Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Miacontear - O fio e as missangas

Por Pedro Fernandes


O título deste conto e ele próprio me fez retornar ao título do livro que o contém. E vejo que ele pode ocupar o papel de chave-de-leitura para o próprio livro. Se antes eu via no título O fio das missangas como uma metáfora para a própria composição do livro, posso agora definir com mais precisão as missangas desse fio "- A vida é um colar. Eu dou o fio, as mulheres dão as missangas. São sempre tantas, as missangas..." O livro de Mia Couto é um exercício de perscrutar as várias vidas contidas na horizonte de vida do contista. Está clara essa interpretação. E é, sobretudo, as várias vidas de mulheres, sem dúvidas, personagens centrais da obra.

O conto em questão é um dos mais simples desse livro. O encontro do narrador com um tal de JMC, espécie de Don Juan, que vive à cata de mulheres até a morte de sua mãe. 'Distribuía' a elas o amor que seu pai não distribuía à mãe. Vejo nessa personagem que ela poderia ser o grande amor daquela mulher de A despedideira, seja por essa maneira de amar as mulheres, seja no trato que ele tem para com elas.

"- Me acompanha, JMC?
 - E você quem é, minha flor?
 - O meu nome você há-de chamar, mas só depois.
 - Depois? Depois de quê?
 - Ora, só depois...

***

- O ontem é muito longe para mim. Minha lembrança só chega às coisas antigas.


____________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.66.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa