digital de computadores, onde seu pai vinha trabalhando e foi mantido preso por um programa criado por ele mesmo. Juntos Sam e Flynn tentarão acabar com a ameaça virtual e voltar para o mundo real.

Alinhando os enredos, é verdade que o enredo da primeira versão é muito mais sofisticado. O motivo, é evidente. Primeiro, o contexto de produção da película de Steven Lisberger é aquele da efervescência do mundo virtual. Segundo o sabor da intriga estava muito mais para uma questão de disputa pessoal do que um simples jogo entre bem e mal. A versão atual, ganha, é lógico, nos efeitos especiais. Nisso, mostramos que também evoluímos e muito tecnologicamente no cinema. Entretanto, tais evoluções valem mesmo a pena? O fato comprova ainda que o primeiro Tron é um filme único e, diferente do atual, excelente. O motivo? O primeiro Tron é de uma época em que poucos conseguiam ser tão originais e ousados quando o assunto era ficção científica. Já este de 2010... Bem, este é outra história.


Comentários

Anônimo disse…
Não vi o primeiro filme, mas entendo que ele deve ter atingido um patamar único, exibindo algo futurístico em 1982. Nos 2000, todos já estamos mais do que acostumados com cenários assim e com a ideia de uma era cada vez mais tecnológica. De qualquer forma, o Tron de 2010 é um bom filme, na minha opinião, claro. É puro entretenimento: bem versus mal, um herói destemido, cenas de luta e a sequência com as motos. Talvez ele não tenha significados maiores, mas garante a diversão.

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #325