Boletim Letras 360º #296


Aqui estamos, como de costume, com as notícias que foram apresentadas durante a semana em nossa página do Facebook. Boas leituras!

A poesia completa de Sophia de Mello Breyner Andresen ganha edição no Brasil. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 05/11

>>> França: Vai a leilão uma carta do poeta francês Charles Baudelaire escrita antes de uma das suas tentativas de suicídio

Foi em 1845 e, como se sabe, o poeta sobreviveu. A carta foi leiloada na França por 234 mil Euros, três vezes mais que o valor do primeiro lance. Na missiva, Baudelaire explicava à sua amante Jeanne Duval, os motivos que o levava a por fim à vida: "Quando a senhorita Jeanne Lemer lhe entregar esta carta, estarei morto [...] Mato-me porque não posso mais viver, pois o cansaço ao dormir e o cansaço ao acordar são insuportáveis para mim", escreveu o poeta antes de apunhalar-se, mas sem grandes consequências. Tinha então 24 anos e viveu ainda outros 22; morreu em 1876 em decorrência da sífilis. Os problemas familiares, as críticas literárias, a falta de dinheiro e o alcoolismo haviam levado o poeta de As flores do mal a esta situação. Junto com a carta foram leiloadas outras peças como as cartas que recebeu de artistas como Delacroix, Manet e Victor Hugo, além de manuscritos de Baudelaire, como a versão de um poema que enviou ao seu editor Auguste Poulet-Malassis.

>>> Brasil: A obra poética de Sophia de Mello Breyner numa só edição

Antecipa-se as celebrações pelo centenário de nascimento da poeta portuguesa; chega, pela Tinta-da-china Brasil a aguardada antologia Obra poética pela Coleção Grandes Escritores Portugueses. A presente edição agrupa num único tomo toda a obra poética da autora, seguindo e atualizando os critérios de fixação de texto adotados nas edições anteriores.

Terça-feira, 06/11

>>> Brasil: O humor russo numa antologia

Reunindo 37 autores e 57 textos, em sua maioria inéditos no Brasil, esta Antologia do humor russo destaca um aspecto da cultura e da literatura russas pouco explorado entre nós: sua tendência ao irônico, ao satírico e ao paródico. Esse não é um aspecto secundário; numa cultura literária tão marcada pela discussão de ideias políticas e sociais, e, ao mesmo tempo, pela censura, o humor sempre foi uma das ferramentas mais sérias à disposição desses autores que também faziam as vezes de comentaristas sociais, de polemistas e de visionários. É difícil encontrar um escritor russo em cuja obra não esteja presente algum matiz do cômico. Com organização de Arlete Cavaliere, da Universidade de São Paulo, que também assina a introdução ao volume, esta antologia traça um percurso pelo "mundo do riso" russo, partindo dos clássicos do século XIX, como Gógol, Dostoiévski, Tolstói e Tchekhov, concentrando-se no período soviético e chegando até os dias de hoje, com nomes como Viktor Peliévin, Dmitri Býkov e Liudmila Ulítskaia, entre muitos outros. São textos que abrangem diversos gêneros de prosa, como o conto, a crônica, a anedota, a carta, trechos de romances e de prosa memorialística e breves peças de teatro, e que dialogam com a tradição literária russa sempre de um ponto de vista original e inusitado.

>>> Brasil: O antipássaro, livro que reúne poemas inéditos de Donizete Galvão

O poeta deixou estes textos no computador quando, numa madrugada de janeiro, foi embora da festa do afeto que era a vida ao seu redor. Um livro forte, repleto de sutilezas, que dá uma maturidade incrível a várias tensões (de) que sua poesia (se) alimentava desde o início. A edição é da martelo casa editorial, organizada por Paulo Ferraz e Tarso de Melo, com posfácio de Antonio Carlos Secchin e ilustrações de Hallina Beltrão. 

Quarta-feira, 07/11

>>> Brasil: O fascismo eterno, de Umberto Eco

Publicado pela primeira vez em 1997, como parte do livro Cinco escritos morais, O fascismo eterno chega aos leitores em nova edição no momento de ascensão mundial do flerte com o fascismo. Segundo Umberto Eco, entre as possíveis características do Ur-Fascismo, o "fascismo eterno" do título, estão o medo do diferente, a oposição à análise crítica, o machismo, a repressão e o controle da sexualidade, a exaltação de um "líder", um constante estado de ameaça, entre outros. O fascismo, denuncia o autor, longe de ser apenas um momento histórico vivo na Itália, na Europa (e no Brasil) do século XX, é uma ameaça constante da nossa sociedade. A tradução de Eliana Aguiar sai pela ela Editora Record.

Quinta-feira, 08/11

>>> Brasil: Estudo sobre a obra de José Saramago ganha edição no Brasil

José Saramago entre a história e a ficção: uma saga de portugueses, de Teresa Cristina Cerdeira da Silva, tem por base urna tese de doutoramento orientada pela professora Cleonice Berar­dinelli e apresentada em 1987 na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trata-se de uma muito estimulante investigação centrada na análise de três romances de José Saramago (Levantado do chão, Memo­rial do convento e O ano da Morte de Ricardo Reis), que reflete sobre o modo como essas ficções se interligam com a realidade histórica. Editado em Portugal e há muito fora de catálogo, o livro é apresentado pela primeira vez no Brasil pela Editora Moinhos e abre a coleção Estudos Saramaguianos, sob coordenação de Pedro Fernandes de Oliveira Neto.

Sexta-feira, 09/11

>>> Brasil: Divulgado o homenageado da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) 2019

É o escritor e jornalista Euclides da Cunha. Com curadoria da editora Fernanda Diamant, o evento ocorre de 10 a 14 de julho. Euclides ganhou projeção por seu famoso livro Os sertões (1902), no qual adentra o Brasil e constata que "não é o bárbaro que nos ameaça, mas a civilização que nos apavora".

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas