Miacontear - Uma questão de honra



Quintério Luca e Esmerardo Fabião são dois velhos amigos de vida, de bar e de jogo. “Existiam juntos, como o pescoço e a dobra do lençol.” Na grande parte das vezes, e ainda mais com o avançar da idade, as partidas de dama se estendiam por semanas e numa delas Quintério se dá conta que o jogo havia sido mexido. Alguém tinha feito isso e sendo o jogo um elo construído secretamente entre os dois, o primeiro suspeito que vem à mente de Luca é de que Esmerardo foi o feitor da desonra.

Desonra que será o elemento mais que suficiente para abalar o rumo da amizade entre os dois. Não convencido da negação de Esmerardo, ele e Quintério vão à consulta do juiz da cidade. Num diálogo deslocado em que paira um jogo de expressões alheias aos dois velhos, a dúvida, ao invés de resolvida, permanece, o que faz Quintério voltar ao juiz. Na certeza de matar o amigo pelo golpe de honra o juiz nega-lhe proteção o que faz Quintério avançar para, antes de matar Esmerardo, matá-lo. Num reflexo, o segurança do juiz dispara antes de Quintério e o velho cai morto.

O conto recupera a ideia de lealdade, companheirismo e amizade cuja sustentação se dá por uma única via - a da confiança. Desfeita essa, lançam-se os amigos ao duelo em nome de reparar a honra mexida. Dois valores que remontam às antigas relações humanas e hoje quase totalmente degradados. 

O desfecho trágico da narrativa de “Uma questão de honra” reitera esse processo de degradação da honra enquanto valor humano solapada justamente por um elemento estranho ao contexto da tradição (africana, no caso em evidência), que é a imagem de um juiz. 

Moldado aos trâmites ocidentais que difere das leis próprias construídas à base da honra e do respeito mútuo, o juiz, que pode ser lido como um substituto da antiga imagem do chefe da tribo, não possui a capacidade necessária de resolução do conflito fruto das relações humanas porque se regra por leis e valores que diferem dos valores daquele povo. 

Nesse ínterim, o conto de O fio das missangas outra vez nos coloca diante de choque ou embate de culturas, justificado pelo distanciamento linguístico entre o juiz e as personagens Quintério e Esmerardo. 

Ligações a esta post
>>> Acompanhe aqui a leitura dos contos de O fio das missangas.


Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #588

Boletim Letras 360º #582

Boletim Letras 360º #587

O vermelho e o negro, de Stendhal

Palmeiras selvagens, de William Faulkner

Dez poemas e fragmentos de Safo