Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos




É quase unanimidade que Philip Roth é um dos autores mais importantes da literatura estadunidense da segunda metade do século XX. Quase porque é pública a querela na entrega do Man Booker Prize ao escritor em 2012. Carmen Callil, reputada crítica literária e membro do júri, demitiu-se do seu posto e dentre as declarações que deu sobre a obra do escritor uma dizia que ele “continua com os mesmos temas em cada um de seus livros. É como se sentasse sobre minha cara e não me deixasse respirar”. Bom, desprezando certa grosseria nos temos, é fala coloca em relevo algo do perfil de Roth que chegou a ser sublinhado, por exemplo, no obituário escrito pela revista The New Yorker no qual recordava os temas preferidos do escritor: “a família judia, o sexo, os ideias estadunidenses, a traição aos ideais estadunidenses, o fanatismo político e a identidade pessoal”.

Philip Roth nasceu em 19 de março de 1933 em Newark, Nova Jersey. Filho de emigrantes judeus do leste da Europa e criado num bairro de classe média de Weequahic. Se notarmos a correlação entre esses primeiros dados biográficos e parte das suas obsessões literárias notaremos a estreita correlação de universos e sobre isso se pode dizer que um dos brios do seu trabalho consistiu em tornar universal experiências tão ou muito arraigadas à sua própria vida pessoal – o que não significa novidade se repararmos que quase sempre o lugar do escritor no mundo é seu principal espaço de locomoção criativa. O que se deve destacar, entretanto, é a maneira como cada um elabora esse trabalho e não a mera redução de lugar.

No caso de Philip Roth os mesmos lugares levaram-no sempre a escrever uma obra mais original que a outra e a oferecer uma possibilidade mais sofisticada que a outra do mesmo jeito de ser e estar no mundo. É o mesmo fôlego empregado por outros grandes nomes da literatura – mesmo daqueles cuja crítica se esforça por determinar e sobrepor presenças numa heterogeneidade que muitas vezes funciona apenas enquanto estratégia do próprio escritor em driblar seu horizonte principal de preocupações.

O brilhantismo de Roth está na extensa lista dos principais prêmios que recebeu e na sua entrada – agora em definitivo – para o grupo dos seletos esquecidos pelo Prêmio Nobel de Literatura. Além do Man Booker, levou o Pulitzer (1998), o National Book Critics Circle Award (1991) e o Príncipe de Astúrias, no mesmo ano quando anunciou sua retirada do mundo da escrita, em 2012. Essa retirada, que assinala o fechamento definitivo de sua obra, e agora sua morte, significou quase uma existência programada e construída e comandada propriamente por si; o que também é um fenômeno raro na comunidade humana. Na longa entrevista que concedeu a Charles McGrath no início de 2018 para o New York Times, o leitor já pressentia que a sombra da morte lhe rondava: “me espanto de ainda me encontrar aqui ao final de cada dia. Ao me deitar, sorrio e penso que ‘sobrevivi por mais um dia’. E oito horas mais tarde, quando acordo, me espanto de novo ao perceber que chegou a manhã e continuo aqui. ‘Sobrevivi mais uma noite’, um pensamento que me leva a sorrir de novo. Vou dormir sorrindo e acordo sorrindo. Estou satisfeito por continuar vivo.”

Depois do Príncipe de Astúrias e quando decidiu parar de escrever, outras atitudes denunciam que Roth fazia tudo como se controlasse a própria vida: deu um destino à sua gigantesca biblioteca e seus materiais de trabalho, dedicou-se a confessar-se com o seu biógrafo Blake Bailey, a reler obras de seu gosto e conhecer outras, a corrigir seu verbete na Wikipedia, a coordenar a publicação do último volume para a canônica coleção Library of America, em que foi o primeiro a ser aí incluído quando ainda vivo. Enquanto isso sua obra ganhava outros universos, como a entrada para prestigiosa coleção francesa Plêiade, que reúne um cânone universal dos mais importantes nomes da literatura, onde já estavam outros raríssimos nomes da literatura estadunidense, a citar William Faulkner, Henry James e Jack London.

A obra continuou depois da aposentadoria a cumprir os círculos de fechamento propostos pelo autor. Why Write? – seu último livro – reúne o que se chamou de “polimento final de seu legado”, um conjunto de discursos, alguns inéditos, ensaios literários escritos entre anos 1960 e 2013 e entrevistas que Roth manteve com outros escritores. Isso, depois de mais de três dezenas de obras – 31 para sermos mais exatos. Pérolas que incluem textos como O complexo de Portnoy, que o levou ao êxito com a tumultuada relação da personagem Alexander Portnoy com o sexo, e a trilogia que lhe abriu em definitivo as portas do Olimpo publicada ao longo de meia década formada por Pastoral americana, Casei com um comunista e A marca humana. Êxito que lhe veio cedo: Roth tinha 26 anos quando publicou Adeus, Columbus, um conjunto de cinco contos e uma novela que lhe valeu um dos mais prestigiados prêmios dos Estados Unidos, o Book Award.

Não apenas pela trajetória, mas pela obra rica e portentosa que construiu, marcada curiosamente não por um mas diversos títulos fundamentais o que coloca em suspensão qualquer acusação de um Minotauro preso na mesmo órbita do labirinto, não é possível desassociar o nome de Philip Roth da lista que inclui figuras como Saul Bellow e John Updike, outros gigantes de uma geração da qual ele era o último. Pela obsessão com o lugar do judeu estadunidense, está ainda ao lado – além próprio Bellow – de nomes como Bernard Malamud e Norman Mailer, pela capacidade de aprofundar temas e questões culturais da própria comunidade da qual formava parte, embora nunca se sentisse cômodo com essa reiterada categorização do escritor judeu-estadunidense: “Essa qualidade não tem sentido nenhum para mim. Se não sou um americano, não sou nada”; ou “Eu não escrevo judeu, escrevo estadunidense”.

A introspecção psicológica – recorrendo ao uso do alter ego, como o do romancista Nathan Zuckerman, voz em nove de seus romances – foi permanente o lugar de atuação de Roth. Nesse ínterim vale citar obras como Patrimônio, onde este protagonista examina sua complexa relação com o pai e se situa ante a dificuldade de ser testemunha de sua agonia até a morte. Situação, aliás, que amplia a limitada determinação dos interesses do escritor tais como enumerados pelo The New Yorker. Vale citar uma entrevista de Roth em 1985 em que definia uma questão essencial sobre sua literatura: “É a tensão entre o homem libre e as forças que o inibem dessa condição”, ou poderíamos ampliar, a luta do indivíduo contemporâneo com as questões tradicionais coletivas e individuais.

E como tal embate é tão antigo quando a própria história da humanidade, haverá ainda muitos leitores a se interessar pela obra de Roth, embora ele próprio tenha se perguntado, ao ver sua obra traduzida em diversas partes do mundo, quem ainda se interessaria por ler seus livros. Se se fecham alguns círculos, outros logo se abrem. Agora mesmo começam outros.

Ligações a esta post:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #298

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

João Cabral olha Joan Miró

José Saramago, o ano de 1998

A vida e a arte de Sylvia Plath

O projeto é escrever. Um perfil de Mario Levrero

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia e desordem