O mestre, de Paul Thomas Anderson

Por Pedro Fernandes



Tive de revisar reiteradamente uma opinião que se formava enquanto eu via O mestre: não é este um filme injustiçado tal e qual andaram pintando certos lances da crítica cinematográfica. Ou mesmo alimentando uma pergunta: o que tem nesse filme que faz dele um trabalho quase esquecido no âmbito da Academia de Cinema? Dos três prêmios que concorria no Oscar 2013 – Melhor Ator, Ator Coadjuvante, e Atriz Coadjuvante – o filme de Paul Thomas Anderson não levou nenhum. O fato é que minha opinião não se altera diante da pergunta e da constatação dos não prêmios. Não houve injustiças. Pelo menos na minha reduzida visão. Isso não quer dizer que o filme se perca ou não seja coisa de se dar atenção.

Do contrário. Trata-se de um rico trabalho que merece – a quem tiver oportunidade – uma revisão; há determinadas nuances que passam despercebidas a uma primeira visão. O contexto da narrativa é  o surgimento num Estados Unidos de indivíduos solapados pela guerra de uma seita que reúne um campo vasto de elementos da ciência, numa necessidade mista de agregá-los aos da experiência religiosa. Fundada no início da década de 1950 e chamada de Cientologia, é bom que antecipemos dizer não ser este um filme sobre a história da seita ou sobre a história de seu fundador. Tais possibilidades passarão pela nossa frente, mas logo cairá em desuso quando descobrirmo-nos num vazio que não aponta nem para uma concordância sobre os acontecimentos aí desenvolvidos tampouco para uma discordância. Isto é, em momento algum o diretor polemiza sobre uma situação que já é de natureza polêmica. O telespectador ficará à vontade para ir às conclusões individualmente.

Tanto que o ponto de vista do narrador acompanha desde o início não “o mestre”, Lancaster Dodd, que só se apresenta quase vinte minutos depois da abertura da narrativa, mas o desajustado Freddie Quell, um recém-retornado da Segunda Guerra Mundial, que, sujeito apátrida, estará em busca constante por um objetivo de vida e por seu lugar no país natal. Freddie encarna o indivíduo desprovido da razão; preso num trauma como é todo aquele que experiencia uma guerra, incapaz de se relacionar socialmente senão pelo álcool e pela sede incontrolável no sexo; é o encontro – forjado ao acaso – com Lancaster que dará mostras do andamento da Cientologia. No mais, a certa altura do filme é o próprio Dodd que sai de cena e daí em diante restará o Freddie para um curto reencontro no fim de tudo. 



Por acompanhar o lugar desajustado de Freddie, a trama do filme parece ficar suspensa, sem rumo por vários momentos. Impressão enganosa que quer produzir no telespectador o modo como a personagem vê e se relaciona com o mundo externo. E o encontro com “o mestre” só irá acentuar ainda mais essa característica de Freddie, mesmo que em alguns momentos demos com situações tão em sintonia entre os dois que ficamos cá pensando qual deles realmente pode ser tratado por desajustado, afinal o prestígio de Lancaster que a condição aparante que o define acima da de Freddie, por exemplo, será posta em questão em várias ocasiões da trama.

A relação que Freddie estabelece com ele não é a dos aproveitadores baratos que vê num grande visionário a oportunidade de lhe usurpar. Não. Cria-se a partir dele, entre os dois uma relação de cumplicidade: Freddie tem um respeito quase que paterno por Lancaster embora Lancaster tenha nele apenas a figura de uma cobaia na medida certa para suas experiências. Freddie torna-se escravo de um ego desmedido, que cobra o centro das atenções de todos, que não hesita no silenciamento a qualquer custo quando tem seus interesses postos em questão; e seu discípulo capta bem esse comportamento porque vem justamente de um lugar da não contrariedade, em que o contrassenso é motivo a se pagar com a própria vida.

O filme aposta na relação díspar assumida entre Freddie e Lancaster e o resultado é uma montanha russa de questões: o senso e o dissenso, a razão e a loucura, o amor e o ódio, o líder e a cobaia, o criador e a selvagem criatura. Sempre dois pares de visão, dois lugares comportamentais, que produz uma narrativa ambígua, entre a fúria e paz, entre a paz e a violência. Da relação de opostos – um cheio de certezas e outro perdido – o que há além da própria seita que faz a relação dos dois alcançar o limite do abraço rolado na grama, ou do bebericado juntos, ou da defesa de um pelo outro até o fim quando todos da família estão de costas para Freddie? 

O filme não explicita, mas deixa em aberto a possibilidade da relação amorosa entre mestre e discípulo; ou ninguém terá reparado nas crises de ciúmes que corroem a mulher do líder que se esforça ao limite para não perder o controle do marido? Ou ainda, na cena em que a incapacidade sexual de Lancaster com a mulher faz ela ter a ação de ódio e nojo em masturbá-lo? Ou mais ainda: qual é a do olhar intenso entre os dois? Apenas um espelhamento – a do domesticador e a domesticado? Esse mistério encoberto e só sugerido ao longo do filme está para um ponto de cumplicidade plantada pelo diretor aos seus telespectadores. E faz de O mestre um jogo para não piscar os olhos.

Fora a relação conturbada que a seita alcançou quando do seu auge entre pessoas de Hollywood, vê-se que o filme de Anderson é uma distopia do modus vivendi estadunidense. Ou seja, vai à contracorrente do espírito de patriotismo que se forjou ao longo dos anos no cinema produzido nos Estados Unidos e somente aperfeiçoado desde sempre. Os dois personagens incorporam o lugar do fracasso que nunca os estadunidenses conseguiram admitir publicamente. Aí está duas das razões pelas quais é melhor calar que bajular com estatuetas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter