A eterna juventude de Peter Pan

J M Barrie, o autor de Peter Pan


“A história do menino que não queria crescer faz parte do imaginário de diferentes gerações de leitores” – assim anuncia a Cosac Naify na resenha de lançamento de mais uma obra (de arte) para seu catálogo. A obra em questão trata-se da versão original do romance do escritor escocês J. M. Barrie, Peter e Wendy, traduzido integralmente por Sergio Flaksman e acompanhado da inovadora arte que Guto Lacaz que compôs as ilustrações para o livro.

O anúncio posto entre aspas no início desta postagem tem sua verdade: é a história do menino Peter Pan, nome que seria inspirado em Pan, o mítico deus grego conhecido por suas farras, que se recusa a crescer e suas aventuras com os irmãos Darling pelo imaginário lugar da Terra do Nunca.

J. M. Barrie nasceu em 1860 na Escócia e foi penúltimo entre um grupo de dez irmãos; com sete anos perdeu o seu irmão David, favorito de sua mãe, que morreu em decorrência de um acidente de patinação. A morte prematura de David terá sido uma das causas dos muitos traumas enfrentados por James e que foram posteriormente explorados em seus livros.

Peter Pan foi inventado numa situação corriqueira do seu tempo: enquanto contava histórias aos filhos da sua amiga Sylvia Llewelyn Davies, com quem manteve uma longa relação de amizade. O nome da personagem com ar mítico foi dado a partir de duas fontes: Peter Llewelyn Davies, o mais novo dos filhos de Sylvia; e Pan, como já dissemos, o deus grego das florestas. A morte da amiga fez de Barrie o cotutor dos garotos.

Mas, essa será apenas uma versão. O traçado da história de Peter Pan e o trauma com a perda de seu irmão David impresso noutras situações sugestivas de sua obra permite também sugerir que sugerir que base para o nome tenha sido mesmo a do irmão.

Fato é que a personagem apareceu pela primeira vez em 1902, num livro intitulado The little white bird, que foi adaptado para o teatro como Peter Pan, or the boy who wouldn’t grow, com estreia em Londres, dois anos depois. Em 1906, a parte do livro de 1902 foi publicada novamente com o título Peter Pan in Kensington Gardens, ilustrado por Arthur Rackham. A versão Peter and Wendy, que chegou até nós, só seria feita em 1911.



ilustrações de Guto Lacaz para edição de Peter e Wendy (Cosac Naify, 2012).
As imagens são do blog da editora. Clique sobre para ampliar.

O trabalho agora publicado no Brasil coloca o público do país em contato com a fonte original e as ilustrações de Guto Lacaz feitas a partir de recortes de papéis coloridos e vegetal e fotografadas em estúdio, conseguem capturar bem a atmosfera da narrativa.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325