Capitães da areia, de Cecília Amado


Por Pedro Fernandes





Todo filme produzido no Brasil, ainda é, para os seus produtores uma saga. Vou mais além: todo artista, para viver de arte por aqui, está condenado ao limbo, antes da morte. É fato que a humanidade tem se tornado mais tecnicista. E em terras tupiniquins o tecnicismo nascente deixa se contaminar por outro mal — a má formação cultural. Logo, com esse Capitães da areia, filme homônimo ao romance de Jorge Amado, que se sagrou na contramão do que disse antes sendo um dos escritores mais vendidos dentro e fora desse país, não foi diferente. Imagino que Cecília Amado não tenha herdado o bom santo que favoreceu as vendas de livros para o seu avô e deve ter sofrido o diabo para por nas telas o livro mais conhecido de Jorge. 

Não quero subestimar esse esforço, mas não quero me guiar por ele para tecer elogios falsos a um produto que é genuinamente brasileiro e que brota de uma obra das mais bem acabadas de Jorge Amado. Logo, antecipo, a conclusão, e digo que Capitães da areia, é um daqueles filmes não brilhantes mas que carecem de um comentário. E digo o porquê. 
 
A escolha do elenco é talvez a mais acertada. A fotografia respira Salvador de lés a lés. Também estão lá a rica cultura baiana, suas danças, comidas, tradições, os becos e vielas da Cidade Baixa, o sotaque inconfundível do baiano, suas gírias... Mas o trabalho com o elenco deixa a desejar. Os meninos atores não têm expressividade, de modo que a trama segue morna, nalguns momentos tesa, com falsos tons de fala, e parece estarmos diante daqueles teatros amadores (o termo é utilizado aqui no sentido negativo mesmo). Faltou exercício de interpretação com a garotada, tal qual fizeram com aqueles atores de primeira viagem no Cidade de Deus, outra peça derivada da leitura de uma obra literária. 
 
Outro elemento citável é o enredo. Para os que leram o romance de Jorge Amado verão que, como na escolha do elenco, Cecília foi fidelíssima à narrativa original. Entretanto, é lição primária que, a simples transposição de obra literária do papel para tela é insuficiente. Cabe ao criador a proposição de alternativas que acrescentem a experiência do material verbal. Agora, quem não leu, ficará mesmo tentando entender o rumo de determinadas histórias no interior da trama e achará o fim contado pelo Professor coisa feita às pressas, como se a verba do filme acabasse ali e não desse mais para rodar a película. 
 
A grandeza dessas falhas é suprimida pela beleza sensorial das imagens, pela riqueza da trilha sonora e dos efeitos de som. O filme não se faz panfletário de uma obra que a crítica leu nesse sentido: há quem diga ser Capitães da areia, a peça mais panfletária do escritor baiano. Sabe-se que ao colocar no epicentro da trama um grupo de crianças desvalidas e marginais entregues à toda ordem de bandoleirismo da Salvador dos anos 1930 — período em que se desenvolve os acontecimentos da narrativa — Jorge reforça seu interesse pessoal pelo comunismo como modelo social adequado e rejeita o capitalismo, entendendo este como força exploratória porque divisor da sociedade em classes.
 
Na comunidade desses capitães, até existe um líder, incorporador da revolução, Pedro Bala, mas as divisões de tarefas nos assaltos e noutras atividades no interior do grupo, são apresentadas pela via do mais justo e adequado para a coletividade. O único romantismo, entretanto, que sai das arraias dessa seriedade do comunitário, ou da idealização de unidade grupal, é mesmo o amor adolescente de Bala pela sua Dora. Tingido este, aliás, com belos pincéis de uma autêntica história de amor entre adolescentes. 
 
É um filme, que vale ser visto. Antes, porém, ler o romance parece muito útil para melhor entender o funcionamento do enredo da película.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #571

Boletim Letras 360º #570

A criação do mundo segundo os maias

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #566

Boletim Letras 360º #569